Exorcismo

Padres Exorcistas explicam

Consagração a Virgem Maria

Escravidão a Santissima Virgem, Orações, Devoção

Formação para Jovens

Espiritualidade, sexualidade, diverção, oração

30 de out de 2010

Repúdio à carta de Dom Luiz Eccel

Excelentíssimo Senhor,
Como católica apostólica Romana, não posso deixar de manifestar sobre o email que recebi da campanha de Dilma Rousseff, contendo uma carta de V Exa.
Seguem comentários ao longo do texto.


O Papa e a política.
Por Dom Luiz Carlos Eccel

Já havia lido o discurso do Papa Bento XVI, aos Bispos do Maranhão, em visita ad limina apostolorum. Muito interessante o discurso do Papa. Ele não pode deixar de cumprir sua missão de Pastor Universal, exortando o Povo de Deus, especialmente no que diz respeito à defesa da VIDA.

O Santo Padre foi muito oportuno e feliz nas suas colocações, porque o Estado Brasileiro é laico, mas seu povo é religioso, e isto precisa ser respeitado. Quando digo que o povo é religioso é porque está disposto a fazer a Vontade de Deus e não somente dizer: Senhor, Senhor…, como às vezes se pretende, de maneira especial dentro da própria Igreja. Existem facções sociais, políticas e religiosas especializadas em fazer lavagem cerebral, deixando as pessoas sem convicções, mas com obsessões, e com a consciência invencivelmente errônea. Ficam semelhantes aos grãos de pipoca que levados ao fogo não estouram, e com mais fogo, mais duros ficam. Tornam-se donas da “verdade”. Estão até manipulando o texto do Papa, para justificar a sede do poder.

Dom Luiz, Bispo de Guarulhos, foi corajoso e deu nome aos bois. Expôs a realidade: que o PT tem em seus estatutos a defesa da descriminalização do aborto. Não é invenção, não é boato. Está no estatuto e está nas resoluções partidárias. Nenhum petista ainda negou isso, só tegiversou (palavra que Dilma adora usar) e falou de "saúde pública".

Se existe gente manipulando o texto do Papa, V Exa, como bispo católico, tem mais é que denunciar, expor mesmo. Dê nomes, Exa !  Se V Exa tem a coragem de mesmo depois de ouvir o Papa falar pela vida, em especial DA VIDA DOS NASCITUROS, e isso está bem claro no discurso, defender a candidata do partido que tem o aborto em suas resoluções, deveria ter a coragem de apontar também quem é que está distorcendo o discurso do Papa… Facção existe é no tráfico, Exa, não na Igreja. A Igreja tem movimentos, tem espiritualidades.

É a Vontade de Deus que nos salva e não a nossa, e sobre isto precisamos sempre nos exortar mutuamente, como diz o Apóstolo São Paulo. Portanto, que nossa fé seja sempre vivificada pela mútua exortação. Pode ocorrer de nos esquecermos que somos todos peregrinos caminhando para a Casa do Pai, e quando lá chegarmos, poderemos ouvir de Jesus o seguinte: “Afastai-vos de mim, vos que praticastes a injustiça, a maldade” (Lc13,27). Creio que ninguém vai querer ouvir isto naquela hora. Seu passaporte está em dia? Pode ter certeza de que a eternidade existe… Assim, busquemos alimentar nossa fé, sem esquecer, como diz o Papa, que ela deve implicar na política. A fé sem obras é morta, diz a Escritura Sagrada. E uma das obras que deve provir da fé, é o nosso voto consciente em pessoas que vão governar para o bem comum, respeitando a vida em todas as suas etapas e dimensões

Todas as etapas inclui a etapa intra-uterina.
Dilma é candidata por um partido que defende a descriminalização do aborto.
Todo candidato do PT é obrigado a assinar o Compromisso do Candidato Petista, que “indicará que o candidato está previamente de acordo com as normas e resoluções do Partido, em relação tanto à campanha como ao exercício do mandato” (Estatuto do PT, art. 128, §1º[1]).
2. Entre as resoluções que todo candidato se compromete a acatar está uma denominada “Por um Brasil de mulheres e homens livres e iguais” aprovada no 3º Congresso do PT (agosto/setembro 2007), que inclui a “defesa da autodeterminação das mulheres, da descriminalização do aborto e regulamentação do atendimento a todos os casos no serviço público[2].




[1] Estatuto do Partido dos Trabalhadores, Versão II, aprovada pelo Diretório Nacional em 5 out. 2007, in http://bit.ly/estatutoPT
[2] Resoluções do 3º Congresso do PT, p. 82. in: http://bit.ly/Res3CPT
Se V Exa continua defendendo o voto no PT depois de saber disso… então V Exa não entendeu nada do discurso do Papa.

No mesmo dia em que li o discurso do Papa, assistindo ao telejornal, à noite, escutei o pronunciamento da candidata e do candidato à presidência do Brasil a respeito do discurso do Papa. Ambos concordaram com as Palavras do Papa, dizendo que é missão dele exortar para uma vida coerente com os valores da fé e da moral, e que as palavras do Papa valem para todas as pessoas de fé, no mundo inteiro.

Não, Exa… quem falou sobre valores de fé e de moral foi José Serra… Dilma ficou preocupada em dizer que isso não atrapalhava sua campanha e que essa era a "crença do Papa"… além disso os militantes petistas xingaram o Papa na internet o dia inteiro…

O Papa falou, também, que o voto deve estar a serviço da construção de uma sociedade justa e fraterna, defensora vida. Como Bispo da Igreja Católica, e como cidadão brasileiro, fico feliz por saber que nosso Presidente tem defendido a vida, e sempre se pronunciou contra o aborto.

Mas escolheu um Ministro da Saúde, o Sr. Temporão, que não esconde ser a favor da legalização. Em 2009, a Fiocruz, instituição vinculada ao Ministério da Saúde, liberou R$ 80 mil para a filmagem do vídeo "O fim do silêncio", que mostra depoimentos de mulheres que abortaram seus filhos e defendem a descriminalização da prática. Apologia ao crime com dinheiro público !!!

Nesses últimos anos o Brasil tem crescido e melhorado em todos os aspectos, de maneira especial no respeito à vida e a valorização da dignidade humana.

V Exa só pode estar brincando! E a liberação das pesquisas com células-tronco? E o aborto de anencéfalos? Tudo isso é obra da articulação deste governo.

Esta é a Vontade de Deus! E as pessoas, em plena posse de suas faculdades mentais, vão reconhecer esta verdade.

Com certeza não é a vontade de Deus que o Brasil chancele a morte de crianças e tenha um governo autoritário e imoral.

Nosso país está em pleno desenvolvimento e assim queremos continuar e, depois de 500 anos, nosso povo quer eleger, pela primeira vez, uma mulher que tem compromisso com a vida e provou isso com sua própria vida. Como? Ela não fugiu para o exterior durante a ditadura, mas a enfrentou com garra e, por isso, foi presa e torturada. Ela queria um país livre, e que todas as pessoas pudessem viver sem medo de serem felizes, vencendo a mentira e o ódio com a verdade e o amor, servindo aos ideais de liberdade e justiça, com sua própria vida. Disse Jesus: “Ninguém tem maior amor do aquele que dá a própria vida pelos irmãos” (Jo 15,13).

Como uma mulher que se declarou abertamente a favor do aborto, em 2007, em sabatina da Folha de São Paulo, pode ter compromisso com a vida ? "enfrentar com garra a ditadura" que V Exa quer dizer é assaltar, sequestrar, roubar, tudo isso para financiar a guerrilha? Dilma queria vencer a mentira e o ódio com a verdade e o amor? Que tipo de amor comporta assaltos, jogar bombas, etc ? Se Dilma tem compromisso com a verdade, porque seu arquivo da época da ditadura está trancado num cofre no STM, que está negando acesso à imprensa? O que Dilma tem a esconder?

Obrigado Santo Padre por suas sábias palavras! A Dilma é a resposta para as nossas inquietações a respeito da vida. Quem sofreu nos porões da ditadura, não mata. Mas teve gente que matou a vida no seu ventre para fugir da ditadura, e portanto não deveria se comportar como os fariseus, que jogam pedras, sabendo-se pecadores. E Jesus disse: “Quem quiser salvar a sua vida vai perdê-la, e quem entregar sua vida por causa de mim, vai salvá-la”(Mt 10,39). Vamos fazer o nosso Brasil avançar ainda mais, com Dilma, que já provou ser coerente, competente e comprometida com a VIDA. O dragão devastador não pode voltar ao poder.

Espero que V Exa não esteja aqui fazendo referência ao boato do suposto aborto que Monica Serra teria feito… porque não há qualquer prova disso, há apenas uma aluna que diz que ela teria contado isso… ora, Exa, os muçulmanos, considerados rigoristas, exigem três testemunhos diferentes para condenar alguém… V Exa já condenou o casal Serra por um boato de época de campanha, pelo depoimento de uma pessoa que nem próxima deles era… e que sabe lá que interesses serve…

Dilma coerente, Exa? Mas ela muda de idéia a toda hora… em 2007 era a favor do aborto, agora, quando o voto dos cristãos lhe interessa, ela diz que é contra….
Dragão? Poder? Mas quem é vermelho é o PT… quem quer se perpetuar no poder é o PT!
O Papa diz que os bispos podem orientar seus fiéis, desde que para usarem seu voto para defender a vida e a moral católica… como  V Exa pode recomendar voto numa candidata cujo partido é a favor de casamento gay e descriminalização do aborto?

Deus abençoe os leitores e eleitores, governos e governados. Saúde e paz a todos (as)!
Tudo o que você me desejar, eu lhe desejo cem vezes mais. Obrigado.

Desejo a V Exa que se torne cada vez mais católico, mais obediente ao Santo Padre, que sua vida de oração se fortaleça e frutifique.

Caçador, 28 de outubro de 2010

Dom Luiz Carlos Eccel

Bispo Diocesano de Caçador

Rio de Janeiro, 30 de outubro de 2010.

Maite Tosta

Esposa, mãe e Católica
_____________________________


Manifeste-se:  dom-eccel@provinet.com.br, mitradiocesana@diocesedecacador.org.br

A esperança do Brasil : Os Cristãos.


Já é sábado, amanhã o povo brasileiro vai exercer o seu papel de cidadão, sairá de sua casa para participar do chamado ato democrático. Sabe-se que existe um desmerecido favoritismo por parte da candidata petista, favoritismo criado por uma imprensa e liderança mascarada e comprometida com alianças milionárias. Porém, mesmo diante de tamanha adversidade, é possível acreditar na virada e na vitória. Sabe qual é à base desta esperança? A crença de que o brasileiro não vai somente exercer o seu papel de cidadão, mas antes de tudo, vai exercer o seu papel de Cristão.


A Igreja nitidamente não tem partido, mas nunca deixou de ter aversão a ideais políticos que desejam destruir com os princípios e valores essenciais para a subsistência da humanidade, grande don de Deus. Fiquei muito feliz com o pronunciamento profético do Santo Padre dentro deste período eleitoral brasileiro, ele sabe que estamos prestes a termos um governo socialista. Poucos como Bento XVI sabem da desgraça que é esta filosofia política para uma nação, o pequeno Ratzinguer na tenra infância já via a demoníaca ação do pensamento socialista, certa vez um de seus párocos morreu açoitado antes da Santa Missa pelo regime fascista na sua frente. Espero desesperadamente que os batizados correspondam ao pedido do Santo Padre e sejam autênticos Cristãos na hora de eleger o nosso futuro presidente.


Aborto, homofobia, retirada de crucifixo de estabelecimentos públicos, liberdade religiosa, liberdade de imprensa, corrupção, caso Erenice, assaltos a bancos, ambigüidades na retórica e tantas outras coisas são fatos que revelam claramente que não há compatibilidade entre plano de governo petista e o cristianismo.


Conclamo todos os leitores deste artigo a honrar neste domingo a coragem de bispos como Don Luís Bergonzini, Don Aldo Pagoto, Don Benedito Beni, dentre outros que já estão à se levantar após o pronunciamento do Papa, honremos também a audácia do Padre José Augusto que no meio de algumas “cobras” bradou a verdade, não podemos esquecer nas urnas de honrar a intrepidez do Padre Mateus Maria que de dentro daquele santo mosteiro orientou tantas almas para a verdade, e lógico, não há o que falar sobre o Padre Paulo Ricardo que comprou a briga com a profética homilia do PNDH3 e não nos abandonou deixando artigos e vídeos que tanto denunciou as obras das trevas. São inúmeros os sacerdotes que estão trabalhando longe da mídia, eles merecem nossa atenção e obediencia. Os Cristãos não podem nas urnas desmerecer o trabalho de tantos leigos que literalmente se desgastaram para desmascarar o ideário petista. Dar o voto a candidata Dilma Roussef é literalmente cuspir no sangue que estes profetas derramaram nesta campanha política.


Mesmo frente pesquisas compradas, frente à "popularidade" do Lula, diante da frieza de José Serra no último debate, mesmo tendo tantas oposições, eu quero acreditar, tenho esperança, que amanhã, domingo, dia do Senhor, os cristãos vão dar um show de cidadania, mas antes de tudo darão um "show" de cristianismo.

Bruno Cruz
bhc.vida@hotmail.com

Dilma segue defendendo descriminalização do aborto no Brasil com falsas cifras

Nem sequer existem prisões suficientes para tantas mulheres no país, defendeu

.- Depois do discurso do Papa aos bispos brasileiros do Regional Nordeste V, no qual o Santo Padre recordou que seria falsa qualquer defesa dos Direitos Humanos que não compreendesse a defesa do direito à vida, a candidata do PT, Dilma Rousseff ofereceu algumas declarações à imprensa nas quais defende que as “3 milhões e 500 mil mulheres” que abortam anualmente no Brasil não deveriam ir ao cárcere. “Não acredito que ninguém em sã consciência recomende que se prenda esses milhões de mulheres”, defendeu a presidenciável. Dilma alegou que “a cada dois dias morre uma mulher nessa circunstância”, ou seja, provocando o aborto. Segundo cifras oficiais, o sacerdote Berardo Graz, o “Padre pela Vida” desmente o dado da petista.

Ao ser perguntada em Brasília sobre a mencionada alocução do Papa Dilma afirmou que não via relação entre este discurso e a sua campanha, na qual reiteradas vezes a candidata afirmou que no seu governo o aborto será tratado como tema de saúde pública.
“Eu acho que é a posição do Papa e tem de ser respeitada. Encaro que ele tem direito de se manifestar sobre o que ele pensa, é a crença dele, e ele está encomendando uma orientação”, afirmou.
O jornalista católico Reinaldo Azevedo criticou esta afirmação da candidata dizendo que a posição do Papa não é “a crença dele”, mas a posição da Igreja Católica.
“É a crença de mais de um bilhão de católicos no mundo inteiro, para os quais o papa é a máxima autoridade religiosa”, afirmou o blogger da Veja.

O discurso de Dilma é contraditório. A candidata se diz “pessoalmente contra” o aborto, mas defende sua despenalização, como o fez anteriormente em entrevista à Folha em 2007 e à Revista Marie Claire em 2009. A petista, em sua carta aos evangélicos, se comprometeu a manter a legislação que penaliza o aborto com reclusão de 1 a 3 anos para a mulher que realiza o aborto em si mesma ou consente que outra pessoa o faça e 3 a 10 anos de cadeia para a pessoa que faz o aborto em uma mulher sem seu consentimento, exceto no caso de estupro ou no caso de risco à vida da mãe.

No primeiro turno da campanha Dilma afirmou no debate da UOL que aborto deveria estar disponível, e portanto de forma legal, para as mulheres porque recorrem a ele “no desespero”.
Dilma alega que por ser ilegal as mulheres pobres morrem por terem que realizar o aborto de forma insegura “com agulhas de tricô” e “chás absurdos”. Na entrevista de ontem Rousseff afirmou ainda: "sei que morre a cada dois dias uma mulher nessa circunstância e não acredito que ninguém em sã consciência recomende que se prenda esses milhões de mulheres". A candidata afirmou que o número de mulheres que abortam no Brasil é de 3.5 milhões e que “outros dizem que são 5 milhões e 300 mil”. Dilma defendeu ainda que nem sequer existem prisões suficientes para tantas mulheres no país, criticando a atual legislação perante a qual o aborto é um crime.

Os números da candidata do governo não coincidem com os números do próprio governo, no DataSUS.
Se fizermos as contas com as cifras de Dilma, a candidata estaria afirmando que no Brasil a cada ano morreriam 182 mulheres (uma a cada dois dias) por aborto provocado.  Em um recente vídeo o Padre pela vida, o sacerdote Berardo Graz, coordenador da Comissão em Defesa da Vida do Regional Sul 1 da CNBB, denuncia a falsidade destes números. Segundo o “Padre Pela Vida” das 1.590 mortes maternas registradas pelo DataSUS no período 2007 “só 200” foram por causa de aborto”. O Pe. Graz faz uma ressalva explicando: “Aborto ainda não especificado, porque dentre destas 200, várias morrem por aborto espontâneo”, ou por alguma patologia da reprodução como por exemplo, a gravidez ectópica”. “Na realidade vítimas de morte por aborto clandestino ou aborto provocado não chegam a 100, ou até menos”, assevera o sacerdote, assegurando que “dentre todas as causas de morte de mulheres, o aborto é a última”. 

Segundo o portal de notícias G1, “a curetagem após aborto foi a cirurgia mais realizada no Sistema Único de Saúde (SUS) entre 1995 e 2007, segundo levantamento do Instituto do Coração (InCor), da Universidade de São Paulo. Com base em dados do Ministério da Saúde, os pesquisadores analisaram mais de 32 milhões de procedimentos nesse período”. No entanto a própria autora do estudo adverte que "as informações disponíveis no DataSUS não permitem diferenciar a curetagem resultante do aborto espontâneo da do provocado". Mesmo supondo que estes 32 milhões de aborto realizados em um período de 12 anos, foram provocados teríamos uma média de 2.6 milhões abortos anuais, quase 1 milhão a menos do que a candidata afirmou. Portanto, as cifras superiores a 3 ou até 5 milhões de mulheres citadas por Dilma, não têm fundamento nos números oficiais.

Não seria a primeira vez que membros do governo Lula, como a ex-ministra da Casa Civil e agora candidata, Dilma Rousseff, oferecem dados aumentados sobre o número de mortalidade de mulheres culpando a atual legislação pela suposta morte de centenas ou até milhares de mulheres que devem realizar o aborto na clandestinidade.  Em um recente envio o boletim Situação da Defesa da Vida (SDV) afirma que estas mortes, "não são milhares, como afirma (o Ministro da Saúde) Temporão à imprensa, nem 115, 152 ou 156, como foi afirmado pela Ministra Nilcéia em documento oficial entregue ao CEDAW. (...) As mortes por falhas de tentativa de aborto provocado (às quais se referia Dilma Rousseff), as únicas realmente registradas como tais nos dados do DataSUS, foram, respectivamente nestes anos de 2002, 2003 e 2004, em número de 6, 7 e 11 mortes”, afirma o boletim do SDV.

Para ver estes números de mortalidade materna segundo o DataSUS recomendamos o seguinte vídeo:
http://www.youtube.com/watch?v=WwFmp2g3bHY&feature=email


Para ver o vídeo do Pe. Berardo Graz, coordenador da Comissão em Defesa da Vida do Regional Sul 1 da CNBB:
http://www.youtube.com/watch?v=mvvfe0YOwf4&feature=player_embedded

29 de out de 2010

Domingo é o dia de o Brasil dizer não à Ditadura.

Enquanto para muitos estas eleições foram as piores - e culpam os cristãos por isso -, elenco esta como a que entrará para a história deste país e do mundo. Falo isso respaldada em tudo o que ocorreu desde o primeiro dia, do primeiro ato de campanha eleitoral. Não me lembro de nenhuma outra eleição em que temas tão sérios - como o aborto e corrupção - tenham saltado às vistas. Creio piamente que nem José Serra, nem Dilma Rousseff, muito menos Lula criam que haveria esta reviravolta. Certamente eles acreditavam que seria mais uma daquelas eleições mornas em que prometem algo que não vão cumprir, além de se vangloriarem por algo que não conquistaram.

Prova disto são os exemplos da candidata do atual Governo. Já me cansei em vê-la dizer que a dívida externa foi paga, quando não o foi; de vê-los gloriando-se pelo Bolsa-Família, mas em 2002 chamava-a de esmola governamental. O Brasil melhorou? Muito! Mas isso nao se deve "apenas" ao PT. O Brasil não mudou em 08 anos. O Brasil vinha mudando. E Lula herdou de FHC um plano econômico do qual ele (o Lula) SEMPRE criticou, e que, "ironicamente" o promoveu para o mundo; modelo do qual se apossou sem pagar direitos autorais.

É verdade que o desemprego é um dos mais baixos da história recente e o salário mínimo está recuperando o valor de compra. Também é fato que milhões de brasileiros deixaram a pobreza nos últimos anos. E o Brasil passou quase incólume pela crise financeira internacional que, em 2008, foi um tsunami no mundo. Devemos crescer até 7% este ano.

Diferente do que dizem, Lula não encontrou o Brasil quebrado, mas com a economia saneada pelo Plano Real que, em 1994, quebrou a espinha dorsal da hiperinflação. Aliás, eu me lembro de uma época em que o Real valia mais que o Dólar! E Lula era contra o Plano Real. Hoje ele, certamente, não deve achar nada ruim gastar seu salário em reais. Muito menos seu filho.

Agora: como não chamarmos o Plano Real de inclusão social? A hiperinflação era o imposto mais cruel que caía sobre os pobres e os trabalhadores que, até então, viam cada vez mais dias sobrarem ao final dos seus salários. E o Lula era contra este plano. Então, a que tipos de pobre o Lula era favorável?

FHC saneou o sistema financeiro. Depois do Plano Real, grandes bancos perderam receita inflacionária e quebraram. FHC criou o Proer e restabeleceu a confiança dos depositantes. Quando a crise internacional de 2008 bateu aqui, os bancos estavam saneados e não houve a quebradeira que aconteceu nos EUA e Europa. Em 2008, Lula anunciou que mandaria uma cópia do Proer para ajudar a sanear os bancos dos EUA. Criação do FHC que Lula se beneficiou.
FHC criou a Rede de Proteção Social que desenvolveu cinco programas sociais, entre outros: o bolsa-escola, o bolsa-alimentação (iniciativa de Serra quando ministro da Saúde), o vale-gás, o programa de erradicação do trabalho infantil e o programa para jovens em situação de risco. Em 2002, essa rede beneficiava 37,6 milhões de brasileiros, com investimento de R$ 30 bilhões. E todos estes programas foram reunidos por Lula, nominando-os Bolsa Família. É verdade que aí economizamos em criações de cartões (afinal, para cada programa, tinha um cartão) mas isso é apenas uma questão de logística. Sanear as dificuldades não foi prioridade dele. Isso já ocorria. Ele deu continuidade.

Contra o voto do PT, FHC criou o Fundef, que colocou 97% das crianças entre 7 e 14 anos da sala de aula e aumentou os salários dos professores, principalmente no Norte e Nordeste. No Planalto, Lula esqueceu o que dissera sobre o Fundef e “criou” o Fundeb, também sem pagar direitos autorais. Lula e o PT se opuseram à Lei de Responsabilidade Fiscal, que acabou com a gastança de prefeitos e governadores. Ao assumir o Ministério da Fazenda, Antônio Palocci tratou de anunciar que respeitaria essa lei. Lula e Palocci também anunciaram que haveria um prazo de dois anos para permitir a transição da política econômica de FHC para uma “política dos trabalhadores”. A política de FHC continua sendo executada até hoje, oito anos depois... E ainda acusam FHC de ser “neoliberal”...

Com o projeto Ficha-limpa, apenas o PT se opôs. Será por que, a começar pela candidata ao Governo pelo partido, a ficha é suja?
Os petistas dizem que FHC quebrou o monopólio do petróleo, quando na verdade o monopólio passou para a competência da União e a Petrobrás ficou liberada para firmar parceria com empresas estrangeiras. Foi a atuação da Petrobrás com a British Petroleum e a portuguesa Galp que permitiu a descoberta do megacampo de Tupi e do petróleo do pré-sal.

O PT foi contra a privatização das telecomunicações. Com o monopólio da Telebrás, telefone era item de declaração obrigatória ao Imposto de Renda.. Depois da privatização, o telefone celular anda no bolso até das faixas mais pobres da população. Hoje, existem mais celulares no país do que brasileiros...

O PT condenou, até com pontapés, a privatização da Vale do Rio Doce. Entre 1943, ano da fundação, e 1997, quando foi privatizada, a Vale investiu, em média, US$ 481 milhões por ano e teve lucro líquido de US$ 192 milhões. De 1998 até 2009, a CVRD investiu US$ 6,1 bilhões e teve lucro de US$ 4,6 bilhões. O recolhimento de impostos saltou de US$ 31 milhões para US$ 1,093 bilhão por ano.

Embora tivesse denunciado essas privatizações como “neoliberais”, Lula não mexeu nelas. Então, Lula também é neoliberal, afinal de contas, na campanha de 2002, ele chegou a apontar a privatização da Embraer como modelo.

Lula extinguiu, em 2006, os mutirões criados por José Serra e que atendiam os mais idosos e pobres, operando-os de catarata, varizes, próstata, câncer de mama e colo de útero. A conseqüência foi a explosão dos casos de cegueira por catarata entre os brasileiros mais pobres. A fila de espera por uma cirurgia de catarata não é de menos de seis meses. (Eu, por exemplo, estou há dois anos na fila para um exame oftalmológico).

José Serra tem 40 anos de história. Foi presidente da UNE, quando ela era, ainda, a União Nacional dos Estudantes e não um covil de pelegos. Exilou-se no Chile, em 1964. Foi secretário do Planejamento do governador Franco Montoro e coordenou a organização do plano de governo de Tancredo Neves.
Lula e o PT dizem que lutaram pela redemocratização. Eles mentem, de novo, pois ficaram contra a eleição de Tancredo Neves no colégio eleitoral.

Como deputado, Serra tirou do papel o FAT que, hoje, dá um oxigênio ao trabalhador que fica desempregado. Como Ministro da Saúde, Serra criou os genéricos. Anunciou que as patentes de remédios não poderiam prevalecer sobre a saúde e conquistou o apoio da Organização Mundial da Saúde. Desde então, as patentes dos medicamentos podem ser quebradas em caso de risco de pandemias ou emergências. Serra multiplicou por 9 as equipes do Programa de Saúde da Família. Criou também os mutirões de saúde. E promoveu campanhas de vacinação para os idosos.

Já Dilma Rousseff faliu como dona de uma lojinha que vendia produtos a R$ 1,99 em Porto Alegre. Secretária das Finanças de Porto Alegre, deixou a Prefeitura falida, como denunciou o seu sucessor, Políbio Braga. Ministra das Minas e Energia, Dilma apagou do site do MME as realizações do Luz no Campo criado por FHC. Depois, “inventou” o Luz para Todos, também sem pagar direitos autorais. Escolhida candidata, indicou Erenice Guerra para substituí-la na Casa Civil. Erenice tratou logo de arrumar “bolsas-família” e confortáveis sinecuras para o maridão, os filhos, os irmãos, os cunhados, os namorados e as namoradas dos filhos e velhos amigos.

A corrupção moral que o PT vem fazendo há uma década mostra que o Partido dos Trabalhadores não faz nada em prol do trabalhador. A não ser, é claro, pelos "seus" trabalhadores. Votar em Dilma é dar vazão a mais corrupções, a mais imoralidades. Eu não quero ver Pallocci, Dirceu, Genuíno, Erenice, Marcos Valério e tantos outros que já nos roubaram na era Lula roubar mais ainda e ouvir Dilma (assim como Lula) que nada viu, que não sabia de nada e que fotos e gravações não dizem nada. Não. Chega de distorção da realidade, dos valores, da verdade.

Não há dúvidas de Dilma será manipulada por Lula, tal qual Isabelita Perón que, ao suceder o marido, Juan Domingo Perón, como presidente da Argentina, na década de 70, não conhecia o país (vivera na Espanha) e nem o Partido Peronista. Tornou-se refém do ministro da Previdência, José López Rega, que era um fascista e iniciou uma guerra de extermínio contra os peronistas de esquerda. O país mergulhou numa guerra civil não declarada e na hiperinflação. Os militares deram um golpe e enfiaram a Argentina nas trevas da ditadura e da “guerra suja” das quais não se recuperou até hoje. E José Dirceu já percebeu as fraquezas de Dilma. Quando anunciou que a sua eleição seria o fortalecimento do PT, estava se candidatando a ser o López Rega de Dilma.

Eu não quero que Dilma e Dirceu  transformem o Brasil numa imensa Argentina. E sei que o Brasileiro não quer também. Tanto que, diferente de Lula e Dilma, FHC venceu em primeiro turno. O brasileiro está mostrando que quer sim uma política de qualidade. Não é o Lula quem determina o voto. É a democracia quem o determina. E as pessoas devm votar movidas pelas suas convicções. E aí onde entra os cristãos. Diferente de toda a imprensa que vomitou contra o Papa, alegando que ele não tinha o direito de se manifestar, digo que ele tinha não apenas o direito, mas o DEVER. Para estes eu digo que o Papa é Chefe de Estado também. E o povo de seu estado não mora apenas nas paredes do Vaticano; moram no mundo. Assim como Lula, Obama, Chávez e Morales, o Papa fala a todos os que lhe pertencem. Ele tem todo o direito em um mundo Laico orientar para que não se percam. E como diria Santo Agostinho: "Roma disse, dito está". Não há mais desculpas para padres, bispos e leigos afirmarem contra. Foi Pedro quem disse. E ele está com Cristo.E Cristo é pelos pobres, mas não numa visão comunista, que como disse Winston Churchill, o "COMUNISMO É CONTRA A ÍNDOLE DO POVO BRASILEIRO, e o socialismo/comunismo é uma filosofia do fracasso, o credo da ignorância e o evangelho da inveja. Sua virtude inerente é a distribuição equitativa da miséria", ou como sugerem Frei Betto, Padre Julio Lancellotti e Leonardo Boff. Cristo quer que os pobres tenham seus direitos assegurados pela Justiça, não pela Ditadura.
Creio que as palavras do Papa é um sinal de que Deus tem ouvido a prece desta nação. E creio que no Domingo teremos a resposta. É a oportunidade de dizermos NÃO à ditadura de imprensa, religiosa, ideológica e de vida que o atual governo  nos impõe.


Não perca esta oportunidade.

Vote bem.

Que Nossa Senhora Aparecida liberte o Brasil das arruaças comunistas, separe o joio do trigo e socorra esta Terra de Santa Cruz.

CNBB defende declarações do Papa sobre aborto.


A CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil) saiu em defensa nesta sexta-feira da declaração do papa Bento 16 que recomendou que bispos brasileiros preguem voto contra políticos que defendam aberta ou veladamente o aborto.

Em nota, a entidade afirma que "acolheu com gratidão" as palavras do papa que reforçam seu posicionamento de que padres orientem politicamente os fiéis brasileiros.

Para a CNBB, cada bispo tem direito de pregar, além de valores religiosos, voto em determinado projeto político.

"Em seu pronunciamento, o Santo Padre confirmou a preocupação constante da Igreja no Brasil em defesa da vida, da família e da liberdade religiosa. O Santo Padre enfatizou o direito e o dever de cada Bispo, em sua Diocese, de orientar seus fiéis em questões de fé e moral, inclusive em matéria política, confirmando o que a CNBB havia recordado em documentos, notas e entrevistas anteriores", diz a nota.

A declaração do papa gerou críticas entre aliados da candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff, que acusaram a igreja de extrapolar suas funções.

A CNBB explicou que o encontro de ontem com o papa ocorre anualmente para "apresentar o balanço das principais atividades", "bem como acolher sugestões e orientações, refletir sobre opções e alternativas pastorais" e que a reunião coincidiu com a passagem dos bispos maranhenses.

Em encontro com bispos do Maranhão, em Roma, o papa reiterou a posição católica a respeito do aborto, condenando o uso de projetos políticos que defendam a descriminalização da prática. "Os pastores têm o grave dever de emitir um juízo moral, mesmo em matérias políticas."

Segundo o papa, a democracia só existe quando "reconhece e tutela a dignidade de toda a pessoa humana".

Bento 16 fez um "vivo apelo a favor da educação religiosa" nas escolas públicas e pediu ainda pela presença de símbolos religiosos em locais públicos. O Cristo Redentor, no Rio de Janeiro, é citado como um exemplo de monumento que contribuiu para o "enriquecimento da cultura, ao crescimento econômico e ao espírito de solidariedade e liberdade".

Marcos Falcão, de Brasília.

Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/poder/822711-cnbb-defende-declaracoes-do-papa-bento-16-sobre-o-aborto.shtml

Parabéns, Padre Mateus!

Associação Human Life International dos EUA, cumprimenta Pe. Mateus Maria, pelas suas declarações pró-vida

Caros amigos, defensores da vida, é com muita alegria que partilho convosco - Para a Glória de Deus Pai - a carta que recebi da Associação Pró-Vida Human Life International. Carta está que me deu mais incentivo a doar a minha vida, pela Vida, dom sagrado de Deus!

 
Diante de tantos ataques por e-mail, devido a posição clara a favor da Vida, e do magistério da Igreja, recebi ontém dia 28/10/2010 esta linda carta, a qual para mim foi uma resposta clara de Deus. Partilho convosco o seu conteúdo, e agradeço o carinho e as palavras da Associação Internacional Humam Life.

Pe. Mateus Maria, FMDJ

CONTEUDO DA CARTA:

28 de Outubro de 2010

Dia de São Simão e São Judas Tadeu

Apóstolos do Verbo de Deus Encarnado


Reverendíssimo Padre Mateus Maria


Apraz-me imensamente apresentar-lhe os melhores cumprimentos e felicitações em nome da associação Human Life International dos Estados Unidos, cuja missão é a de lutar através de todos os meios lícitos e legais em defesa do direito humano mais básico: o direito à vida, hoje tão ameaçado pelos corifeus da cultura da morte em todo o mundo.

Ecos das suas destemidas declarações pró-vida e do compromisso em defesa dos mais inocentes entre os irmãos indefesos de Cristo, serviram de inspiração e estímulo para católicos fiéis, aqui nos Estados Unidos da América do Norte.

Queira aceitar esta mensagem como símbolo de nossa elevada estima pelo senhor. Human Life International se orgulha em manifestar publicamente todo o nosso apoio a si e aos seus colegas no sacerdócio na luta em defesa da vida humana inocente no país que conta com a maior população católica do mundo: o Brasil.

Os verdadeiros sacerdotes de nossa Santa Igreja continuarão sempre a proclamar que a lei moral é claríssima: nunca é lícito eliminar a vida de uma pessoa inocente.

Saiba, senhor Padre, que esta expressão sincera de nossa gratidão representa os melhores desejos e orações de toda a nossa família internacional de missionários pró-vida espalhados em 102 países do mundo.

Tenha a certeza de poder contar com minhas orações pelo seu ministério sacerdotal junto ao bom povo de Deus.

Atenciosamente, em Jesus Cristo Senhor Nosso,

Raymond J. de Souza
Diretor de Programações
para os países de língua portuguesa

http://www.hli.org/
http://raymonddesouza.com/lifelines.htm

Católico que votar na Dilma tem uma saída: trocar de igreja e de papa, trocar o papa Bento XVI pelo "papa" Edir Macedo.

Este Blog
Link daqui
A web
Este Blog
 
 
 
 
Link daqui
 
 
 
Aqui a posição de Bento XVI sobre o aborto e contra Dilma, que defende a descriminalização do aborto:


Aqui a posição de Edir Macedo sobre o aborto e a favor de Dilma, que defende a descriminalização do aborto:

Petistas atacam o PAPA. Defendamos o Santo Padre nas urnas.


Vejam só católicos, quanta falta de respeito com o sucessor de Pedro, os petistas estão atacando o papa pelo discurso de ontem. Defenda Pedro Igreja, domingo não vote na Dilma.


Mino Carta, da Carta Capital, revista financiada pelo PT e amigo íntimo do Lula afirmou:

“Acho que o papa deveria se preocupar com os escândalos que pipocam todos os dia na Igreja Católica. Deveria se preocupar com os padres pedófilos, e este, a bem da verdade, é um antiguíssimo problema, sempre hipocritamente ignorado. Deveria se preocupar com os inúmeros prelados que têm relação com a máfia. E com as investigações da justiça italiana sobre as atividade de seu banco, o IOR – Instituto para as Obras de Religião – que é, há muito tempo, um dos mais renomados do mundo em matéria de lavagem de dinheiro. A hipocrisia vaticana se revela até mesmo no nome. Que “obras religiosas” seriam essas?”

Ricardo Kotscho, ex-assessor de Lula, no blog Balaio do Kotscho disse:


O Papa foi inconveniente, chegou atrasado na história e entrou de gaiato numa falsa polêmica que até a mídia já tinha esquecido. Deveria se preocupar mais com os casos de pedofilia envolvendo religosos que grassaram nos últimos anos em sua igreja, com a perda de fiéis para as seitas evangélicas e o esvaziamento dos seus templos. Não precisamos dos seus conselhos para saber como deveremos votar no domingo.


Túlio Viana no seu Twitter:


Melhor que ganhar do Serra vai ser ganhar do Serra, do Bento XVI, do Silas Malafaia, da Veja, da Folha, do Estadão, em uma única eleição.


Eduardo Gustavo no seu Twitter:


O Brasil dia 31 tem a chance de derrotar a trindade do mal, Bento XVI, Silas Malafia e Jose Serra. Quer prazer maior???



28 de out de 2010

Pe. Paulo Ricardo comenta o discurso do papa.


Padre Paulo comentou em seu site o ousado e direto discurso do Santo Padre, confira:
Faltando três dias para a votação do segundo turno, o acalorado debate eleitoral ganhou um interlocutor de peso: o Papa Bento XVI.
Num discurso pronunciado, nesta manhã de quinta-feira, para bispos do Nordeste – reconhecida base eleitoral do PT de Dilma Rousseff – Bento XVI condenou com clareza “os projetos políticos” que “contemplam, aberta ou veladamente, a descriminalização do aborto”.

Com o discurso de hoje, Bento XVI rompe, desde o mais alto grau da hierarquia católica, o patrulhamento ideológico que o PT vem impondo a bispos do Brasil através de ameaças, pressões diplomáticas, xingamentos e abusos de poder.
É conhecida a absurda apreensão, a pedido do PT, de milhares de folhetos contendo o “Apelo a Todos os Brasileiros e Brasileiras”, em que a Comissão em Defesa da Vida, da Regional Sul I da CNBB, exortava os católicos a não votar em políticos que defendam a descriminalização do aborto. É conhecida a denúncia do bispo de Guarulhos, Dom Luiz Gonzaga Bergonzini, de que tem sido vítima de censura e perseguição por parte do PT (cf. Revista Veja). É arquiconhecida a prisão de leigos católicos que realizavam o “ato subversivo” de distribuir nas ruas o documento dos bispos de São Paulo.

O Papa convida os bispos à coragem de romper este patrulhamento e falar. Ao defender a vida das crianças no ventre das mães, os bispos não devem temer “a oposição e a impopularidade, recusando qualquer acordo e ambigüidade”.
O pronunciamento de Bento XVI ainda exorta os bispos a cumprirem “o grave dever de emitir um juízo moral, mesmo em matérias políticas”. E, numa clara alusão a uma das propostas do PNDH-3 do PT, se opõe à ausência “de símbolos religiosos na vida pública”.

Com seu discurso, o Papa procura evitar que o Brasil continue protagonista de um fenômeno que seria mais típico do feudalismo medieval, do que de uma suposta democracia moderna. De fato, durante a Baixa Idade Média, era comum que os posicionamentos e protestos mais decididos fossem os do Papa, enquanto os do episcopado local, mais exposto às pressões e ao poder imediato dos senhores feudais, eram como os de um cão atado à coleira. Pode até ensaiar uns latidos, mas quem passa por perto sabe que se trata de barulho inofensivo.

Ao apagar das luzes da campanha de segundo turno, o Pontífice parece preparar o terreno para que a Igreja do Brasil compreenda, sejam quais forem os resultados das eleições, que é inútil apelar para um currículo de progressos sociais e de defesas dos oprimidos do Partido dos Trabalhadores, quando seu “projeto político” está tão empenhado em eliminar os seres humanos mais fracos e indefesos no ventre das mães.



Dilma chama a religião de mais de um bilhão de pessoas de “a crença do papa”. Achei que também fosse a dela…


“Eu acho que é a posição do papa e tem que ser respeitada. Encaro que ele tem o direito de manifestar o que ele pensa. É a crença dele e ele está recomendando uma orientação”.
É a candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff, referindo-se ao pronunciamento inequívoco do papa Bento 16, que condenou o aborto e recomendou aos bispos brasileiros que orientem seus fiéis a não votar em candidatos que defendam a legalização. Já escrevi a respeito.
“É a crença dele…” Errado! É a crença de mais de um bilhão de católicos no mundo inteiro, para os quais o papa é a máxima autoridade religiosa. O PT pediu  — e ministro Henrique Neves, do TSE, autorizou — que impressos dando EXATAMENTE ESSA ORIENTAÇÃO fossem recolhidos. Era uma encomenda da Diocese de Guarulhos.
“Crença dele?” Achei que fosse a dela também. Nos últimos dois meses, eu a vi na Igreja algumas vezes. Na Basílica de Aparecida, ela até chegou a fazer o “Pelo Sinal”. Como Gilberto Carvalho, o réu, não conseguiu dar um curso intensivo, ela errou um tantinho a seqüência “esquerda-direita” na hora de representar o Lenho Sagrado. Acrescentou ainda um toque a mais no nariz etc. Ela queria nos passar a idéia de uma conversão sincera. “Crença dele”???
Instada a comentar a reação do PT à recomendação de igrejas cristãs em favor do voto antiaborto, ela comentou:
“Vamos separar as questões. Eu não acho que o papa tem nada a ver com isso. No Brasil, ocorreu outra coisa: uma campanha que não veio à luz do dia; quem fez a campanha não se identificou, não mostrou sua cara. Foi uma campanha de difamações,calúnias e algumas feitas ao arrepio da lei porque a lei proíbe que isso ocorra. Ele veio a público e falou a posição dele”.
Epa! Há uma salada russa aí. O impresso que o PT pediu para recolher não poderia estar mais à luz do dia; não poderia ser mais iluminado: trazia a assinatura de três bispos; foi redigido pela Comissão de Defesa da Vida da Regional Sul I, da CNBB.
Quais calúnias? Quais difamações?
Pergunta -  Dilma é ou não favorável à descriminação do aborto|?
Resposta -
 É. Entrevista à Folha em 2007 e à Marie Claire em abril de 2009 provam que sim.
Pergunta - Dilma integra ou não um governo que agiu em favor da descriminação do aborto?
Resposta -
 Sim!
Pergunta - O Programa Nacional de Direitos Humanos que ganhou forma final na Casa Civil, quando Dilma era ministra, trazia ou não a descriminação do aborto como diretriz?
Resposta -
 Sim!
E, bem, diante da história reescrita, esporte predileto dos petistas, nada como a verdade ela mesma, que tem de ser relembrada mais uma vez.  Publicarei comentários de petralhas se conseguirem apontar uma única  coisa aqui que não seja FATO. Há alguma? 

PANFLETOS DA CNBB EXPRESSAM A POSIÇÃO OFICIAL DA IGREJA E DO PAPA BENTO XVI

O Papa denunciou a descriminalização do aborto e o PT se identificou com a defesa da prática. E você, católico? Com quem se identifica? Com o Sucessor de Pedro, o doce Cristo na Terra, ou com o Partido dos Trabalhadores?

Faltando três dias para a votação do segundo turno, o acalorado debate eleitoral ganhou um interlocutor de peso: o Papa Bento XVI.
Num discurso pronunciado, nesta manhã de quinta-feira, para bispos do Nordeste – reconhecida base eleitoral do PT de Dilma Rousseff – Bento XVI condenou com clareza “os projetos políticos” que “contemplam, aberta ou veladamente, a descriminalização do aborto”.

Com o discurso de hoje, Bento XVI rompe, desde o mais alto grau da hierarquia católica, o patrulhamento ideológico que o PT vem impondo a bispos do Brasil através de ameaças, pressões diplomáticas, xingamentos e abusos de poder.
É conhecida a absurda apreensão, a pedido do PT, de milhares de folhetos contendo o “Apelo a Todos os Brasileiros e Brasileiras”, em que a Comissão em Defesa da Vida, da Regional Sul I da CNBB, exortava os católicos a não votar em políticos que defendam a descriminalização do aborto. É conhecida a denúncia do bispo de Guarulhos, Dom Luiz Gonzaga Bergonzini, de que tem sido vítima de censura e perseguição por parte do PT (cf. Revista Veja). É arquiconhecida a prisão de leigos católicos que realizavam o “ato subversivo” de distribuir nas ruas o documento dos bispos de São Paulo.

O Papa convida os bispos à coragem de romper este patrulhamento e falar. Ao defender a vida das crianças no ventre das mães, os bispos não devem temer “a oposição e a impopularidade, recusando qualquer acordo e ambigüidade”.
O pronunciamento de Bento XVI ainda exorta os bispos a cumprirem “o grave dever de emitir um juízo moral, mesmo em matérias políticas”. E, numa clara alusão a uma das propostas do PNDH-3 do PT, se opõe à ausência “de símbolos religiosos na vida pública”.

Com seu discurso, o Papa procura evitar que o Brasil continue protagonista de um fenômeno que seria mais típico do feudalismo medieval, do que de uma suposta democracia moderna. De fato, durante a Baixa Idade Média, era comum que os posicionamentos e protestos mais decididos fossem os do Papa, enquanto os do episcopado local, mais exposto às pressões e ao poder imediato dos senhores feudais, eram como os de um cão atado à coleira. Pode até ensaiar uns latidos, mas quem passa por perto sabe que se trata de barulho inofensivo.

Ao apagar das luzes da campanha de segundo turno, o Pontífice parece preparar o terreno para que a Igreja do Brasil compreenda, sejam quais forem os resultados das eleições, que é inútil apelar para um currículo de progressos sociais e de defesas dos oprimidos do Partido dos Trabalhadores, quando seu “projeto político” está tão empenhado em eliminar os seres humanos mais fracos e indefesos no ventre das mães.

Vejam o pronunciamento em video:

http://www.youtube.com/watch?v=dBU6KxxJ1ts

Segue abaixo o discurso do Santo Padre

Amados Irmãos no Episcopado,

«Para vós, graça e paz da parte de Deus, nosso Pai, e do Senhor Jesus Cristo» (2 Cor 1, 2). Desejo antes de mais nada agradecer a Deus pelo vosso zelo e dedicação a Cristo e à sua Igreja que cresce no Regional Nordeste 5. Lendo os vossos relatórios, pude dar-me conta dos problemas de caráter religioso e pastoral, além de humano e social, com que deveis medir-vos diariamente. O quadro geral tem as suas sombras, mas tem também sinais de esperança, como Dom Xavier Gilles acaba de referir na saudação que me dirigiu, dando livre curso aos sentimentos de todos vós e do vosso povo.

Como sabeis, nos sucessivos encontros com os diversos Regionais da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, tenho sublinhado diferentes âmbitos e respectivos agentes do multiforme serviço evangelizador e pastoral da Igreja na vossa grande Nação; hoje, gostaria de falar-vos de como a Igreja, na sua missão de fecundar e fermentar a sociedade humana com o Evangelho, ensina ao homem a sua dignidade de filho de Deus e a sua vocação à união com todos os homens, das quais decorrem as exigências da justiça e da paz social, conforme à sabedoria divina.

Entretanto, o dever imediato de trabalhar por uma ordem social justa é próprio dos fiéis leigos, que, como cidadãos livres e responsáveis, se empenham em contribuir para a reta configuração da vida social, no respeito da sua legítima autonomia e da ordem moral natural (cf. Deus caritas est, 29). O vosso dever como Bispos junto com o vosso clero é mediato, enquanto vos compete contribuir para a purificação da razão e o despertar das forças morais necessárias para a construção de uma sociedade justa e fraterna. Quando, porém, os direitos fundamentais da pessoa ou a salvação das almas o exigirem, os pastores têm o grave dever de emitir um juízo moral, mesmo em matérias políticas (cf. GS, 76).

Ao formular esses juízos, os pastores devem levar em conta o valor absoluto daqueles preceitos morais negativos que declaram moralmente inaceitável a escolha de uma determinada ação intrinsecamente má e incompatível com a dignidade da pessoa; tal escolha não pode ser resgatada pela bondade de qualquer fim, intenção, conseqüência ou circunstância. Portanto, seria totalmente falsa e ilusória qualquer defesa dos direitos humanos políticos, econômicos e sociais que não compreendesse a enérgica defesa do direito à vida desde a concepção até à morte natural (cf. Christifideles laici, 38). Além disso no quadro do empenho pelos mais fracos e os mais indefesos, quem é mais inerme que um nascituro ou um doente em estado vegetativo ou terminal? Quando os projetos políticos contemplam, aberta ou veladamente, a descriminalização do aborto ou da eutanásia, o ideal democrático – que só é verdadeiramente tal quando reconhece e tutela a dignidade de toda a pessoa humana – é atraiçoado nas suas bases (cf. Evangelium vitæ, 74). Portanto, caros Irmãos no episcopado, ao defender a vida «não devemos temer a oposição e a impopularidade, recusando qualquer compromisso e ambigüidade que nos conformem com a mentalidade deste mundo» (ibidem, 82).

Além disso, para melhor ajudar os leigos a viverem o seu empenho cristão e sócio-político de um modo unitário e coerente, é «necessária — como vos disse em Aparecida — uma catequese social e uma adequada formação na doutrina social da Igreja, sendo muito útil para isso o “Compêndio da Doutrina Social da Igreja”» (Discurso inaugural da V Conferência Geral do Episcopado Latino-Americano e do Caribe, 3). Isto significa também que em determinadas ocasiões, os pastores devem mesmo lembrar a todos os cidadãos o direito, que é também um dever, de usar livremente o próprio voto para a promoção do bem comum (cf. GS, 75).

Neste ponto, política e fé se tocam. A fé tem, sem dúvida, a sua natureza específica de encontro com o Deus vivo que abre novos horizontes muito para além do âmbito próprio da razão. «Com efeito, sem a correção oferecida pela religião até a razão pode tornar-se vítima de ambigüidades, como acontece quando ela é manipulada pela ideologia, ou então aplicada de uma maneira parcial, sem ter em consideração plenamente a dignidade da pessoa humana» (Viagem Apostólica ao Reino Unido, Encontro com as autoridades civis, 17-IX-2010).

Só respeitando, promovendo e ensinando incansavelmente a natureza transcendente da pessoa humana é que uma sociedade pode ser construída. Assim, Deus deve «encontrar lugar também na esfera pública, nomeadamente nas dimensões cultural, social, econômica e particularmente política» (Caritas in veritate, 56). Por isso, amados Irmãos, uno a minha voz à vossa num vivo apelo a favor da educação religiosa, e mais concretamente do ensino confessional e plural da religião, na escola pública do Estado.

Queria ainda recordar que a presença de símbolos religiosos na vida pública é ao mesmo tempo lembrança da transcendência do homem e garantia do seu respeito. Eles têm um valor particular, no caso do Brasil, em que a religião católica é parte integral da sua história. Como não pensar neste momento na imagem de Jesus Cristo com os braços estendidos sobre a baía da Guanabara que representa a hospitalidade e o amor com que o Brasil sempre soube abrir seus braços a homens e mulheres perseguidos e necessitados provenientes de todo o mundo? Foi nessa presença de Jesus na vida brasileira, que eles se integraram harmonicamente na sociedade, contribuindo ao enriquecimento da cultura, ao crescimento econômico e ao espírito de solidariedade e liberdade.

Amados Irmãos, confio à Mãe de Deus e nossa, invocada no Brasil sob o título de Nossa Senhora Aparecida, estes anseios da Igreja Católica na Terra de Santa Cruz e de todos os homens de boa vontade em defesa dos valores da vida humana e da sua transcendência, junto com as alegrias e esperanças, as tristezas e angústias dos homens e mulheres da província eclesiástica do Maranhão. A todos coloco sob a Sua materna proteção, e a vós e ao vosso povo concedo a minha Benção Apostólica.

Fonte: Vaticano

Acorda Brasil. PT já esta se movimentando para tirar liberdade de imprensa.


Confira esta matéria de Bruno Pontes falando sobre a movimentação petista para promover o controle de imprensa. Acorda Brasil, a ditadura VAI chegar se o PT continuar no governo, não podemos permitir a continuidade da implantação do totalitarismo no país.

Confira a matéria, que tem como nome : MORDAÇA - "PRELÚDIO DE VENEZUELISMO".

O deputado Fernando Hugo (PSDB) segue repudiando a proposta de criação do Conselho de Comunicação do Ceará e pedindo ao governador Cid Gomes (PSB) que vete a matéria, de autoria da deputada petista Rachel Marques, e vista pelo tucano como "prelúdio de um venezuelismo". "Essa matéria é induzida pela claque petista nacional para ser posta nas Assembléias e nas Câmaras. Tanto é verdade que o projeto da Rachel também foi apresentado pelo vereador Acrísio Sena na Câmara de Fortaleza".

A criação de conselhos estaduais é recomendação da Conferência Nacional de Comunicação (Confecom), convocada pelo presidente Lula e organizada por seu ministro da Comunicação, o jornalista Franklin Martins.

Realizada em dezembro do ano passado, em Brasília, a Confecom aprovou mais de 600 propostas no sentido de controlar a imprensa, desde a definição de programação compulsória na televisão, passando por restrições à publicidade, até chegar ao estabelecimento de um tribunal da mídia. Em nome da liberdade de informação e da democracia, segundo os petistas.

No pronunciamento de ontem, Hugo lamentou que seja tíbia a reação do jornalismo cearense contra o anseio petista em controlá-lo. "Eu suplico aos nobres senhores da imprensa: falem, escrevam, questionem, informem a população sobre esse absurdo que é amordaçar a imprensa".

Talvez não seja tibieza, e sim colaboração irrestrita. O Sindicato dos Jornalistas do Ceará (Sindjorce), grupo com o qual os petistas sempre podem contar, apóia o projeto de Rachel Marques, assim como a Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj), outra entidade que almoça na mesa do PT.

COISA DE DITADURA
Outro a reiterar sua repulsa foi o deputado Ely Aguiar (PSDC), a quem o projeto parece uma tentativa de instalar o "regime de uma voz só", típico de sistemas totalitários como os da China e da Coréia do Norte.

"Esse conselho nada mais é do que o início da venezuelização da imprensa brasileira. Querem monitorar para que escândalos como esses da Erenice Guerra e do Zé Dirceu não tenham espaço na imprensa", disse, aludindo à sucessora de Dilma Rousseff (PT) na chefia da Casa Civil, acusada de integrar um esquema de corrupção, e ao ex-ministro cassado pelo mensalão e atual coordenador da campanha da petista à Presidência.

Ely fez notar que a iniciativa, além de ter brotado das conferências do PT, ganhou o endosso de partidos comunistas como PSOL e o PC do B. "Só defende esse conselho aqueles que não querem que haja a divulgação da realidade dos fatos".

PETISTA DIZ QUE PT NÃO TEM NADA A VER COM A HISTÓRIA
Em defesa do que denomina "controle social" da imprensa, o petista Artur Bruno voltou a sustentar que seu partido não tem nada a ver com a história. "A criação do conselho foi decidida numa conferencia nacional [Confecom], não surgiu do PT, como alguns querem dizer".

Ao contrário do que Bruno alega, a realização da Confecom era uma meta definida pelo PT no seu 3º Congresso Nacional, promovido em setembro de 2007. No caderno de resoluções daquele simpósio, é firmado como tarefa do PT:

"Convocar a 1ª Conferência Nacional de Comunicação Social e articular as ações governamentais em educação, cultura e comunicação. É preciso fortalecer a concepção de um sistema de comunicação que combine a atuação do setor público, do setor privado e dos instrumentos de comunicação comunitária".

Bruno afirmou ainda que "não há nada no texto do projeto que indique que haverá censura. Não haverá proibição de divulgação de nada".

MONITORAR A IMPRENSA
No texto de justificativa do seu projeto de indicação, a petista Rachel Marques defende que "as liberdades de informação, expressão e imprensa devem existir harmonicamente com as demais liberdades".

O conselho ficaria encarregado de "acompanhar o desempenho e a atuação dos meios de comunicação locais", além de "monitorar, receber denúncias e encaminhar parecer aos órgãos competentes sobre abuso e violações de direitos humanos nos veículos de comunicação no Estado".

Desde que sua iniciativa ganhou destaque na imprensa nacional, seguido do repúdio de vários parlamentares e entidades do setor jornalístico, Rachel não apareceu mais na Assembléia. Ela diz que está em licença médica.



Matéria publicada no jornal O Estado.


http://brunopontes.blogspot.com/

http://www.midiasemmascara.org/artigos/governo-do-pt/11554-mordaca-qpreludio-de-venezuelismoq.html