14 de jul de 2010

A Alegria que Nasce da Confissão




Muitas pessoas, que chegavam à cidade de Ars para conhecer o fenômeno de santidade do Pe. João Maria Vianey, terminavam a sua visita dentro do confessionário.
Conta uma das testemunhas que, um dia, o Cura d’Ars foi pregar um retiro na paróquia vizinha. Durante a noite, o demônio veio discutir com o santo e interromper-lhe o sono. Era algo comum que Satanás viesse incomodar o santo, pois muitas pessoas se convertiam a uma vida melhor com o exemplo dele.
Numa noite, Satanás fez muito ruído no seu quarto. Os outros padres, que se encontravam na casa paroquial, acordaram assustados, pensando que estavam matando o Pe. Vianney. Ao abrir a porta do quarto viram que a sua cama estava na metade do quarto e que ele continuava embaixo das cobertas.
O que mais lhes impressionou foi a resposta do santo: “Não se preocupem, é Satanás que está furioso comigo. Amanhã virá um peixe gordo” .
De fato, sempre que o demônio o incomodava, vinha uma multidão de gente para se confessar com ele. Entre os peregrinos, se encontravam pessoas que não se confessavam há anos. Estes eram os chamados Peixes gordos.
 No dia seguinte, os outros sacerdotes estiveram atentos durante toda a manhã e tarde, mas ninguém de extraordinário tinha vindo para a confissão. Até que, no final do dia, viram um senhor, que era da nobreza e bem conhecido na cidade,  se dirigindo ao Pe. Vianey para pedir confissão. Já fazia muitos anos que aquele varão não pedia perdão pelos seus pecados. A partir daquele dia, ele foi um dos mais ferventes paroquianos. Sua vida tinha mudado e era uma pessoa feliz.
 Isso acontece quando uma pessoa se abre à Misericórdia de Deus. O Pe. Tadeusz Dajczer nos diz no seu livro Meditações sobre a Fé que “no sacramento da reconciliação encontramos a Cristo que nos quer perdoar e curar as feridas produzidas pelos nossos pecados. Mas se eu não mostro as minhas feridas a Deus, Ele não poderá curá-las”.
As pessoas, depois de terem saído da confissão com o Cura d’Ars, já não eram as mesmas. A alegria tomava conta deles.
Este fenômeno ocorre diariamente nas igrejas. Onde haja um sacerdote confessando, aí estará a Misericórdia de Deus perdoando e a alegria invadindo os corações das pessoas.
Na Quaresma, existe esta tradição muito bonita de procurar a Misericórdia de Deus na confissão pedindo perdão pelos nossos pecados. Como diz o Catecismo da Igreja Católica no número 1468: “Os que recebem o sacramento da Penitência com coração contrito e disposição religiosa podem desfrutar a paz e a tranquilidade de consciência, que vem acompanhada de uma intensa consolação espiritual” .
É na confissão que encontramos este amor misericordioso do coração de Cristo, e também é aí onde nascerá a verdadeira alegria no nosso coração.

1 comentários:

  1. Só um breve comentário sobre este pequeno texto: D+!!!

    Deus abençoe e Salve Maria!
    Rafael (Membro da E.M. Regina Apostolorum - Brasíli-DF)

    ResponderExcluir