Exorcismo

Padres Exorcistas explicam

Consagração a Virgem Maria

Escravidão a Santissima Virgem, Orações, Devoção

Formação para Jovens

Espiritualidade, sexualidade, diverção, oração

9 de dez de 2010

Parlamentares brasileiros querem aprovar lei da "ditadura gay" aproveitando a estação do Natal


BRASILIA, 07 Dez. 10 / 06:13 pm (ACI).- O blogger pró-vida e pró-família Julio Severo, um dos poucos escritores brasileiros que vêm denunciando a "ditadura gay" que busca ser imposta no Brasil em forma de lei, expôs recentemente as tentativas de aprovar o projeto anti-“homofobia”, ou PLC 122, no Senado entre os dias 8 e 9 de dezembro de 2010. Segundo Severo, o PLC 122 poderia ser o último ato do governo Lula, e tornaria “crime inafiançável a crítica ao comportamento homossexual, ou seja, imporá sobre o Brasil uma lei que tratará como criminosa toda pessoa que expressar uma opinião contrária ao homossexualismo”.

Assim como em dezembro de 2009, quando a atenção dos brasileiros estava posta nas festas do fim de ano, o governo Lula sancionou o controvertido PNDH-3, desta vez tentará aprovar na calada da noite o projeto de lei PLC 122, também conhecido como “Brasil sem homofobia”, que, como explicou o Prof. Felipe Aquino, apresentador do Canal Canção Nova, ameaça criminalizar quem se manifestar contra a prática homossexual, algo que fere a liberdade de expressão garantida na Constituição Federal.

Advertindo sobre a sorrateira manobra do senado, Júlio Severo adverte que “aproveitando a estação do Natal e a aparente desmobilização dos cristãos e dos políticos, parlamentares ligados à militância gay têm a intenção, conforme evidências a que tivemos acessos, de apresentar um requerimento extra-pauta pedindo a dispensa da realização das audiências públicas para que, em vez de se continuar discutindo o PLC 122, ele seja imediatamente votado”.

Esta não seria a primeira vez que os ativistas GLBT tentam esse tipo de manobra, recorda Severo.
“Numa madrugada de dezembro de 2008 a Senadora Fátima Cleide (do PT), relatora do PLC 122/2006, tentou aprovar um requerimento de urgência ao PLC 122/2006 no Plenário do Senado durante as discussões do Orçamento da União. Para tal finalidade, Cleide já havia recolhido no requerimento a assinatura de vários líderes de partidos que assinaram enganados sem saber que se tratava do polêmico projeto anti-“homofobia”. Ela contava também com o apoio da então líder do governo, Senadora Ideli Savati. Mas naquela madrugada o Senador Magno Malta estava presente e não deixou que a votação acontecesse”, denunciou.

O Blogger brasileiro afirmou que “é possível que a relatora e outros senadores tentem novamente pedir o regime de urgência”.

Essa seria a última cartada da senadora, que está em seus últimos dias no Congresso, tendo sido impedida de continuar representando Rondônia no Senado, por ter sido rejeitada nas urnas pelo povo de seu estado. Por isso, Julio Severo adverte que “se conseguirem essa última cartada, a votação do PLC 122/06 (emendado) no plenário do Senado será de fácil aprovação, pois as emendas apresentadas e aprovadas pela Comissão de Direitos Humanos do Senado aparentam um projeto de lei sem “aparentes violações” ao direito de liberdade de expressão e consciência, o que torna a sua aprovação pelos senadores uma possibilidade fácil”.

Indo além do marco legal, Severo alertou para o fato de que “os meios de comunicação de massa também colaborarão para essa facilitação, mostrando cenas de violências contra homossexuais, com o propósito de passar uma imagem de “massacre” de homossexuais no Brasil, criando uma atmosfera favorável para a aprovação do PLC 122 no Senado”.

“O pior não é essa estratégia de aprovação pelo Plenário do Senado, mas o que acontecerá na Câmara dos Deputados, pois depois de aprovado no Senado com as alterações propostas o PLC 122 voltará para a Câmara dos Deputados onde nasceu”, advertiu também.

Segundo Julio Severo, “o perigo e a armadilha principal, pois existe uma forte mobilização para que na semana seguinte à aprovação do PLC 122 pelo Senado Federal, ele seja votado imediatamente no Plenário da Câmara, e é certeza que o movimento gay já está fazendo seu trabalho de pressão junto aos deputados para que eles derrubem todas as emendas aprovadas pelos senadores, as quais suavizaram um pouco o projeto, ou seja, o texto do PLC 122 passa ser válido na sua forma brutal e ditatorial original como foi aprovado no ano de 2006 na Câmara, com todas as questões gravíssimas, ilegalidade e inconstitucionalidade já apontadas por diversos juristas e instituições, entre elas a Igreja Evangélica e a CNBB”.

“Em seguida o texto aprovado na Câmara na forma original que foi proposto será enviado para a sanção ou veto presidencial. Esse será o último grande ato do presidente Lula”, afirma o escritor brasileiro.

Para escrever para todos os senadores alertando-os e pedindo posição contrária ao PLC 122, recomendamos que o leitor veja a carta da Dra. Angélica Boldt aos senadores brasileiros com razões de peso para bloquear o projeto de lei:
http://juliosevero.blogspot.com/2009/04/cientista-medica-escreve-aos-senadores.html

Outras fontes pró-vida no Brasil estão alertando que o PLC 122/2006 pretende, de uma só vez, glorificar o homossexualismo e instaurar a perseguição religiosa no país. Os membros do governo não poderiam escolher dia pior para tentar isso do que o da Imaculada Conceição de Nossa Senhora, 8 de dezembro.
Os pró-vida brasileiros afirmam que pode-se agir com eficiência e sem custos, telefonando para o Alô Senado (0800 61 22 11) e dizendo:

Estou atento(a) à tramitação do PLC 122/2006, que exalta os atos homossexuais e instaura a perseguição religiosa no país. Peço a Vossa Excelência que vote pela REJEIÇÃO TOTAL da proposta.

A mesma mensagem pode ser postada em:
http://www.senado.gov.br/noticias/opiniaopublica/fale_senado.asp


Por ACI Digital