Exorcismo

Padres Exorcistas explicam

Consagração a Virgem Maria

Escravidão a Santissima Virgem, Orações, Devoção

Formação para Jovens

Espiritualidade, sexualidade, diverção, oração

30 de nov de 2010

A morte não diz quando vem

“Quanto ao dia e a hora, ninguém o sabe nem mesmo os anjos do céu, nem sequer o Filho de Deus. Somente o Pai o sabe” (Mt 24,36 e Mc 13,32).


 

Hoje eu fui surpreendida com a notícia do falecimento da mãe de uma amiga. Descobri pelo Orkut, quando a irmã desta amiga postava a notícia. Fiquei sem saber o que dizer. Meu coração encheu-se de tristeza, afinal, elas são minhas amigas de infância. Sempre frequentei a casa e sua mãe sempre foi muito gentil.

Liguei de onde estou - já que moro em outra cidade - para dar-lhes os pêsames. Mas qualquer palavra agora é difícil de sufragar a dor do outro. A mãe morreu da noite pro dia. Descobriu ontem um câncer e nem chegou a amanhecer. 58 anos apenas.

Pedi à minha mãe que fosse vê-las e dar-lhes o abraço que agora não consigo dar. Contudo, decide-me rezar por eles, também pela alma desta querida que agora vai ao encontro do Pai prestar contas de tudo. Espero que as minhas orações possa ajudá-las de alguma forma.


Este ato mostra aquilo que custamos a compreender: não sabemos nem o dia, nem hora em que o Senhor nos chamará. Só o Pai sabe. A morte vem como um ladrão. Chega "do nada". Não manda recado, scrap, SMS, não twitta, não liga, nem manda sinal de fumaça. Ela vem e pronto. Eu mesma posso morrer depois deste recado. Quem garante que não?



Portanto, meus irmãos, aprendamos enquanto há tempo. Lembremos que a nossa vida tem que ser, diariamente, revista diante de Deus. Só Ele sabe o número de fios de cabelos em nossas cabeças. Só Ele sabe quando vamos partir. Melhor que seja uma partida Nele. Aprendamos com a morte,  a ver que HOJE o Senhor nos deu mais uma chance para nos convertermos, mudarmos de vida, tornarmo-nos melhores, fiéis e cristãos dedicados, pais zelosos, filhos respeitosos, profissionais idôneos. Aprendamos com São Francisco de Assis,que dizia:


“Louvado sejas, meu Senhor, pela irmã nossa, a morte corporal, da qual nenhum homem pode escapar. Ai daqueles que morrerem em pecado mortal: bem-aventurados os que ela encontrar na tua santíssima vontade, porque a morte segunda não lhes farpa mal. Louvai e bendizei ao meu Senhor e rendei-lhe graças e servi-o com grande humildade.”


Não vai adiantar nada chorarmos depois que partirmos. A hora de chorarmos os nossos pecados, rogando a Deus perdão, é agora.

___________________________



Deixo aqui uma Novena pelos Defuntos, bem como as 15 Orações de Santa Brígida. Ajudar as almas do purgatório é de grande valia, (e infelizmente nos esquecemos que o Purgatório existe!) além de um ato nobilíssimo!



Nossa Senhora da Boa morte, rogai por nós, agora e na hora de nossa morte. Amém.

Católicos que promovem aborto não podem receber Comunhão, reitera o Cardeal Burke


29.11.2010 - VATICANO.- O Prefeito da Assinatura Apostólica da Santa Sé, o agora Cardeal Raymond Burke, reiterou que os políticos católicos que defendem, promovem e/ou apóiam o aborto não podem receber a comunhão.

O Cardeal que preside o que poderia ser considerada a "Corte Suprema" no Vaticano, fez estas declarações nas vésperas do Consistório de 20 de novembro no qual o Papa Bento XVI criou 24 novos cardeais.

Em diálogo com a jornalista Tracey McClure que o entrevistou sobre o fato de que em alguns lugares não se está aplicando esta recomendação de restringir o acesso à Eucaristia a católicos abortistas, o Cardeal explicou que esta disposição obedece as normas da Igreja.

O Cardeal Burke disse que "com respeito à pergunta sobre se é que pode receber a Santa Comunhão uma pessoa que pública e obstinadamente defende o direito de uma mulher a abortar o filho que leva em suas entranhas, parece-me algo claríssimo nos 2000 anos de tradição da Igreja: a Igreja afirmou energicamente que uma pessoa que está pública e obstinadamente em pecado grave não deve aproximar-se para receber a Santa Comunhão e, se ele ou ela o faz, então deve ser-lhe negada a Santa Comunhão".

O Prefeito explicou que a sanção de negar a Comunhão a uma pessoa que dissente publicamente dos ensinamentos da Igreja procura "evitar que a pessoa cometa um sacrilégio. Em outras palavras, evitar que receba o Sacramento indignamente, já que a santidade do Sacramento mesmo exige estar em estado de graça para receber o Corpo e o Sangue de Cristo".

"É desalentador que alguns membros da Igreja digam que não entendem isto ou que digam que de alguma maneira existe um atenuante para alguém que, embora esteja pública e obstinadamente em pecado grave, possa receber a Santa Comunhão", disse o Cardeal.

"Esta resposta por parte de muitos membros da Igreja provém da experiência de viver em uma sociedade que está completamente secularizada, e a idéia que está gravada a fogo –o pensamento centrado em Deus que marcou a disciplina da Igreja– não a entendem facilmente os que são bombardeados cada dia com uma espécie de aproximação sem Deus ao mundo e a muitas questões. É por isso que eu busco não me desanimar para continuar proclamando a mensagem em uma forma que as pessoas possam entender".

O Cardeal pediu aos bispos que neste tema não deixem sozinhos os seus sacerdotes diante dos católicos que defendem ou promovem o aborto: "para mim, não foi fácil confrontar esta questão diante de alguns políticos católicos. E tive alguns sacerdotes que falaram comigo e me contaram como é difícil quando eles têm indivíduos em suas paróquias que estão em uma situação de pecado público e grave… então, eles voltam o olhar para o Bispo para serem animados e inspirados para enfrentar esta situação".

Por isso, "quando um bispo adota medidas pastorais apropriadas sobre este tema, também está ajudando a muitos outros bispos, e também os sacerdotes".

O Cardeal Burke insistiu ainda que é necessário pregar esta mensagem "a tempo e fora de tempo, tanto se ela for calidamente recebida como quando não é recebida, ou é recebe resistência ou é criticada".

Para ouvir as declarações do Cardeal (em inglês) pode ingressar em: http://212.77.9.15/audiomp3/00236048.MP3

Fonte: ACI
Fonte: www.rainhamaria.com.br

29 de nov de 2010

Ensinando o Bernardo a rezar

Hoje deu início o Advento. Advento é um tempo litúrgico em que vivemos a espera do Emanuel, o Deus Conosco, Aquele que veio para remir o Seu povo.

Ao participar da Santa Missa, pedia ao Senhor que abençoasse minha família. Pedia, também, que já fosse moldando o coração do meu filhinho, o Bernardo. Ele tem 2,5 anos e está em fase de formação de sua personalidade. Confesso que, apesar de as características físicas serem todas do pai, o gênio é o da mãe: beeeem difícil, azedo, chato. É... eu sou bem chata. Meu marido vai para o céu. Acreditem!

Uma vez um padre me disse que não é possível haver milagre sem a nossa colaboração. Então, não adiantava nada eu ficar ali pedindo ao Senhor que moldasse meu filho em Seus caminhos se eu nada fizer.
Pois bem. Esta noite resolvi ensinar o Bernardo a rezar (algo que já deveria ter feito a um bom tempo).
Foi tão bonitinho!


Evelyn: Vamos lá, Be. Anjinho da Guarda
Bernardo: anjin da dáááda
E: meu bom amiguinho
B: mobom miguin
E: me leve sempre
B: mi dédi sempi
E: pro bom caminho
B: pobom miminhu
E: Amém
B: Amém

E: Em nome do Pai, Filho e Espírito Santo. Amém.
B Momo pai, fio, pitu santu. Amém.


=)

Sim, eu sou coruja! Mas o que eu quero salientar com este evento é que nós podemos ver Jesus nascendo em nossos lares não apenas na noite de Natal. Ele pode nascer todos os dias nos nossos pequenos atos. Cultivar na criança o anseio por Deus pela oração, ensiná-la a amá-lO é ter a certeza que Cristo não apenas nascerá, mas reinará para sempre em nosso lar.

Que neste Natal tenhamos muitos motivos para ensinar nossas crianças (e adultos!) a amar o Menino Jesus.

26 de nov de 2010

Bahia: Profanaçäo das Missas com apoio do Padre (talvez até do Bispo)


25.11.2010 - Nota de www.rainhamaria.com.br - por Dilson Kutscher

Caros Padres e demais religiosos, que autorizam tal profanaçäo mostrada no video abaixo, seja por qualquer razäo, vocês fazem da Casa de Deus, do Templo do Espírito Santo, um lugar profano. Vocës crucificam novamente nosso amado Rei Jesus.

Aqueles que banalizam a Santa Missa e a Liturgia não seguindo os preceitos que a sã doutrina da Igreja propõe estão banalizando o Sacrifício de Jesus Cristo na Cruz.

Essa pequena nota, não é uma forma de preconceito, mas como católico, peço respeito com o Sagrado e a Casa de Deus.

Diz na Sagrada Escritura:
"Seus sacerdotes violam a minha lei, profanam o meu santuário, tratam indiferentemente o sagrado e o profano e não ensinam a distinguir o que é puro do que é impuro". (Ez 22, 26)

Quem defenderá a autêntica Fé Católica? E a Igreja? A salvação das almas? A tradição herdada dos santos doutores e santos papas? A unidade? A obediência à Santa Sé? Ao Papa?

O antigo e hipócrita silêncio do consentimento... ou seria da perda da Fé? Já não acreditam em mais nada, por isso aceitam tudo? Inclusive achando que aberrações são coisas normais? Estão perdidos... confusos... sem rumo... e a CNBB não vai dizer nada? E o Núncio apostólico, também não? E muitos ainda querem através de uma fingida indignação afirmar: “Que apostasia? Não existe apostasia!” Então é o que? Qual o adjetivo que usaremos para caracterizar esses desmandos, esse descalabro? Será que não existe mais no país um eclesiástico fiel à verdadeira Fé Católica (jubilado ou não) que abomine fatos como este que estamos divulgando, e encontre ainda no Vaticano alguém da confiança do Papa, para denunciar profanação como essa?

Pergunto aos senhores: Isto é a Casa de Deus ou um terreiro de candomblé?

Missa Afro- N S do Rosário - Pelourinho - Salvador BA

25 de nov de 2010

O Rio de Janeiro em Guerra Civil. Rezemos!

Amados,

Estamos vivendo momentos caóticos. Já podemos declarar que estamos em Guerra Civil. O nosso presidente, em 2009, condenou e prometeu limpar esta "sujeira" do Rio de Janeiro. Mas, como bem sabemos, Lula é demagogo. A sujeirada prossegue e cada vez pior.

Em primeiro lugar, precisamos rezar e muito pelo Rio de Janeiro. Uma cidade histórica e que tem vivido há muitos anos uma violência sem igual. Temos que rezar, também, pedindo que Deus proteja os inocentes, principalmente as crianças, que tanto sofrem com o tráfico, seja por entrarem cedo neste caminho, seja por sofrerem indiretamente. Rezemos a São Sebastião do Rio de Janeiro para que todos os que são vítimas sejam socorridos por Deus, Nosso Senhor. Clamemos, também, que a mão de Deus pese sobre os que merecem. Por fim, peçamos a conversão de todos os pecadores, bem como pelas vidas que já foram ceifadas, que suas almas tenham agora a Pátria Eterna.

Abro um parêntese para este caso: sou completamente A FAVOR da Pena de Morte. E isso não é um silogismo apenas. Segundo o Magistério da Igreja:

* É lícito tirar a vida do próximo: durante o combate em guerra justa; quando se executa por ordem da autoridade suprema a condenação à morte em castigo de algum crime; e finalmente quando se trata de necessária e legítima defesa da vida, no momento de uma injusta agressão. (Catecismo de São Pio X, 413)

* A legítima defesa pode ser não somente um direito, mas até um grave dever para aquele que é responsável pela vida de outrem. Defender o bem comum implica colocar o agressor injusto na impossibilidade de fazer mal. É por esta razão que os detentores legítimos da autoridade têm o direito de recorrer mesmo às armas para repelir os agressores da comunidade civil confiada à sua responsabilidade. CIC 2265.

O esforço do Estado em reprimir a difusão de comportamentos que lesam os direitos humanos e as regras fundamentais da convivência civil, corresponde a uma exigência de preservar o bem comum. É direito e dever da autoridade pública legítima infligir penas proporcionadas à gravidade do delito. A pena tem como primeiro objetivo reparar a desordem introduzida pela culpa. Quando esta pena é voluntariamente aceite pelo culpado, adquire valor de expiação. A pena tem ainda como objetivo, para além da defesa da ordem pública e da proteção da segurança das pessoas, uma finalidade medicinal, posto que deve, na medida do possível, contribuir para a emenda do culpado. CIC 2266.

* A doutrina tradicional da Igreja, desde que não haja a mínima dúvida acerca da identidade e da responsabilidade do culpado, não exclui o recurso à pena de morte, se for esta a única solução possível para defender eficazmente vidas humanas de um injusto agressor. CIC 2267.

Quero destacar esta frase: se for esta a única solução possível para defender eficazmente vidas humanas de um injusto agressor. Nota-se, neste sentido, que a Igreja NÃO É favorável à morte de todos os bandidos. Se assim o fosse, o "Bom Ladrão" não haveria sentido. Aliás, esta passagem mostra tanto a oportunidade que qualquer pecador tem de se arrepender, quanto a Deus em perdoar. A Igreja só é favorável à Pena de Morte quando esta medida for a única solução possível para defender com eficácia os inocentes e as vítimas.

Existem dois fatores para a negação da Pena de Morte:

- Naturalismo: todo homem é bom e o que o tornou mau foi a sociedade;

- Materialismo: não importa se ele pode EXPIAR os pecados e morrer e ir para o Céu, mesmo que seja condenado à morte (pois isso pode acontecer, vide Santa Teresinha e o homem que foi condenado à morte). Mas que ele tenha AQUI uma vida digna.


Ora, ora, ambas doutrinas são inválidas e condenadas pela Igreja. Uma pessoa pode ser salva, ainda que seja condenada à morte. E assim diz o Catecismo, citado acima e aqui novamente: A pena tem como primeiro objectivo reparar a desordem introduzida pela culpa. Quando esta pena é voluntariamente aceite pelo culpado, adquire valor de expiação. Ou seja, se uma vez condenado, a pessoa pode arrepender-se e salvar-se. A vida não termina com a morte do Corpo.

Assisti a um filme, chamado A verdadeira história de David Gale. Em suma, o tema em discussão no filme é a Pena de Morte no Texas, estado onde mais se aplica este recurso. David encabeça uma ONG que milita contra a Pena. Vale muito assistir para observar os preceitos citados acima (Naturalismo e Materialismo).

Indico também a leitura do livro Pena de morte já do Pe. Emílio de Castro Silva, para compreender exatamente qual é, de fato, a visão da Igreja sobre este assunto.

Que o Senhor ajude a todos neste momento.

Dom Luiz Eccel renuncia cargo após apoiar Dilma Rousseff

Após o Santo Padre, o Papa Bento XVI, ter se manifestado aos Bispos do Norte e Nordeste sobre a importância de orientar seus fiéis sobre a quem votar, bem como instruir sobre os valores que um cristão deve priorizar em um candidato a Chefe do Estado, Dom Luiz Eccel escreveu uma carta aberta, declarando apoio total e irrestrito à presidente eleita, usando, inclusive, a orientação do Santo Padre como suporte para a mesma. 

A carta era realmente um deboche. Entre outras coisas, citava que Dilma era a favor da vida, além de chamá-la de íntegra e honesta. "Esqueceu" de citar que a presidente eleita, de socialista-militante virou socialista-socialite. E sabendo do grande bola-fora que dera (apesar de chamar a vitória da Dilma de "bola-dentro"), termina a carta com a seguinte frase: "Tudo o que você me desejar, eu lhe desejo cem vezes mais. Obrigado." Não dá imprensão de que o Bispo roga uma praguinha no final???

É óbvio que a atitude do Bispo causou enorme alvoroço. Manifestações e carta-abertas também lhe foi destinada. Mas nada foi comentado até então.

Depois de um mês desta zombaria, Dom Luiz conseguiu renunciar o cargo, já que o Santo Padre aceitou seu pedido. Segundo o site da diocese de Caçador, justifica-se a renúncia  dada a oportunidade de o bispo  “cuidar de sua saúde”. Detalhe: ele só tem 58 anos! 17 a menos do que a idade canônica, na qual todos os bispos são obrigados a pedir renúncia. Em seu lugar, como Administrador Apostólico, foi nomeado Dom João Marchiori, bispo emérito de Lages.

Ah, se todos os Padres e Bispos camuflados da Igreja renunciassem como Dom Luiz Eccel...

Que a Virgem Santíssima continue a rogar a Deus pela vida do Santo Padre, o Papa Bento XVI, dando-lhe força e sabedoria e continue conduzindo a Igreja como o Senhor Jesus deseja que o faça.

_________________

PS: Já que o Excelentíssimo Bispo disse que o que desejarmos a ele voltará cem vezes mais, desejo-lhe boa saúde, melhoras e conversão. =)

24 de nov de 2010

Asia Bibi: um exemplo de fé

Asia Bibi, a cristã paquistanesa condenada à morte por blasfêmia, foi libertada da prisão depois de receber clemência do presidente Asif Ali Zardari.

A notícia foi confirmada pela International Christian Concern (ICC), além de outras instituições de defesa da liberdade religiosa e a agência do Kuwait Kuna.

Bibi, de 37 anos, esteve presa durante vários meses sem ter sido processada e foi declarada “inocente” pelo ministro das Minorias do Paquistão, Shahbaz Bhatti, que também é cristão. O ministro tinha pedido a libertação da paquistanesa ao presidente Zardari, por "não ter cometido atos blasfemos”. No último sábado, Bibi assinara um pedido de clemência ao presidente, entregue a Zardari pelo governador de Punja, Salman Taseer.

Além da comunidade internacional, o Papa Bento XVI também já havia intercedido junto ao governo paquistanês.

Bibi foi condenada à morte por um juiz do distrito paquistanês de Nankana, na província central de Punjab. A condenação foi baseada em fatos ocorridos em junho de 2009, quando a mulher foi acusada de ofender o profeta Maomé durante uma discussão com muçulmanas.

Asia Bibi, segundo fontes locais, foi levada a um lugar não revelado para sua segurança, pois já houve casos anteriores de assassinato de pessoas declaradas inocentes no país. A mulher vive com seu esposo, Ashiq Masih, suas três filhas e um filho, no bairro "Chak 3", em Ittanwali, província d Punjab. No assentamento muçulmano “Chak 3” vivem somente três famílias cristãs.


Fonte: zenit.org


________________________________________

Comento:
Isto, meus queridos, é o destino de quem disse sim ao chamado de Deus.
Asia deu um enorme exemplo, afirmando que preferiria morrer a tornar-se muçulmana.
Que esta coragem nos impulsione em nossa militância à Pátria Celeste!

Preservativo: o QUE o papa disse, o que NÃO disse e o que SEMPRE disse

23.11.2010 - “Concentrar-se apenas no preservativo equivale a banalizar a sexualidade, e é justamente esta banalização o motivo de tantas pessoas não enxergarem na sexualidade uma expressão do amor, e sim uma espécie de droga, que aplicam a si mesmas.”

“Pode haver certos casos em que o uso do preservativo se justifique, por exemplo, quando uma prostituta usa um profilático. Este pode ser o primeiro passo no sentido de uma moralização, um primeiro ato de responsabilidade, consciente de que nem tudo está perdido e não se pode fazer tudo aquilo que se deseja.”

As duas falas acima são do papa Bento 16 em entrevista ao escritor alemão Peter Seewald. O encontro deu origem a um livro: “A Luz do Mundo, O Papa, A Igreja e Os Sinais dos Tempos – Uma Conversa com Bento XVI”. O trecho sobre o uso da camisinha ganhou as manchetes do mundo inteiro porque seria

a) uma mudança de postura da Igreja;

b) um avanço que contribuiria para combater a disseminação da Aids.

Incrível! De algum modo, as duas leituras revelam má consciência em relação ao pensamento da Igreja. Cuidemos da suposta mudança de opinião do papa. Não aconteceu. Segue a mesma no que concerne à sexualidade, e não há hipótese, nem agora nem depois, de o chefe da Igreja “liberar” o uso da camisinha porque não lhe cabe. Ele não é autoridade em saúde pública ou membro de algum comitê de controle da natalidade. É o líder espiritual de uma Igreja e uma referência moral.

Ocorre que todo católico — sejamos mais amplos: todo cristão —, confrontado com o inevitável, tem um compromisso com o mal menor, SEM, NO ENTANTO, JAMAIS ABRIR MÃO, COMO FAZ O PAPA, DE DEFENDER O PRINCÍPIO E DENUNCIAR O DESVIO. Convenham: dada a situação concreta, esperavam que o papa dissesse o quê?

Disseminação da Aids

Vamos ao segundo aspecto: aquela que seria uma nova opinião da Igreja Católica contribuiria para diminuir a disseminação da doença. Isso só seria verdade caso se admitisse como fato que a suposta posição anterior contribuiria para espalhá-la. O uso da camisinha é um aspecto de uma doutrina maior que diz respeito ao amor e à sexualidade. Pode-se achar errado, contraproducente ou irrealista o pensamento da Igreja, mas não se deve tomar a parte pelo todo. É estúpido afirmar que a Igreja “é contra a camisinha”; esta é tomada apenas como um sinal do que ela considera a banalização do sexo. Mas ainda não se chegou ao essencial.

A camisinha é condenada como a evidência material de uma decisão que é de natureza moral. Para a Igreja, se há uma relação sexual amorosa, entre cônjuges, que convivem num clima de fidelidade e confiança, o preservativo não se explica. “Ah, mas isso também é polêmico!” Pode até ser, mas a polêmica é outra. É estúpido afirmar que a opinião da Igreja sobre a camisinha contribui para disseminar a Aids pela simples e óbvia razão de que, seguidas as suas recomendações, a transmissão do vírus pela via sexual seria zero. O que não é aceitável é que os indivíduos se esqueçam da Igreja ao ignorar a castidade antes do casamento e a fidelidade no matrimônio para argumentar que seguiram a sua recomendação só na hora de evitar a camisinha. Essa falácia lógica é repetida mundo afora por inimigos da Igreja e comprada pelo jornalismo sem questionamento.

Aids e África

Organizações ligadas ao combate à Aids na África saudaram a “mudança de opinião”. Huuummm… Curioso! Em muitos países do continente, a contaminação chega a atingir até 40% da população. Em Uganda, caiu para 7% — índice ainda escandaloso caso se considere a realidade mundial. E qual é a particularidade desse país? Um forte programa oficial que prega abstenção sexual aos solteiros e fidelidade aos casados. A camisinha é apenas o terceiro elemento na pregação oficial. Em suma, Uganda exerce aquela que seria, caso se lhe coubesse tal papel, o programa do Papa de combate à Aids. E o efeito é positivo. Contra os fatos e contra os números, a Human Rights Watch afirma que a política ungandense atenta contra os direitos humanos…

Edward Green é uma das maiores autoridades mundiais no estudo das formas de combate à expansão da AIDS. Ele é diretor do Projeto de Investigação e Prevenção da AIDS (APRP, na sigla em inglês), do Centro de Estudos sobre População e Desenvolvimento de Harvard. O que ele diz? O PAPA ESTÁ CERTO. AS EVIDÊNCIAS EMPÍRICAS CONFIRMAM O QUE DIZ SUA SANTIDADE. Ora, como pode o papa estar certo? Em entrevistasa concedidas no ano passado aos sites National Review Online (NRO) e Ilsussidiario.net, Green afirma que as evidências que existem apontam que a distribuição em massa de camisinha não é eficiente para reduzir a contaminação na África.

Na verdade, ao NRO, ele afirmou que não havia uma relação consistente entre tal política e a diminuição da contaminação. Ao Ilsuodiario, ele fala como cientista, como estudioso, não como religioso: “O que nós vemos de fato é uma associação entre o crescimento do uso da camisinha e um aumento da AIDS. Não sabemos todas as razões. Em parte, isso pode acontecer por causa do que chamamos ‘risco compensação” – literalmente, nas palavras dele ao NRO: “Quando alguém usa uma tecnologia de redução de risco, freqüentemente perde o benefício (dessa redução) correndo mais riscos do que aquele que não a usa”.

O papa, em última instância, está afirmando o óbvio: se o indivíduo DECIDIU ter uma relação de risco, é claro que ele deve se proteger. A Igreja não atua nessa área. Seu papel é buscar interferir nos mecanismos que o levam àquela decisão.

***
À PROPÓSITO,VEJA O QUE O JORNALISTA AUTOR DO LIVRO DECLAROU:

AFP

O jornalista alemão Peter Seewald, autor de um livro-entrevista com o Papa Bento XVI, qualificou de “penoso e ridículo” o enfoque dado pela mídia à questão do uso do preservativo, apesar “da amplidão dos temas abordados” na obra.

“Nosso livro aborda a sobrevivência do planeta ameaçado, o papa faz um apelo a toda a humanidade, nosso mundo desmorona, e a metade dos jornalistas não se interessa senão pela questão do preservativo”, lamentou Seewald durante entrevista à imprensa na apresentação, no Vaticano, do livro intitulado “Luz do Mundo”.

“Admitiu, no entanto, que o uso do preservativo se trata de uma “questão importante”.

Os jornalistas, europeus em maioria, vieram em massa para assistir à apresentação do livro, que já deu muito o que falar: a sala de imprensa do Vaticano estava lotada. Os dispositivos de tradução – Seewald só fala alemão – foram logo tomados por profissionais e chegaram a faltar.

“A vida de nosso planeta vai terminar e nós nos atemos à questão de saber se o preservativo é permitido pela Igreja”, insistiu o jornalista, que falou de “crise do jornalismo”.

Na obra, a pergunta: “a Igreja católica não é fundamentalmente contra a utilização de preservativos?”, o pontífice responde “em alguns casos, quando a intenção é reduzir o risco de contaminação, podendo ser um primeiro passo para abrir o caminho a uma sexualidade mais humana, vivida de outro modo”.

Bento XVI cita o caso de um prostituto, na versão alemã, e uma prostituta, na versão italiana.

A este respeito, o padre Federico Lombardi, porta-voz do Vaticano, confirmou que a versão italiana trazia um erro; “a versão de referência é a alemã”.

Mas, acrescentou, “quer se trate de homem, mulher, ou transexual, é a mesma coisa: a mensagem é a de que se deve evitar um risco grave à vida do outro, uma responsabilidade”.

O destaque dado ao preservativo, objeto de numerosas perguntas da imprensa, levou o cardeal Rino Fisichella, presidente do Conselho pontifical para a Nova Evangelização, afirmar que “os problemas morais não são condensados no preservativo: há questões morais dominantes como a bioética e a genética”.

Para Peter Seewald, o livro “tem qualquer coisa de novo: chegamos a conhecer pessoalmente este papa, vimos Bento XVI como ele é, sem falsas interpretações, e aprendemos sua maneira de abordar e de ver seu pontificado”.

“É um homem idoso, de 83 anos, fatigado, que tem uma tarefa muito pesada” mas “é autêntico e não mudou sua essência, sua personalidade” com a eleição, afirmou o autor, que já escreveu dois livros-entrevistas com o então cardeal Joseph Ratzinger antes de ele aceder ao papado.

Em sua opinião, o papa “não se apresenta como um ditador, um cardeal panzer” (uma abreviação de “Panzerkampfwagen”, um substantivo alemão que se traduz como “Veículo Blindado de Combate”). “É um homem do diálogo que não tem problema ante a questões cruciais ou críticas, um homem dotado de enorme força intelectual, genial, simples e muito piedoso”, acrescentou, considerando que “estas características maravilhosas de Joseph Ratzinger tornam-se manifestas, agora que é papa”.

“Não houve censura: na versão escrita, reproduzimos a linguagem oral e o papa forneceu algumas precisões”, explicou.

Para ele, “o livro tem por objetivo fazer um balanço du pontificado na metade do caminho” e “representa uma ajuda importante para melhor compreendê-lo”.

Por Reinaldo Azevedo


Fonte: http://www.comshalom.org/blog/carmadelio

www.rainhamaria.com.br

22 de nov de 2010

Filmes como Harry Potter e Crepúsculo geram interesse pelo ocultismo, adverte Bispo


22.11.2010 - Enquanto milhões de pessoas se preparam para ver a produção "Harry Potter e as relíquias da morte. Parte 1" e alguns críticos alertam sobre a influência nociva desta saga em crianças e jovens, o Presidente do Comitê de Assuntos Canônicos do Episcopado dos Estados Unidos, Dom Thomas Paprocki, assinalou que esta saga junto à de Crepúsculo geraram um perigoso interesse das pessoas pelo ocultismo.
Em entrevista concedida à agência Catholic News Agency, que também pertence ao grupo ACI, em Baltimore depois de uns dias de formação de 100 exorcistas, entre bispos e sacerdotes dos Estados Unidos, Dom Paprocki comentou que "devemos estar atentos com este tipo de temas para os jovens" já que eles e as crianças "podem ser facilmente impressionáveis".
O também Bispo de Springfield considerou logo que "um maior perigo em nossa cultura é o fato de que as pessoas não fazem parte de uma religião organizada como antes ocorria". No caso do cristianismo, explicou, "a religião nos une à fé em Jesus Cristo. Quando as pessoas se afastam da religião e da Igreja podem começar a gerar sua própria espiritualidade".
O perigo que aparece então, explicou o Bispo, é que "podem cair no ocultismo e em coisas verdadeiramente diabólicas como rituais satânicos", o que explica nos Estados Unidos e muitos outros países o aumento de pedidos para exorcismos.
Por outro lado e em uma recente crítica à última produção da saga de Harry Potter, a Rádio Vaticano assinala que este filme "está repleto de um profundo pessimismo, de uma espessa escuridão e falta de humor. Não há brincadeiras, não existe camaradagem nem surpresas divertidas".
No opinião da RV o filme exalta a traição, o ódio e a destruição, ante o qual é necessário "propor também de novo a confiança em si mesmo e nas próprias qualidades, mais que na mera eficácia da varinha mágica ou das poções misteriosas".
Por sua parte o prestigioso semanário católico norte-americano Our Sunday Visitor destacava os valores das obras de Rowling, mas com claridade advertia também que apresentar a bruxaria de forma tão positiva e a magia de maneira tão encantada não pode ser considerada como favorável à visão cristã da realidade.
Os livros de Potter poderiam induzir a uma visão tolerante e favorável do New Age ou o simples esoterismo, que nos últimos tempos expõe sérios desafios ao cristianismo.
Fonte: ACI

Luxúria - parte I

Nestes dias em que vivemos, Luxúria, para muitos, nem é mais considerada pecado. Mas é, viu?

É verdade que atualmente nossos olhos têm sido bombardeados com pornografias, desacatos ao pudor e à modéstia, e que se insurge de tal modo a corromper nosso juízo, chegando ao ponto de não notar em uma ocasião momento propício e fatídico para o pecado.

Frente a esta realidade, indico o artigo do blog "A Vida Sacerdotal". Maravilhoso texto de um Teólogo especialista em moral.

Clique aqui e faça boa leitura!

21 de nov de 2010

Os Falsos Profetas contra o Deus da Vida

Caríssimos,

Com a mesma lucidez e zelo apostólico, Padre Mateus Maria, do site Rainha Maria, fez um vídeo elucidando as grandes catástrofes que estamos vivendo.

Comentário do Evangelho do 34°domingo do T.C Ano:C meditação da Solenidade de Nosso Senhor Jesus Cristo Rei Do Universo, ultima Semana Do Tempo Comum; Domingo dia 21 de novembro de 2010. Comentário intitulado "Falsos Pastores contra o Deus da Vida!"

Clique aqui e assista ao vídeo na íntegra!

Louvado Seja Nosso Senhor Jesus Cristo!

20 de nov de 2010

O Papa e a Mídia

É o Papa falar e a mídia dá o SEU parecer, que nem sempre é o que, de fato, a Igreja disse.

Quando se fala em sexo/reprodução/união, a Igreja é muito clara: o sexo é dentro do casamento, pois cumpre o papel unitivo/procriativo. Por isso a Igreja é contra os métodos contraceptivos, reprodução assistida e aborto. Porque sexo e filhos são coisas próprias de um casamento. Simples assim.

Também é verdade que a Igreja entende que há casos em que o uso do anticoncepcional, por exemplo, pode ser lícito, como no tratamento de doenças no ovário e/ou útero. E ele será lícito enquanto existir para o tratamento. Após, seu uso volta a ser ilícito, porque já não há mais um motivo justo, e sim, injusto, que é impedir que os filhos desejados por Deus venham a este mundo.

Claro que nossa sociedade atual não compreende isto, haja vista viver sob o desejo carnal e sexual.Nossa sociedade está pior que bicho no cio. Por isso a Igreja sempre é alvejada por ataques infundáveis. Poucos compreendem sua preocupação com o bem-estar e a saúde como ela. Contudo, a verdade sempre vem à tona.

Edward Green, diretor do Projeto de Pesquisa e Prevenção da Aids da Escola de Saúde Pública de Harvard, disse à Revista Galileu que o Papa tem razão em instruir à Castidade ao uso de camisinhas, e o que serviu como exemplo foi Uganda, país onde a AIDS cresce absurdamente. Após a política de continência sexual, este país africano é o único onde os números diminuem ano após ano. E em resposta à desmoralização sexual , o  jornalista Peter Seewald lança um livro chamado "Luz do mundo: o Papa, a Igreja e os sinais do tempo", baseado em 20 horas de entrevistas com o atual Papa.

A mídia, é claro, já distorceu tudo. Afirmou, entre outras coisas, que o Papa vê moralidade na prostituição. Nada mais permissivo. Às vezes não sei se a mídia tem problemas sérios de análise discursiva, cognitiva, ou faz tudo de má fé mesmo.

O que importa é que o Papa NÃO DISSE ISSO.

Quer saber o que ele disse?

Clique aqui
.

Pax

19 de nov de 2010

Homofobia é o assunto da vez.


O assunto da vez é homofobia, só um ser humano com deficiência intelectual não percebe que a impressa já esta se mobilizando para a legalização da PL 122.
Que merda de imprensa nós temos, morre mais de cinqüenta mil pessoas no Brasil por falta de segurança pública todos os anos e só é evidenciado com insistência briguinhas em que homossexuais saem com pequenas lesões corporais.
A imprensa brasileira trabalha para as organizações comunistas a muito tempo, raramente noticiam com veemência tragédias que coloca em questão a integridade do movimento revolucionário. Prova disto é a omissão frente ao passado sujo da Senhora Presidente do Brasil, até minha bisavó que a dez anos sofre de paralisia encima de uma cama conhece o currículo da Dilma, só os editores dos principais jornais do país não estão por dentro da história. Parafraseando Olavo de Carvalho: Não sinto vergonha de ser brasileiro por que não tenho culpa. Deus me livre ter que responder para um estrangeiro como é a imprensa, política, moral e economia brasileira.
Por que a imprensa depois da eleição só fala de homofobia? Será que não é mais um movimento de alienação em massa para que o povo aceite conscientemente a PL 122? Nas ultimas semanas o assunto das primeiras paginas é homofobia, é homofobia na USP, é homofobia em Copacabana, é homofobia na Avenida Paulista e pelo jeito vão ver homofobia até nos quintos dos infernos de agora em diante. É hora de abrir os olhos por que vem bomba por ai.
Abrir os olhos e orientar a sociedade tal como foi feito quanto ao aborto, a oposição conservadora não pode e nem deve abaixar a guarda enquanto os lobos estiverem no comando, é hora de obedecer a passagem bíblica em que o Senhor disse: O filho do homem não tem onde reclinar sua cabeça.
Politicamente falando o ato homossexual não é o problema, a questão é que bem ao estilo socialista de ditar, os políticos desejam exaltar as chamadas minorias colocando-as acima de tudo e de todos. A PL 122 deseja amordaçar quem é contra o homossexualismo, colocando até atrás das grades quem se pronuncia contra, incluindo pregadores da boa nova de Jesus Cristo.
Porém os cristãos católicos não podem parar suas análises em questões políticas, a moral homossexual atinge princípios vitais do cristianismo. Homossexualismo é uma negação da família, da procriação e da psicologia humana.
Ao Falar de psicologia e com todo respeito aos bons psicólogos que existem no contexto eclesial, é necessário relatar o baixo nível do estudo da psicologia nas faculdades brasileiras, eu sai correndo da faculdade de psicologia após seis meses de curso, no primeiro simpósio tive que contemplar quase todos os psicólogos do simpósio levantando a bandeira do homossexualismo, colocando-a como opção de gênero e desconsiderando o fenômeno como doença psicológica. Quem lê a genuína psicologia do homem e da mulher em livros dignos de méritos como “As Crises conjugais” de Rafael Cifuentes não consegue engolir a psicologia marxista, liberalista e materialista do nosso ministério da educação.
Amados leitores e leitoras, o recado esta dado: O movimento pela legalização da PL 122 começou. E ganha velocidade em cada beijo guey nas novelas da TV brasileira, em cada reportagem acusando as intolerâncias homofóbicas e sobretudo em cada eleição que o povo democraticamente fortalece os partidos que levantam esta bandeira.
É sempre bom deixar claro para os críticos deste artigo que constitucionalmente eu ainda posso me posicionar contra o homossexualismo e que o objetivo deste artigo é evidenciar a moral católica, moral esta que nunca desrespeitou o homossexual, mas jamais vai se calar frente ao homossexualismo que já esta contribuindo para a destruição da personalidade humana.
Que a Sagrada Família de Nazaré abençoe a nação brasileira, que Jesus, Maria e José nos livre do cálice da PL 122 aprovada.


Bruno Cruz

Contato para missão: (031)88802212

Dilma e o Papa

Estamos há quase um mês da vitória de Dilma Rousseff. Vivemos meses turbulentos durante a campanha eleitoral. Nunca ninguém imaginou que os cristãos brasileiros se levantariam e imporiam - como todo o direito de cidadãos civis que têm - os seus valores morais e éticos a partir de suas convicções religiosas.

Na correria pelos votos, Dilma e Serra viraram cristãos da noite para o dia. Se duvidar, sabiam até rezar a Missa em Latim e no Antigo Ordum. Foram para Aparecida angariar votos, falaram sobre a importância religiosa no país, assinaram cartas reafirmando o apoio à  vida a pedido dos cristãos... Tudo - obviamente - para ganhar votos.

Enquanto faziam seus papéis de bons cristãos, nos bastidores a coisa era outra. Bispos eram ameaçados de morte; folhetos foram recolhidos; ameaças de desligamento com o Vaticano foram feitos; CNBB recuando; leigos tendo que sumir dos seus Estados, além de chegarmos ao ponto de o próprio Papa manifestar-se à Igreja Brasileira. Enquanto o partido petista ameaçava, o pmdbista fazia vistas grossas. Mas não houve problema. Os cristãos, se têm partido, é o de Cristo e Sua Igreja. Não dependemos de homens, e nem nele confiamos, pois sabemos que é maldito o homem que em outro confia.

Com a sua vitória, Dilma, em seu discurso, afirmou que zelará pelos direitos e manifestações religiosas. Mas também alegou que defenderá pelo direito reprodutivo da mulher. E nós não somos tolos. Sabemos bem o que é esse tal "direitos reprodutivos da mulher": é dar a ela carta-branca para fazer o que bem entende sem respeitar o direito à vida de quem ainda não pode se defender. É legalizar o aborto a jus de "Direitos Humanos" e "Saúde Pública". Não me lembro, em nenhum vídeo, em nenhuma entrevista, em que a Presidente Eleita tivesse dito que o aborto é dolorido à criança. Só fez menção à mulher. Uma pena.

Mas Dilma quer mostrar que é da liga da paz. Ela, que durante as eleições, quando o Papa se manifestou aos Bispos do Norte e Nordeste, disse que ele podia fazer isso, já que essa era a crença dele (e todo mundo achando também que era a dela, já que até em Missa estava indo) escreveu uma carta ao Papa, e esta será entregue ao  secretário da Santa Sé para Relações com os Estados, Dominique Mamberti, por Gilberto Carvalho. Nesta carta, Dilma  promete se dedicar, nos quatro anos de seu mandato, à erradicação da miséria e à redução da desigualdade social. Diz ainda que a sua intenção é fazer uma saudação ao Papa e garantir que as relações do próximo governo com a Igreja continuarão sendo as melhores possíveis"

Será? Não sei. Na carta ela não toca, em momento algum, sobre o tema aborto. Também não fala sobre Homofobia e afins. Apenas se importa com direitos sociais. Tá, eles são importantes, mas o homem não é só carne. É também espírito. Talvez isso não lhe pareça importante, mas é.

Temos ainda quatro anos para ver os resultados desta atitude. Com a implantação do PNDH3, saberemos que foi - mais uma vez - apenas uma estratégia política.

Rezemos.

A lição da pipoca


Alberto Távora

Nada mais banal do que fazer pipoca. Entretanto, pode nos ajudar a entender a escalada da perseguição religiosa em gestação no Brasil.

Acende-se o fogo e a pipoca vai esquentando na manteiga derretida. A panela está quieta; dir-se-ia que nada está acontecendo. De repente, um barulho isolado: “ploc!”. Em instantes, outros dois grãos pipocam. Daí a pouco os pipocares se multiplicam em progressão geométrica. Em questão de segundos, poucos grãos restam sem estourar.

Pois bem, pipocou no dia 17/11 mais um caso. O comandante do Corpo de Bombeiros de Tatuí-SP “mandou retirar todos os crucifixos e imagens de santos católicos das unidades sob seu comando” (estadão.com.br, 17/11).

A Câmara de Vereadores da cidade, sentindo a insatisfação do público, emitiu nota de repúdio dizendo que “o ato é arbitrário, com expressões equivocadas, desrespeitosas e imprudentes sobre a religião católica”. Mas o comandante José Natalino de Camargo alega que o Estado é laico, e portanto a exibição de símbolos é ilegal e inconstitucional. (Na mesma lógica seria ilegal a simples profissão pública da fé…)

Será um fato isolado? Sou tendente a achar que é um dos primeiros grãos que começam a pipocar, estimulado pelo fogo chamado PNDH-3, decreto presidencial de 21 de dezembro de 2009, que pretende instalar a perseguição religiosa sob pretexto de direitos humanos.

Fonte: http://www.ipco.org.br

18 de nov de 2010

Onda de profanações satanistas na França


Revista Catolicismo

A cada dois dias ocorre uma grave profanação de símbolos públicos católicos na França: cruzes derrubadas e pichadas com símbolos nazistas no santuário de Nossa Senhora em Saint-Loup; túmulos e capela do cemitério de Hénin-Beaumont vandalizados; estátuas arrancadas numa igreja de Valenciennes; candelabros escangalhados e Via Sacra do século XIII incendiada em Saint-Pierre de Pouan-les-Vallées — são alguns dos mais recentes exemplos.

A escolha das datas para as profanações não se dá ao acaso: aniversário de Adolf Hitler; da fundação da igreja de Satanás nos EUA; Halloween; ano novo satanista; solstícios e equinócios (festas comemoradas pela Nova Era). Após homossexuais terem parodiado um “casamento” na catedral Notre-Dame de Paris, fundou-se o comitê Indignations, para denunciar essa onda de sacrilégios.

Fonte:http://www.ipco.org.br/home/

17 de nov de 2010

Bento XVI: Encontro com Jesus Eucaristia na Missa dominical é o pilar da vida de fé.


17.11.2010 - VATICANO .- Na audiência geral de hoje o Papa Bento XVI falou sobre Santa Juliana de Cornillon, que contribuiu à instituição da solenidade do Corpus Christi. Sobre esta santa, o Papa explicou, pode-se aprender o profundo amor a Cristo na Eucaristia com quem todo fiel deve encontrar-se na Missa dominical e na adoração eucarística para transformar com o amor a própria vida.
Na Praça de São Pedro e diante milhares de fiéis presentes, o Papa disse que nascida perto de Liège (Bélgica), no final do século XII, órfã aos cinco anos, Juliana "foi confiada aos cuidados das religiosas agustinas do convento-leprosário de Mont-Cornillon", tomando mais tarde o hábito agustino e chegando a ser prioresa do mesmo.
O Pontífice explicou que Santa Juliana "possuía uma notável cultura e um sentido profundo da presença de Cristo, que experimentava vivendo de modo particularmente intenso o Sacramento da Eucaristia".
Aos 16 anos teve uma visão que a levou a compreender a necessidade de instituir a festa do Corpus Cristi, "para que os fiéis adorassem a Eucaristia para aumentar sua fé, avançar na prática das virtudes e reparar as ofensas ao Santíssimo Sacramento".
Juliana "confiou a revelação a outras duas ferventes adoradoras da Eucaristia" e as três "estabeleceram uma espécie de ‘aliança espiritual’, com o propósito de glorificar o Santíssimo Sacramento".
Bento XVI assinalou que o bispo de Liège, Robert de Thourotte, depois de algumas dúvidas iniciais, aceitou a proposta da Juliana e suas companheiras, e instituiu pela primeira vez, a solenidade do Corpus Christi em sua diocese. Mais tarde, outros bispos o imitaram, estabelecendo a mesma festa nos territórios confiados a seus cuidados pastorais.
Juliana, disse o Papa, "teve que sofrer a forte oposição de alguns membros do clero e do próprio superior do qual dependia seu monastério. Então, decidiu deixar o convento de Mont-Cornillon com algumas companheiras, e durante dez anos, de 1248 a 1258, viveu em distintos mosteiros de monjas cistercenses", enquanto "continuava difundindo com devoção o culto eucarístico. Morreu em 1258, em Fosses-a-Ville, na Bélgica".
O Santo Padre recordou que o Papa Urbano IV, em 1264, quis instituir a solenidade do Corpus Christi como festa de preceito para a Igreja universal, na quinta-feira depois do Pentecostes. Para dar pessoalmente exemplo, celebrou esta solenidade em Orvieto, cidade na qual então vivia. Na catedral desta cidade se conserva o famoso corporal com as marcas do milagre eucarístico ocorrido em 1263, em Bolsena.
"Urbano IV pediu a um dos maiores teólogos da história, Santo Tomás de Aquino –que acompanhava o Papa nesse momento e se encontrava em Orvieto–, que compusera os textos do ofício litúrgico desta grande festa, para expressar louvor e gratidão ao Santíssimo Sacramento".
O Papa disse que "apesar de que após a morte de Urbano IV, a celebração da festa do Corpus Christi se limitava a algumas regiões da França, Alemanha, Hungria e do norte da Itália, o Papa João XXII, em 1317, estendeu-a a toda a Igreja".
Bento XVI exclamou logo: "Queria afirmar com alegria que hoje na Igreja há uma ‘primavera eucarística’: Quantas pessoas rezam em silencio ante o sacrário, mantendo uma conversação amorosa com Jesus!"
É reconfortante, acrescentou, "saber que muitos grupos de jovens tornaram a descobrir a beleza da adoração à Santa Eucaristia. Rezo para que esta ‘primavera eucarística’ se estenda cada vez mais em todas as paróquias, especialmente na Bélgica, a pátria de Santa Juliana".
Finalmente o Papa Bento XVI convidou a "renovar, recordando Santa Juliana de Cornillon, nossa fé na presença real de Cristo na Eucaristia a fidelidade ao encontro com Cristo Eucarístico na Santa Missa dominical é fundamental para o caminho de fé, mas busquemos também visitar com freqüência o Senhor presente no sacrário! Precisamente mediante a contemplação em adoração, o Senhor nos atrai para si, nos faz penetrar em seu mistério, para transformar-nos como transformou o pão e o vinho".

Fonte: ACI
Fonte: www.rainhamaria.com

"Missa afro" e os aplausos dos hereges.


Domingo passado estava eu em uma confraternização de minha equipe missionária, quando menos se espera dois irmãos abordaram-me assustados dizendo: Fizeram contato conosco agora lá da Paróquia Divino Espírito Santo, disseram que iniciou agora uma Missa afro, os instrumentos do Santo Sacrifício são tambores e birimbaus, o Padre esta paramentado com vestimentas coloridas e até o altar parece um terreiro de macumba.
Na hora agradeci a Deus por ter ido à missa pela manhã, porém, é obvio que ira e tristeza ganharam nosso coração. O que fazer diante de sacerdotes tão ignorantes no sentido mais profundo da palavra? Não me venha os escrupulosos dizerem que estou pecando ao dizer que estes padres são ignorantes, de forma alguma a minha crítica tem por finalidade desonrar a grandeza do sacerdócio de Cristo, artigos como estes são para defendê-lo de tamanhas desonras e insultos sofridos pelos próprios Cristãos que o carregam sobre si. Eis a questão: O que fazer diante de tamanha ignorância?
Alguns jovens cientes deste sacrilégio que ia acontecer em minha cidade fizeram um movimento para impedi-lo, chegaram a fazer reuniões na paróquia para impedir esta afronta ao Santo Magistério. Mas vocês acham que isto surtiu algum efeito? É obvio que não. O Padre tem a capacidade ainda de usar das Sagradas escrituras para se defender, certa vez diante de uma reclamação justa observei uma resposta dele: Quem não esta conosco, esta contra nós. Isto é próprio de revolucionários comunistas formados da maldita teologia da libertação, além de transformar a Igreja em seus interesses ideológicos marxistas, ainda eliminam de suas paróquias os católicos que decidiram por amar o papa e a doutrina da Igreja. Em outra paróquia de minha diocese, cito o nome, a paróquia Cristo Libertador, o Sacerdote disse para os catequistas não usarem bibliografias como a do Professor Felipe Aquino, é intrínseco neles ódio à Madre Igreja.
Mãe Igreja que decidiu no Concílio Vaticano II: “Portanto, jamais algum outro, ainda que sacerdote, ACRESCENTE, TIRE ou MUDE por própria conta QUALQUER COISA à Liturgia” (SC., 22 § 3).
Igreja esta que pediu aos Senhores bispos na Christus Dominus parágrafo 15 para serem os guardiões da liturgia.
Uma Igreja que ama Jesus como esposa fiél, que não se mostra indiferente a Ele na Santa Missa que é o paraíso do Calvário nas palavras de São Padre Pio. Uma Igreja que já se pronunciou sobre Missa Afro através do saudoso bem-aventurado João Paulo II dizendo: ”A Igreja Católica tributa um sincero respeito em relação aos cultos afro-brasileiros, mas considera nocivo o relativismo concreto de uma prática entre ambos ou de uma mistura entre eles, como se tivessem o mesmo valor, pondo em perigo a identidade da fé cristã católica (g. m). Ela sente-se no dever de afirmar que o sincretismo é danoso ali onde a verdade do rito cristão e a expressão da fé podem facilmente ser comprometidas aos olhos dos fiéis, em detrimento de uma autêntica evangelização”. (L’Osservatore Romano n. 40 de 7/10/95, p.7).
Portanto conclui-se que é uma palhaçada infernal este sacrilégio de Missa-Afro, palhaçada mesmo, a Igreja se torna um circo em que os únicos que abrem sorrisos e aplaudem são os imundos teólogos da libertação, só eles mesmos, por que os católicos sérios choram, choram de saudades de Deus, sentem a amargura da ausência dos efeitos de uma Santa Missa bem celebrada, choram lamentações por ver o seu Deus recebendo ainda mais flageladas no altar.
O que fazer? A Pergunta não cala desde o segundo parágrafo deste simples artigo. Uma coisa inadmissível é o silencio dos bons, não podemos deixar de falar, é necessário bradar: Não aos orixás, não a macumba, não a pai e mãe de santos, não a paganismo, sobretudo não a isto tudo na Santa Missa. Só que algo precisa ser evidenciado, parafraseando o reverendíssimo Padre Paulo Ricardo: A verdade não é algo pelo qual se mata, mas algo pelo que se morre. Não adianta tentar mudar tudo pela força dos gritos, isto seria outra revolução, falar é necessário para que a verdade seja escutada, mas o que se deve fazer é reformar pelo exemplo, diante destas desgraças promovidas por agentes marxistas na Igreja, o que nos resta fazer é amar, amar e amar Deus e a Igreja por estes sujeitos que não amam.
Amar com muita oração, o Senhor Sacramentado precisa ser adorado em reparação pela Missa-Afro de domingo e em tantas outras pelo Brasil e pelo mundo. Jesus precisa ser amado nestes sacerdotes demasiadamente ignorantes e a Igreja precisa ser respeitada e obedecida por aqueles que cospem nos seus documentos.
Convoco todos os leitores a não pararem nas denuncias, entre neste movimento de amor e reparação a estas demasiadas afrontas ao Senhor e sua Igreja.

Bruno Cruz

Conttato para missão: (031)88802212

16 de nov de 2010

A vida consagrada e a secularização


16.11.2010 - A vida religiosa se encontra hoje submetida a notáveis influências. Destas, em particular, duas me parecem merecedoras de especial atenção.

A primeira é a secularização. Um fenômeno histórico nascido na França em meados do século XVIII, que investiu sobre todas as sociedades que almejavam entrar na modernidade.

A segunda trata-se da abertura ao mundo, justamente proclamada pelo Concílio Vaticano II, a qual foi interpretada, sob a pressão das ideologias do momento, como uma passagem necessária para a secularização.
Brugues-7.jpg

De fato, nos últimos cinquenta anos, assistimos a uma formidável iniciativa de auto-secularização interna da Igreja. Exemplos não faltam: os cristãos estão prontos a empenhar-se em serviço da paz, da justiça e das causas humanitárias, mas creem ainda na vida eterna? As nossas Igrejas colocaram em ato um imenso esforço para renovar a catequese, mas esta mesma catequese fala ainda da escatologia, da vida após a morte? As nossas Igrejas se empenharam na maior parte dos debates éticos do momento, mas discutem sobre o pecado, sobre a graça e sobre as virtudes teologais? As nossas Igrejas recorreram ao melhor do próprio engenho para melhorar a participação dos fiéis na liturgia, mas esta última não perdeu, em grande parte, o senso do sacral, a bem dizer aquele sabor de eternidade?

A nossa geração, talvez sem dar-se conta, não sonhou com uma “Igreja dos puros”, colocando suspeitas contra qualquer manifestação de devoção popular?

Que fim teve, em tal contexto, aquela vida religiosa que era apresentada na forma tradicional, como um sinal escatológico e uma antecipação do Reino futuro? De fato, religiosos e religiosas sem demora abandonaram o hábito da própria família espiritual para vestir-se como todos os outros. Rapidamente abandonaram os próprios conventos, julgando-os demasiado vistosos ou ricos, em troca de pequenas comunidades esparsas em cidades ou nos grandes conglomerados urbanos. Escolheram trabalhos profanos, empenharam-se na atividade social e caritativa, ou ingressaram no serviço de causas humanitárias. Fizeram-se semelhantes aos outros e se fundiram na massa, às vezes para ser o fermento, mas também, em muitos casos, porque tal procedimento correspondia ao clima dos tempos.

Não devemos subestimar os méritos de tais impostações nem os benefícios que deles recolhe a Igreja ainda hoje. Aqueles religiosos e religiosas, de fato, fizeram-se mais próximos às pessoas e, em particular, aos mais desprivilegiados, mostrando uma face da Igreja mais humilde e fraterna. Não obstante, esta forma de vida religiosa não parece haver mais futuro, pois quase não atrai mais vocações.

A quase totalidade das congregações ativas nascidas no século XIX ou no início do XX se encontra como que ferida de morte, e seu desaparecimento é somente uma questão de tempo.

As casas generalícias e os grandes conventos são transformados em casas de repouso para anciãos. Entre 1973 e 1985, 268 congregações francesas das 369 existentes fecharam o próprio noviciado. A situação atual não fez que piorar. A auto-secularização minou os fundamentos da vida religiosa. A crise atingiu sobretudo as formas de vida ativa, e menos aquelas contemplativas, porque a secularização orientou tudo aquilo que é religioso em direção à militância ou ao empenho social.

É de notar-se que o militante ou a pessoa empenhada na atividade social permanece leigo. Eis a segunda tipologia de pressão exercida sobre a vida religiosa. Para enfrentar o convite da secularização, o Concílio teve a genial intuição de confiar esta missão aos leigos. Se eles que possuem a sorte de serem os protagonistas da sociedade secular, não serão porventura os mais apropriados para realizar tal dever? O Vaticano II valorizou a vocação dos leigos – não digo que a revalorizou, pois uma similar empresa não houve lugar no passado. Todavia, realmente a valorização do laicato provocou um tipo de quebramento da vida religiosa “ativa”.

Se esta última, de fato, reconheceu há tempos a própria identificação com um serviço específico oferecido à Igreja e à sociedade – como o ensino nas escolas ou o cuidado dos doentes nos hospitais – com o chamado dos leigos a executarem tais serviços e a se dedicarem, a vida religiosa ativa perdia sua razão de ser.

Hoje, não é mais necessário passar por uma consagração para executar os mesmos serviços. Quando nos encontramos em presença de uma mestra que ensina com paixão ou de uma enfermeira serviçal realmente decidida em ter uma vida autenticamente cristã, podemos perguntar-se se a mesma senhora, há cem ou cento e cinquenta anos, não se haveria apresentado diante da porta de uma daquelas recém nascidas congregações que evocamos há pouco?

Isto nos conduz à seguinte conclusão: hoje, mais do que nunca, a vida religiosa não pode ser definida partindo de uma “função”, mas sim de um modo de ser e de um estilo de vida. Os dois riscos que acabamos de descrever em forma sintética constituem um perigo para a vida religiosa. Sua combinação provoca nesta última um tipo de implosão. Em consequência, a situação atual da vida religiosa, sobretudo nas Igrejas ocidentais, se apresenta em modo paradoxal. De um lado, após o Concílio, gozamos das vantagens de uma importante renovação da teologia da vida religiosa. De outra, assistimos ao colapso de numerosas congregações, assim como a um florescimento de novas formas de vida religiosa na primeira metade dos anos setenta.

Este caráter paradoxal nos convida então a retornar ao essencial. A começar do fato que a vida religiosa é única na sua essência, porém variada em suas formas. Em outros termos, estas múltiplas facetas nasceram todas de um tronco comum: da vida e da tradição monástica. Em consequência, a primeira dimensão é mística: a vida religiosa nos imerge no mistério da morte e da ressurreição de Cristo. Portanto, é um erro definir um instituto a partir da sua atividade tal como foram concebidas as congregações nascidas nos dois últimos séculos.

Este chamado a estar com o Senhor é transmitido a cada pessoa, pois toda vocação é muito personalizada e não existem dois percursos que são verdadeiramente similares. Todavia, este chamado convida a unir-se a uma comunidade específica. Alguns experimentam um choque nos confrontos de uma comunitária, mas não lhes vem à mente a ideia de bater em outra porta. Outros, ao contrário, se concedem um longo tempo de reflexão, durante o qual fazem o giro de muitas casas e se dedicam a estudos comparativos muito acurados. Em cada época há matrimônios de amor e matrimônios de razão. Aquele que é certo, porém, é que a atração é sempre ligada à vida comunitária. Em efeito, o código de direito canônico define a vida religiosa como uma vida essencialmente comunitária. E esta vida comunitária é eminentemente espiritual na medida em que é o Espírito Santo que a anima e conduz. Podemos então deduzir que a fé dada pelo Espírito representa a chave de leitura de todos os elementos que constituem a vida religiosa, a começar pelos votos e pela oração.

Neste sentido, a pobreza religiosa não é um conceito sociológico. Não é constituída para dar o exemplo da pobreza. A palavra mesma não se identifica senão em época mais tardia; primeiramente, se falava de “sine proprio”, ou ainda de “communio”, termos muito mais sugestivos. Logo, o voto religioso corresponde a um ato de fé por meio do qual o religioso aceita aquele dom do Espírito que o estimula a não ter nada para si, a fim de viver de modo mais intenso possível a sua comunhão com a vida fraterna.

Do mesmo modo, a obediência religiosa não é “in primis” de natureza ascética ou pedagógica. Indubitavelmente, pressupõe uma ascese na medida em que implica uma certa renúncia à própria vontade. Apresenta, ademais, uma dimensão pedagógica, na medida em que visa a educar em nós a liberdade dos filhos de Deus. A sua natureza, porém, é essencialmente mística: faz-nos entrar em um sistema no qual quem ordena é o Espírito. A fé nos leva a afirmar que a ordem dada não vem antes de tudo pela vontade do superior – ainda que possua a marca da sua psicologia, e talvez da sua patologia – mas sim, dada pelo Espírito, do qual o superior é, em certo sentido, o representante visível. Neste ponto, deixamos de comportar-nos como simples entidade para tornar-nos um corpo fraterno.

Também entre o amor humano e a castidade religiosa – apesar de possuírem diversos pontos em comum – há uma diferença essencial. O amor humano comporta uma escolha, uma conquista, e se apresenta como um amor de exclusão: escolher uma esposa específica comporta renunciar a todas as outras. Ora, contrariamente às aparências de que a escolha de tornarmo-nos carmelitas ou dominicanos origina-se em uma iniciativa pessoal, a vida religiosa não é uma opção, pois nos encontramos envolvidos nesta vida sob o impulso do Espírito. Para cada um de nós, seria impossível permanecer fiéis às promessas de nosso batismo fora da vida religiosa. Nesta última, não existe alguma conquista nem alguma exclusão: o Espírito nos faz partícipes de uma comunidade de acolhida, na qual todos devem descobrir a viver como irmãos.

Finalmente, é na fé dada pelo Espírito que vivemos a oração, não como uma atividade como as outras, ou apenas uma atividade a mais, nem como uma ameaça para as diversas atividades implicadas pelos estilos de vida – todos nós conhecemos bem aquela tensão entre o nosso trabalho e o tempo dedicado à oração, que equivale muitas vezes a um tempo restrito. No simbolismo monástico, o claustro ou a abertura ao Espírito representa o ligame entre a Igreja, lugar de oração (Opus Dei), e os diversos lugares de trabalho (opus hominis), como uma escola na qual aprendemos a descobrir um “mendicante do Senhor”.

Dom Jean-Louis Bruguès

Secretário da Congregação para a Educação Católica

(Tradução de artigo publicado no L’Osservatore Romano – 20 outubro de 2010)

Fonte: http://www.comshalom.org/blog/carmadelio

Fonte: www.rainhamaria.com.br

Um gado monitorado

Há anos que se fala sobre a implatação de um tal chip, que seria uma espécie de identificador geral do ser humano. Assim como é feito nos animais, especialmente em gado ou animais em extinção, neste chip haveria todos os dados do ser humano. Todos mesmo! Desde o tipo sanguíneo até o número da conta bancária. Até para alarmes de patrimônio ele pode ser usado. Acabou aquele papo de cartão pra isso, carteira para aquilo. Algo como tornar o ser humano um GPS ambulante.

O pretexto para a criação do chip, além de ajudar ao meio ambiente - pois serão inúmeras árvores a menos derrubadas, por exemplo - é para o monitoramente de pessoas. E isso é um abuso à liberdade alheia. Explico.

Os criadores dos chips querem passar a ideia de "tranquilidade", de "serviço social" à sociedade. Os chips já são usados, por exemplo, em carcerárias com presos em regime de segurança máxima. Há casos em que são usados, também, em pacientes em tratamento de alguma doença e que estão sob pesquisas universitárias, a fim de que os pesquisadores acompanhem a evolução do tratamente. Porém, a desculpa mais esfarrapada que há na implantação do chip é usá-lo para auxiliar pais e filhos em seus monitoramentos.

Sim, é pretexto, porque, a bem da verdade, o interesse da implantação deste objeto é fazer com que a população seja monitorada pelo Governo. Assim como o fazendeiro controla seu gado, tal qual o Governo governará, tim-tim por tim-tim, os passos de cada cidadão brasileiro. Aí sim passaremos de meros votantes a gado monitorado.

Um verdadeiro Big Brother deste Admirável Gado Novo!

Clique aqui e assista à entrevista dada à Ana Maria Braga por um Engenheiro brasileiro que explica direitinho como os poderosos deste mundo querem nos controlar tal qual a um bizerrinho. Depois, reflita sobre o rumo em que estamos. Não é passado a hora de refletirmos sobre o que a Virgem nos alertou em Fátima?

Pax.

Aborto como questão de saúde pública


Quando o governante (ou pretendente a tal) diz que “o aborto deve ser (ou será) tratado como “questão de saúde pública”, dá também a ver (implícita ou explicitamente) que “não é uma questão de foro íntimo”. O que significa tais expressões?


Digamos que uma mulher engravide e queira “tirar” o bebê. Nas primeiras semanas ela pode fazê-lo sozinha, usando droga abortiva (“droga” e não remédio, pois este, por definição, é usado para restabelecer ou manter a saúde). A partir de 12 semanas (ou menos) ela só poderá abortar ajudada por alguém. Suponhamos aprovada a lei que tipifica o aborto não mais como crime, como faz a nossa atual Constituição do país, mas o altere para a condição de “questão de saúde pública”, quando então passa a ser permitido “durante os 9 meses de gravidez”. A mulher grávida de 9 meses resolve, por qualquer motivo, “tirar” a criança. Certamente não poderá fazê-lo sozinha, mas necessariamente terá de ter ajuda, e ajuda especializada.


A “ajuda especializada” será o profissional qualificado na área de saúde, o médico e a enfermeira. Sendo “questão de saúde pública”, torna-se obrigação do SUS (Sistema Único de Saúde) atender a grávida de 9 meses que quer abortar. O médico e a enfermeira, funcionários do SUS ou prestadores de serviço, estarão obrigados, “durante seu horário de expediente”, a fornecerem a “ajuda especializada” oferecida pelo governo, a qual constitui um “direito do cidadão”, pois “se é direito do cidadão, é dever do Estado”. Caso o médico e a enfermeira se recusem a “trabalhar”, isto é, a abortar, ficarão sujeitos a penalidades previstas em lei, como a demissão por justa causa, ocorrência que passará a constar na “fé de ofício” de cada um.


A consciência ( o “foro íntimo”) dos tais funcionários, sob a lei que trata o aborto como questão de saúde pública, se torna legalmente ineficiente. Ela não poderá dirigir suas ações durante o horário de expediente. Por exemplo, suponha um bancário que trabalhe no “setor de cheque sem fundo”. Ele está obrigado a informar ao “Cadastro de Emitentes de Cheque Sem Fundo (CECSF)” os dados identificadores dos emitentes de tais cheques. Suponha que ele encontre entre tais cheques um cheque de sua mãe, seu pai, seu filho, sua mulher; numa palavra, cheque de alguém a quem ama mais do que a si mesmo. Ele é obrigado a informar os dados desta pessoa como o faria “sem objeção de consciência” caso fosse cheque do assassino daquela pessoa a quem amava mais do que a si mesmo. No caso de cheque de pessoa querida, o máximo que poderia fazer seria telefonar para ela informando o ocorrido e instruí-la como retirar o nome daquele cadastro. Mas uma coisa é líquida e certa: o funcionário estaria obrigado a informar ao CECSF a ocorrência, caso contrário arriscaria ser demitido por justa causa.


Suponhamos o caso de mulher grávida de 9 meses que não queira abortar. Como este não querer é “questão de foro íntimo”, ele não prevalecerá, não desencadeará efeitos concretos, igualzinho ocorreria com o proprietário de uma casa com piscina que se tornasse ninho de mosquitos Aede Aegypti, o mosquito da dengue. Não obstante conserve as prerrogativas inerentes a seu garantido direito constitucional à propriedade privada, isto não seria suficiente para impedir o poder público de entrar em sua casa e dedetizar o local. Pois o bem da coletividade importa mais para o poder público do que o bem de um só nas questões relativas à “saúde pública”. Do mesmo modo, a “objeção de consciência” ao aborto, outro nome que se dá à “questão de foro íntimo” é impotente face à decisão do poder público que determine que o aborto seja feito. Mesmo não querendo, a grávida de 9 meses terá então de abortar, uma vez que o “poder público” entenda que ela deve fazê-lo.


Portanto, o aborto “como questão de saúde pública” significa a concessão de poder ao Estado para controlar a quantidade de nascimentos. Quem se oponha a este controle, estará agindo contra a lei e, portanto, sujeito às punições previstas em lei.


Joel Nunes dos Santos é psicólogo e professor universitário.

Fonte: http://nossasenhorademedjugorje.blogspot.com/2010/11/aborto-como-questao-de-saude-publica.html

15 de nov de 2010

Humanistas citam pastores ateus que mentem para a congregação… e acham isso justificável!

Eis uma matéria que retrata exatamente estes versículos bíblicos:

“Porque virá tempo em que os homens já não suportarão a sã doutrina da salvação. Levados pelas próprias paixões e pelo prurido de escutar novidades, ajustarão mestres para si.” II Tm 4,3

e

“Assim como houve entre o povo falsos profetas, assim também haverá entre vós falsos doutores que introduzirão disfarçadamente seitas perniciosas. Eles, renegando assim o Senhor que os resgatou, atrairão sobre si uma ruína repentina” II Pd 2, 1



 

O assunto deste artigo retrata claramente esta verdade. Nos EUA, muitos pastores estão pregando em Igrejas, mas professam claramente que não acreditam mais em Deus. Ora, se não creem mais em Deus, então o que fazem ali? Perdem as ovelhas de Cristo. Servem de joio em meio ao trigo?

Eis, meus irmãos e irmãs, algo que, infelizmente, ocorre também em nossa Igreja: muitos são movidos a Deus não porque Ele os chamou, mas porque viram na Igreja algo que pudesse sanar seus prazeres carnais, a saber: estudo, posição, status, dinheiro...

São os verdadeiros lobos em pele de cordeiro.

Clique aqui e leia a matéria. Vale a pena.