Exorcismo

Padres Exorcistas explicam

Consagração a Virgem Maria

Escravidão a Santissima Virgem, Orações, Devoção

Formação para Jovens

Espiritualidade, sexualidade, diverção, oração

16 de abr de 2011

A brevidade da vida

Saber que teremos uma vida longa não será sinônimo de bênção se a vivermos insanamente. Às vezes, uma criança que viveu tão pouco pôde desfrutar muito mais do eterno aqui.



"Ensinai-nos a bem contar os nossos dias, para alcançarmos o saber do coração" (Sal 89, 12).


O que você faria se só lhe restasse o dia de hoje? Já pensou nisso?

É engraçado como nós nunca paramos para pensar que um dia nossa vida terá fim. Mas sim, ela terá. Não eternamente, pois esta jamais acaba; porém, carnalmente ela findará. E sabemos, também, que é a maneira como andarmos nesta vida carnal qual será o destino eterno que merecemos. Bem sabemos que este merecimento não é castigo divino, e sim, mérito nosso, daquilo que plantamos e, naquele dia, que só Deus sabe a hora, colheremos.

Contudo, como não ligamos para o fim, seguimos nossa vida como bem entendemos. Agimos como se não houvesse alguém 'de olho' em nós. Só que há sim. E não só um, mas alguns: Deus, nosso anjo da guarda, a Virgem Santíssima, o nosso inimigo eterno... Todos eles fazem seus papéis: o que deve nos proteger, nos protege; o que deve rogar, roga; o que nos honra, honra; o que nos persegue, assim o faz. E nós? O que fazemos?

Por não ligarmos para o nosso fim (dias), não procuramos saber o fim das coisas (o objetivo, o porquê de). Sendo assim, não buscamos o saber do coração. Não procuramos compreender, apreciar, degustar desta vida todo o bem que ela tem para dar. Vivemos aleatoriamente. Não é novidade mais vermos pessoas que tiram suas próprias vidas ou as dos outros. E isso não é apenas fruto do mal; é também fruto do nosso errado modo de viver a vida, de contar os nossos dias.

Contar os nossos dias não é ir a uma cartomante e pedir que preveja quanto tempo ainda teremos. Contar os nossos dias é colocar todos os dias diante do Senhor.O que não é fácil, sabemos, porém, essencial. Logo, se queremos novos céus e novas terras, temos que vivê-los aqui. Isso só será possível se nos colocarmos diante do Senhor diariamente. Seja uma oração pela manhã, agradecendo por mais um dia; seja o agradecimento ao alimentar-se; seja à noite, antes de dormir, bendizendo por tudo o que foi aquele dia, serão estas formas de contar os dias na presença do Senhor, pois já não seremos nós a contar, e sim, Ele.

No entanto, não basta apenas rezar. É preciso fazer. Então, faça! Aquela novena que se propôs a rezar; aquela penitência que se propôs a fazer; aquele curso; aquela conversa, pedindo perdão; aquela confissão... Faça HOJE o que deva ser feito. Fazendo ou não, seu dia será contabilizado. Faça, então, que se some à conta coisas boas. Apesar de eu achar praticamente impossível, mas viva de uma forma que, quando você se encontrar com Deus, não haja absolutamente nada a qual o Inimigo possa lhe julgar. Viva de uma forma em que você não tenha o que se arrepender ao aparecer na presença de Deus.

Diga para as pessoas próximas a você que são importantes. E não faça nada esperando em troca. Às vezes, quem você queria que lesse isso não leu. Mas você, sim. Então, faça.

Conte seus dias. Conte-os bem.

Deputado gay Jean Wyllys ofende cristãos e declara guerra aos "inimigos"


O recém-eleito deputado federal Jean Wyllys (PSOL-RJ), homossexual militante que conseguiu alguma notoriedade participando do programa Big Brother Brasil da Rede Globo, lançou, na semana passada, uma campanha de combate ao cristianismo.

Em sua página do Twitter, Jean publicou várias mensagens dizendo que cristãos são doentes, homofóbicos, preconceituosos, violentos, ignorantes e fanáticos, e que ele se dedicará ainda mais a eliminar a influência do cristianismo na sociedade. O deputado enfatizou que seu mandato tem como foco a defesa dos interesses da militância gay e o combate a seus “inimigos”.

O deputado, que é membro da Frente Parlamentar LGBT (lésbicas, gays, bissexuais, transgêneros e travestis) no Congresso Nacional, aproveitou para convocar seus seguidores para se juntar a ele em sua guerra particular. Jean obteve respostas diversas: angariou o apoio previsível de seus seguidores militantes da causa gay, e provocou a reação de inúmeros outros usuários da rede social, indignados com as ofensas do parlamentar aos cristãos e com seus ataques à liberdade de expressão, religião e comunicação.

Jean promove uma campanha de censura a usuários do Twitter que são contrários às idéias que ele defende, como o “casamento” homossexual, as cartilhas de suposto combate à “homofobia” do MEC (mais conhecidas como Kit Gay) e o PLC 122/2006 (lei da mordaça gay), projeto de lei que pretende transformar em crime qualquer crítica ou oposição ao comportamento homossexual ou às pretensões do lobby gay.

Uma das primeiras vítimas da campanha censória de combate ao cristianismo deflagrada por Jean Wyllys foi o usuário Carlos Vendramini.

Valendo-se do direito que qualquer cidadão possui em uma democracia, Vendramini fez, no Twitter, críticas ao Kit Gay, ao PLC 122/06 e a outros projetos dos militantes gays e aos parlamentares que os apóiam, como Jean Wyllis, Marta Suplicy e Cristovam Buarque, dentre outros. Incomodado com as críticas, o deputado disse, em seu blog, que estava acionando advogados da Frente LGBT para censurar o perfil de Vendramini, que Jean imagina ser “membro fundamentalista de uma parcela conservadora da direita católica em São Paulo” (sic) e estar praticando “perseguição” a ele.


Fonte: ogalileo.com.br

Costa do Marfim: o Coliseu da era moderna

Há muito tenho - e não só eu, mas vários irmãos na fé - alertado sobre o avanço muçulmano e sua possível dominação mundial. Em documentários notamos que o crescimento desta nação, com toda sua cultura, religião, leis e ordens tem avançado em um processo dominatório em todos os continentes. Pode parecer que não, mas isso é perigoso e alarmante.

A briga entre cristãos e muçulmanos não é de hoje. Desde a época da romanização (e até antes!) passando por debates com São Thomás de Aquino, nunca houve paz entre as duas religiões. E não sou otimista em crer que haverá um dia, pois quando se mexe em algo tão "sagrado" para uma comunidade, como é a cultura, a fé e as tradições, dificilmente aquele que assim enxerga o que é seu como verdadeiro quererá ver a Verdade como ela é. Sendo assim, é preferível brigar cegamente por valores terrenos a lutar pelo que é Eterno. E são dessas brigas alá "olho por olho, dente por dente" que nascem as grandes desgraças.

É verdade que a mídia é pouquíssimo interessada em assuntos deste tipo, pois entrar neste tocante obriga-se falar de algo que a imprensa quer abafar. Ninguém quer falar sobre como os cristãos sofrem; o melhor mesmo é dizer o quanto eles fazem sofrer. Logo, não se vê na imprensa os acontecimentos, como os ocorrentes assassinatos entre cristãos e muçulmanos na Nigéria , ou ainda em Costa do Marfim, onde muçulmanos têm perseguido e matado cristãos. Alguém ouviu aí que o presidente da Costa do Marfim  foi preso pelos franceses por ser cristão? Não? Pois é. E desta prisão surgiu na vila de Duekoue uma perseguição onde 1000 cristãos perderam a vida. Vejam:



Se continuarmos a fazer pouco caso, em breve haverão outros países iguais à Costa do Marfim: um show de horrores onde cristãos são assassinados simplesmente por serem cristãos.
Será que permitiremos, em nome da nossa omissão, que construam novos Coliseus por aí?