26 de fev de 2011

A Caminho do Triunfo – Parte 2

- O Papa, Fátima e a Perseguição da Igreja -

Autor: Apostolado Reino da Virgem Mãe de Deus
Publicação original: 13 de Outubro de 2010, 93º aniversário da última aparição da Santíssima Virgem em Fátima e do Milagre da “Dança do Sol” presenciado por 70 mil pessoas

 

 

1.      Introdução

No dia 13 de Abril deste ano, memória de Santo Hermenegildo (Mártir da Eucaristia), publicamos um artigo chamado "A Caminha do Triunfo", onde apresentamos uma série de profecias católicas referentes a um futuro Triunfo do Imaculado Coração da Santíssima Virgem, com comentários a respeito.
Este artigo é continuação daquele, e aqui queremos nos manifestar ao grande público, a respeito de um assunto pouco falado, até inédito em muitos meios e poucas vezes abordado de forma equilibrada.
O que nos motivou a isso foram por algumas afirmações iluminadoras do Santo Padre Bento XVI em sua recente viagem a Fátima, em Maio deste ano, a respeito de questões envolvendo o anunciado Triunfo da Santíssima Virgem, ao chamado “Terceiro Segredo de Fátima” e a perseguição da Igreja.
Já no início deste artigo, fazemos questão de deixar muito claro duas coisas:
  • Esclarecemos que existem “versões” do “Terceiro Segredo de Fátima” que circulam na internet, dizendo falsamente que “este é o texto do Terceiro Segredo de Fátima que a Igreja deu permissão de revelar”. Ora, esclarecemos que até a presente data de publicação deste artigo (13/10/2010), o texto que citamos no artigo é a ÚNICA versão do Terceiro Segredo de Fátima que temos oficialmente divulgada pelo Vaticano.
  • TODAS as citações de profecias contidas neste artigo são de aparições da Virgem OFICIALMENTE APROVADAS pela Santa Igreja, bem como profecias de SANTOS CANONIZADAS pela Igreja, como também BEATOS.
Pedimos que, antes de ser lido este artigo, seja lido o artigo primeiro artigo desta série, citado acima – está http://www.reinodavirgem.com.br/mistica/mistica/caminho-triunfo.html, tendo em vista que este é uma continuação daquele, além do fato de este poder parecer exageradamente pessimista ou sensacionalista, se for tomado fora do contexto apresentado pelo artigo anterior.
Pelo contrário, nosso contexto é otimista: é a expectativa do grande Triunfo do Imaculado Coração da Santíssima Virgem, que Ela prometeu em Fátima (1917):
“Por fim, o Meu Imaculado Coração Triunfará.”
E este acontecimento, também confirmado por outras aparições marianas oficialmente aprovadas pela Santa Igreja e por santos canonizados, talvez venha ser o maior acontecimento da história desde Nosso Senhor Jesus Cristo.
 

2. Papa: apressar o anunciado Triunfo

O Papa Bento XVI, em um dos grandes momentos do seu pontificado, esteve em Fátima em Maio deste ano, no 93º aniversário da primeira aparição da Santíssima Virgem lá.
Na homilia que fez no Santuário no 13 de Maio – ela pode ser lida na íntegra em http://www.vatican.va/holy_father/benedict_xvi/homilies/2010/documents/hf_ben-xvi_hom_20100513_fatima_po.html -, entre outras coisas, ele falou:
“Possam os sete anos que nos separam do centenário das Aparições apressar o anunciado triunfo do Coração Imaculado de Maria para glória da Santíssima Trindade.”
Comentário: o Santo Padre alude aqui a promessa da Santíssima Virgem em Fátima:
“Por fim, o Meu Imaculado Coração Triunfará.”
Aqui o Papa mostra duas coisas:
  1. Que ele não considera este Triunfo nenhuma “fantasia"
  2. Que ele acredita que este Triunfo ainda NÃO aconteceu (descartando, portanto, interpretações reducionistas do Triunfo, que referem-se a ele como tão somente a sobrevivência do saudoso Papa João Paulo II ao atentado que sofreu em 1981 e a queda do Muro de Berlim)
E mais: O Papa parece ligar isso, de alguma forma misteriosa, ao menos em sua expectativa, ao centenário das aparições de Fátima.
 

3. Papa: Fátima não está concluída

Na mesma homilia, o Papa falou:
“Iludir-se-ia quem pensasse que a missão profética de Fátima esteja concluída.”
Isso parece ser iluminado pelo que o próprio Papa falou dois dias antes disso (11 de Maio), em entrevista feita no avião que o conduzia a Fátima.
O que Papa respondeu tento sido publicado no site “Corriere de Sara” e “Repubblica”, e nos é transmitido pelo jornalista católico Antonio Socci (Da Libero).
A pergunta que o Papa escolheu para responder, dentre as várias que foram lhe apresentadas, dizia, a respeito do chamado “Terceiro Segredo de Fátima”:
“Santidade, que  significado têm hoje para nós as aparições de Fátima? Quando o senhor apresentou o texto do Terceiro Segredo, na sala de imprensa vaticana, em Junho de 2000, foi-lhe perguntado se a mensagem podia ser estendida, além do atentado a João Paulo II, mas também aos outros sofrimentos dos Papas. É possível segundo o senhor, enquadrar também naquela visão os sofrimentos da Igreja de hoje pelos pecados dos abusos sexuais de menores?”
Resposta do Papa Bento XVI:
“Somente no curso da história podemos ver toda a profundidade,  digamos assim, de que estava revestida nessa visão, possível às pessoas concretas. Além dessa grande visão do sofrimento do Papa, que substancialmente podemos referir a João Paulo II, são indicadas realidades do futuro da Igreja que pouco a pouco se desenvolvem e se mostram. Isto é verdade que  além do momento indicado na visão, fala-se, se vê a necessidade de uma paixão da Igreja, que naturalmente se reflete na pessoa do Papa. Mas o Papa está na Igreja e, portanto, são sofrimentos da Igreja que se anunciam (…). Quanto às novidades que podemos hoje descobrir nessa mensagem, é também que não só de fora vem os ataques ao Papa e à Igreja, mas os sofrimentos da Igreja vem justamente do interior da Igreja, do pecado que existe na Igreja (…). Hoje nós o  vemos de modo realmente terrificante: que a maior perseguição da Igreja não vem dos inimigos de fora, mas nasce do pecado na Igreja”.
Vamos analisar as palavras do Papa:
O Santo Padre diz que engana-se quem pensa que “a missão profética de Fátima esteja concluída” e que no 3o segredo são  “indicadas realidades do FUTURO da Igreja que pouco a pouco se desenvolvem e SE MOSTRAM“; diz que “se vê a necessidade de uma PAIXÃO DA IGREJA”; que “são sofrimentos da Igreja que se anunciam“; o Papa relaciona ainda a questão ao “pecado que existe na  Igreja” e que “a maior perseguição da Igreja NÃO vem dos inimigos de fora, mas nasce do pecado na Igreja”.
Ou seja, isso significa que a interpretação do visão do Terceiro Segredo, que pretende limitar TUDO a “coisas que já aconteceram” e que se referiam SOMENTE ao atentado que João Paulo II sofreu, é equivocada.
Na verdade, a interpretação do texto do Terceiro Segredo, sugerida pelo Vaticano em 2000, juntamente com a publicação do Terceiro Segredo, e que pode ser lida em http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/documents/rc_con_cfaith_doc_20000626_message-fatima_po.html, embora sugira que a visão do texto refira-se ao atentado que sofreu João Paulo II, NÃO parece limitar a interpretação a isso, como o próprio Papa deixou claro em suas recentes palavras que citamos acima.
Até porque é próprio do gênero profético, e isso desde o Antigo Testamento, permitir mais de uma hermenêutica possível para uma visão profética, sem que uma necessariamente descarte a outra.
É comum, ainda, na Tradição Cristã,  o cumprimento “cíclico” de uma profecia, em que um “primeiro cumprimento” é imagem de uma realidade futura (assim, por exemplo, as profecias referentes ao Anticristo que estão no Apocalipse de São João podem se referir tanto ao Império Romano, quanto aos “anticristos” de outras épocas e a Provação Final da Santa Igreja; ver Catecismo da Igreja Católica, n. 675-677).
 

4. Terceiro Segredo de Fátima, sua interpretação e realidade atual

Vamos retomar o texto do segredo, tornado oficialmente público em 2000. O relato é da Irmã Lúcia:
“Vimos ao lado de Nossa Senhora um pouco mais alto um Anjo com uma espada de fogo na mão esquerda; ao cintilar, despedia  chamas que parecia iam incendiar o mundo; mas apagavam-se com o contato do brilho que da mão direita expedia Nossa Senhora  ao seu encontro: O anjo apontando com a mão direita para a terra, com voz forte disse: Penitência, Penitência, Penitência! E vimos numa luz imensa que é Deus: “algo semelhante a como se vêm as pessoas num espelho quando lhe passam por diante” um Bispo vestido de Branco “tivemos o pressentimento de que era o Santo Padre”. Vários outros Bispos, Sacerdotes, religiosos e religiosas subir uma escabrosa montanha, no cimo da qual estava uma grande Cruz de troncos toscos como se fora de sobreiro com casca; o Santo Padre, antes de chegar aí, atravessou uma grande cidade meia em ruínas, e meio trêmulo com andar vacilante, acabrunhado de dor e pena, ia orando pelas almas dos cadáveres que encontrava pelo caminho; chegado ao cimo do monte, prostrado de joelhos aos pés da grande Cruz foi morto por um grupo de soldados que lhe dispararam vários tiros e setas, e assim mesmo foram morrendo uns atrás outros os Bispos Sacerdotes, religiosos e religiosas e varias pessoas seculares, cavalheiros e senhoras de varias classes e posições. Sob os dois braços da Cruz estavam dois Anjos cada um com um regador de cristal em a mão, neles recolhiam o sangue dos Mártires e com ele regavam as almas que se aproximavam de Deus.”
Retomamos: existem “versões” do “Terceiro Segredo” que circulam na internet, dizendo falsamente que “a Igreja deu permissão de revelar o Terceiro Segredo de Fátima”. Ora, esclarecemos que até a presente data de publicação deste artigo (13/10/2010), este texto que citamos acima é a ÚNICA versão do Terceiro Segredo de Fátima que temos oficialmente divulgada pelo Vaticano.
Mas vamos ao comentário da visão, integrando com os dados que o Papa nos trouxe neste ano e que citamos acima:
Segundo o Papa, então, o segredo fala de coisas futuras que, como diz o Bento XVI, “pouco a pouco se desenvolvem e se mostram”, e o Papa liga aos “sofrimentos da Igreja” e a “perseguição da Igreja”.
O que pouco a pouco “se desenvolve e se mostra”, e que tem a ver com sofrimentos para a Santa Igreja? Ora, me parece claro é exatamente a realidade da perseguição, que temos visto estourar com uma força sem precedentes, principalmente a partir de deste ano, com toda esta questão da pedofilia (veja que o Papa fala em “pecado na Igreja”), e conhecidos teólogos que se dizem católicos (como os da Teologia da Libertação) patrulhando abertamente o próprio Papa e quem está em comunhão com ele (o Papa fala em “a maior perseguição da Igreja NÃO vem dos inimigos de fora”).
Não é difícil ver, ao menos nos acontecimentos deste ano, algo nesse sentido e no sentido da visão que “se  desenvolve e se mostra”: o Papa, “bispo vestido de branco”, “aos pés da grande cruz”, sendo atingido por “um grupo de  soldados que lhe atiraram vários tiros e setas”. Espiritualmente falando, creio é o que estamos vendo acontecer.
Vejamos, por exemplo, como esta questão da pedofilia tem sido usada para perseguir a Santa Igreja e que o próprio entrevistador mencionou na pergunta ao Papa, que fizemos acima.
Quem é grande a adversária do aborto? A Igreja.
E da libertinagem sexual? A Igreja.
Do comunismo? A Igreja.
E assim por diante...
Isso deixa claro que existem interesses revolucionários, sim, de patrulhar a Igreja.
Além disso, Antonio Gramsci, comunista italiano, escreveu que três elementos impediam que a Revolução Marxista triunfasse no ocidente: o pensamento grego, o direito romano e a moral judaico-cristã. Era preciso, portanto, destruir os três.
Este assunto é apresentado com detalhes e provado com fatos pelo Pe. Paulo Ricardo de Azevedo Júnior, na sua palestra sobre o “Marxismo Cultural”, que pode ser escutada em http://padrepauloricardo.org/audio/marxismo-cultural/ .
Alguns pensadores católicos, como o próprio Pe. Paulo Ricardo e o filósofo Olavo de Carvalho, nos falam de uma técnica de engenharia social usada por este revolucionários, e facilmente verificada em nosso meio, que se chama “espiral do silêncio”.
Esta técnica parte do princípio que uma notícia, para fazer diferença para a a população, ela precisa ser repetida um certo número de vezes.
Então, por exemplo, acontece uma grande manifestação contra o aborto, e o que normalmente aparece na grande mídia? Uma notícia de meia-dúzia de linhas no canto da página. Aí aparece um escândalo de padre pedófilo, e o que a grande mídia normalmente faz? Se fica metralhando isso com uma frequência e de uma forma descaradamente mal-intencionada...e logo todos estão desconfiando de qualquer padre que apareça na sua frente e achando que a Santa Igreja é a grande criminosa da história da humanidade.
Vejamos a contradição:
Essa onda de pedofilia (que NÃO atinge apenas sacerdotes, mas atinge também pastores protestantes e gente de tudo quanto é classe social...) tem como causadora NÃO a Santa Igreja, mas exatamente o contrário: é a crise religiosa e moral que a nossa sociedade se afundou, a partir das idéias revolucionárias anticristãs ***propagadas pelos mesmos que combatem a Santa Igreja***.
Ora, qual é a grande Instituição que tem, com todas as suas forças, defendido a castidade (segundo o estado de vida de cada um, evidentemente, na continência ou na vivência do matrimônio segundo o Projeto de Deus) dos sacerdotes, dos celibatários, dos casais, dos jovens, de todos? A Igreja!
E quem tem disseminado libertinagem sexual, propagando pornografia, incentivando que se faça sexo de tudo quanto é jeito e distribuindo camisinha nas escolas para as crianças? ***São esses mesmos Revolucionários que querem difamar a Igreja!***
Um sacerdote pedófilo é um MAU SACERDOTE. Não é fiel a Nosso Senhor Jesus Cristo, a Santa Igreja e aos Projeto de Deus que ele se comprometeu a viver.
Agora, um revolucionário que vai nas escolas promover pornografia, promiscuidade e distribuir camisinha pra criança é UM BOM REVOLUCIONÁRIO, fiel à sua cartilha marxista e gramsciana.
Não aceitamos o rótulo que eles querem nos colocar!
 

5. Confirmação nas Aparições Marianas reconhecidas pela Santa Igreja...

  • Fátima (Portugal, 1917) 
Também em Fátima, disse a Virgem:
“Se atenderem aos meus pedidos, a Rússia se converterá e terão paz; se não, espalhará os seus erros pelo mundo, promovendo guerras e perseguições à Igreja. Os bons serão martirizados, o Santo Padre terá muito que sofrer, várias nações serão aniquiladas. Por fim, o Meu Imaculado Coração triunfará.”
Embora isso seja dito na “Segunda Parte do Segredo” ou no chamado “Segundo Segredo” (e, portanto, divulgado há várias décadas atrás), NÃO parece pertencer completamente ao passado, pois:
  • o perigo anunciado (“nações inteiras aniquiladas”) nunca se cumpriu; nem mesmo na Segunda Guerra Mundial foram aniquiladas “nações inteiras”.
  • além disso, porque hoje vemos acontecendo, como nunca, a disseminação dos erros da Rússia pelo mundo inteiro (comunismo, marxismo cultural, ateísmo prático...), e inclusive no interior da Igreja, através da “Teologia da Libertação”.
Aliás, a própria Irmã Lúcia escreveu ao Papa João Paulo II, no dia 12 de Maio de 1982, a respeito do “Terceiro Segredo” ou “Terceira Parte do Segredo”:
«A terceira parte do “segredo” refere-se às palavras de Nossa Senhora: “Se não, [a Rússia] espalhará os seus erros pelo mundo, promovendo guerras e perseguições à Igreja. Os bons serão martirizados, o Santo Padre terá muito que sofrer, várias nações serão aniquiladas”».
Chamam atenção também duas visões que a Beata Jacinta, uma das videntes de Fátima, relatou, e que parecem dizer respeito ao nosso tempo (principalmente esta primeira, relativa ao Papa):
“Eu vi o Santo Padre numa casa muito grande, de joelhos diante de uma mesa, com as mão na cara a chorar. Fora de casa estava muita gente, e uns atiravam-lhe pedras, outros rogavam-lhe pragas, e diziam-lhe muitas palavras feias.”
A outra visão, Jacinta mostra em um diálogo com Lúcia (a outra vidente de Fátima); quem descreve é a própria Irmã Lúcia, em sua “3a Memória”:
“Não vês tanta estrada, tantos caminhos e campos cheios de gente, a chorar com fome, e não têm nada para comer?! E o Santo Padre numa igreja, diante do Imaculado Coração de Maria, a rezar?! E tanta gente a rezar com ele?! Passados alguns dias perguntou-me: Posso dizer que vi o Santo Padre e toda aquela gente? – Não. Não vês que isso faz parte do segredo?! Que por aí logo se descobria?! – Está bem; então não digo nada.”
Em entrevista ao Pe. Agostinho Fuentes, Postulador da Causa de Beatificação dos videntes de Fátima, Irmã Lúcia, em 1957, revela toda a gravidade dos tempos que vivemos, dizendo:
“A Santíssima Virgem me disse que o demônio está prestes a travar uma batalha decisiva contra Ela, e como em pouco tempo precisa ganhar o maior número possível de almas, tudo faz para conquistar as almas consagradas a Deus, pois desta maneira deixa desamparado o campo das almas e poderá apoderar-se delas mais facilmente.”
 
  • La Salette (França, 1846): 
Em La Salette, aparição oficialmente reconhecida pela Santa Igreja, a Virgem falou palavras fortes.
Sobre a aparição de La Salette, o Papa João Paulo II afirmou:
“Neste lugar, Maria, a mãe sempre amorosa, mostrou sua dor pelo mal moral causado pela humanidade. Suas lágrimas nos ajudam a entender a gravidade do pecado e a rejeição a Deus, enquanto manifestam ao mesmo tempo a apaixonada fidelidade que Seu Filho mantém com relação a cada pessoa, embora Seu amor redentor esteja marcado com as feridas da traição e do abandono dos homens.”
Disse a Virgem em La Salette:
“O Vigário do meu Filho terá muito que sofrer, porque por um tempo a Igreja será entregue a grandes perseguições - será o tempo das trevas. A Igreja terá uma crise medonha. Esquecida a santa fé de Deus, cada indivíduo quererá governar-se por si mesmo e ser superior aos seus semelhantes. Serão abolidos os poderes civis e eclesiásticos, toda a ordem e justiça serão calcadas aos pés. Só se verão homicídios, ódios, inveja, mentira e discórdia, sem amor pela pátria e pela família. O Santo Padre sofrerá muito. Estarei com ele, até o fim, para receber o seu sacrifício. Os malvados atentarão muitas vezes contra a sua vida, sem poder pôr fim aos seus dias; nem ele, porém, nem o seu sucessor verão o triunfo da Igreja de Deus.”
As referências explícitas a dois papas, e talvez implicitamente a um terceiro (que veja o Triunfo da Igreja?) são misteriosas.
A Virgem continua:
“Várias grandes cidades serão abaladas e soterradas por terremotos. As pessoas acreditarão que tudo estará perdido. Não se verá mais do que homicídios, não se ouvirá senão os ruídos das armas e blasfêmias. Os justos sofrerão muito; as suas orações, a sua penitência e as suas lágrimas subirão ao Céu e todo o povo de Deus pedirá perdão e misericórdia, e implorará a minha ajuda e intercessão.”
 
  • Akita (Japão, 1973): 
Também nas suas manifestações de Akita (Japão, 1973), também oficialmente aprovadas pela Santa Igreja, a Virgem falou sobre estes graves assuntos.
Em Akita, a Irmã Agnes Sasagawa (Instituto Servas da Eucaristia), confidente da Virgem, recebeu o estigma de Nosso Senhor na mão esquerda e uma imagem da Virgem verteu lágrimas de sangue 101 vezes.
Fato interessante: a imagem da Virgem é a de “Nossa Senhora de Todos os Povos” (aparição da Virgem na Holanda, cuja devoção foi oficialmente aprovada pelo Bispo Local, é que é descrita no primeira artigo desta série “A Caminho do Triunfo”).  
O Arcebispo local, Dom Shojiro-Jean Ito, reconheceu oficialmente os fenômenos de Akita, escrevendo:
“Depois das indagações levadas a efeito até o dia de hoje, não se pode negar o caráter sobrenatural de uma série de acontecimentos inexplicáveis, relativos à imagem da Virgem que se encontra no Convento do Instituto das Servas da Eucaristia em Yuzawadai, no Convento de Soegawa, província de Akita, Diocese de Niigata. Tampouco se podem encontrar ali elementos contrários à fé católica ou aos bons costumes. Conseqüentemente, autorizo, em toda a extensão da Diocese da qual fui encarregado e me foi confiada, a veneração da Santa Mãe de Akita, esperando que a Santa Sé publique seu juízo definitivo sobre este assunto. Chamo a atenção, relembrando, que mesmo que a Santa Sé publique mais tarde um juízo favorável a propósito dos acontecimentos de Akita, trata-se apenas de uma revelação particular que não é um ponto doutrinal. Os cristãos são levados a crer apenas no conteúdo da Revelação Divina (encerrada com a morte do último Apóstolo) que comporta tudo o que é necessário à salvação. A Igreja, sempre, até agora, também teve em consideração as revelações particulares enquanto elas fortalecem a fé.” (22/04/1984) 
Quatro anos, em 1988, mais tarde, o Cardeal Joseph Ratzinger, hoje Papa Bento XVI, na época Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, proferiu julgamento definitivo sobre os eventos e mensagens de Akita como “confiáveis e dignos de fé”.
Em Akita, a Virgem disse:
“Como já te disse, se os homens não se arrependerem e não melhorarem, o Pai infligirá um castigo terrível à humanidade inteira. Será um castigo mais severo que o dilúvio, tal como jamais houve antes. Cairá do Céu um fogo que aniquilará uma grande parte da humanidade. (...) Os sobreviventes se encontrarão em tal desolação que invejarão os mortos.  As únicas armas que nos restarão então serão o Rosário e o Sinal deixado pelo Meu Filho. Rezem cada dia as orações do Rosário. Com o Rosário, rezem pelo Papa, pelos Bispos e pelos sacerdotes. A ação do diabo se infiltrará mesmo na Igreja, de modo que serão vistos cardeais se oporem a cardeais, bispos a outros bispos. Os padres que me veneram serão desprezados e combatidos por seus confrades; as igrejas, os altares serão saqueados, a Igreja estará cheia daqueles que mantém compromissos espúrios e o demônio forçará muitos sacerdotes e consagrados a deixarem o serviço do Senhor. O demônio se encarniçará sobretudo contra as almas consagradas a Deus. A perspectiva da perda de numerosas almas é a causa da minha tristeza. Se os pecados crescerem em número e gravidade, para esses não haverá perdão. (...) Reze muito as orações do Rosário. Eu sozinha ainda sou capaz de salvar vocês das calamidades que se aproximam. Aqueles que colocarem sua confiança em Mim serão salvos.” (13/10/1973)
A mensagem é forte, porém, nada mais é do que a repetição e atualização do que Nosso Senhor nos diz no Evangelho:
“Se não vos converterdes, perecereis todos do mesmo modo.“ (Lc 13,5) 
Não nos esqueçamos, porém, de que a Virgem Santíssima promete proteção para os que confiarem na Sua poderosa intercessão, e nos garante em Fátima:
“Por fim, o Meu Imaculado Coração Triunfará”!
 

6... e nas profecias dos Santos

  • Dom Bosco (Itália, séc. 19): 
Em termos de futuro, é impossível aqui não lembrar aqui de um sonho profético de Dom Bosco, que mostra o Papa saindo de Roma, e quando retorna (possivelmente 200 dias depois),  as “cidades”, “aldeias” e “campos” tinham a “população muito diminuída”, a “terra estava pisada como por um furacão, por um temporal e pelo granizo”, e “as pessoas iam umas para as outras dizendo com ânimo comovido” que “Há um Deus em Israel”.
Os elementos da visão parecem muito relacionados com a visão do Terceiro de Fátima.
Transcrevemos abaixo, na íntegra, esta visão do sonho de Dom Bosco, que parece vir complementar a visão do outro sonho dele (o sonho das “Duas Colunas” ), que publicamos primeiro artigo desta série.
Segue a visão de Dom Bosco:
“Era uma noite escura. Os homens não podiam mais discernir qual fosse o caminho para retornar a suas aldeias, quando apareceu no céu uma luz esplendorosíssima que esclarecia os passos dos viajantes como se fosse meio-dia.
Naquele momento, foi vista uma multidão de homens, de mulheres, de velhos, de crianças, de monges, freiras e Sacerdotes, tendo à frente o Pontífice, sair do Vaticano enfileirando-se em forma de procissão. Mas eis um furioso temporal escurecendo um tanto aquela luz. Parecia engajar-se uma batalha entre a luz e as trevas.
Chegou-se a uma pequena praça coberta de mortos e de feridos, dos quais vários pediam conforto em altas vozes. As fileiras da procissão se tornaram bastante ralas. Depois de ter caminhado por um espaço de duzentos levantar do sol, cada um percebeu que não estava mais em Roma. O espanto invadiu os ânimos de todos, e cada um se recolheu em torno do Pontífice para guardar a sua pessoa e assisti-lo em suas necessidades. Naquele momento, foram vistos dois anjos que portavam um estandarte e o foram apresentar ao Pontífice dizendo: ‘Recebe o vexilo d'Aquela que combate e dispersa os mais fortes exércitos da terra. Os teus inimigos desapareceram, os teus filhos, com lágrimas e com suspiros, invocam o teu retorno.’
Levantando, depois, o olhar para o estandarte, se via escrito nele, de um lado: ‘Regina sine labe originale concepta’; e do outro lado: ‘Auxillium Christianorum’. O Pontífice tomou o estandarte com alegria, mas tornando a olhar o pequeno número daqueles que haviam permanecido em torno de si, ficou aflitíssimo.
Os dois anjos acrescentaram: ‘Vai depressa consolar os teus filhos. Escreve a teus irmãos dispersos nas várias partes do mundo que é preciso uma reforma nos costumes e nos homens. Isto só se poderá obter repartindo aos povos o pão da Divina Palavra. Catequizai as crianças, pregai o desapego das coisas da terra.’ ‘Chegou o tempo’, concluíram os dois anjos, ‘que os pobres serão os evangelizadores dos povos. Os Levitas serão buscados entre a enxada, a pá e o martelo, a fim de que se cumpram as palavras de Davi: Deus levantou o pobre da terra para colocá-lo sobre o trono dos príncipes do teu povo.’
Ouvindo isto, o Pontífice se moveu e as filas da procissão começaram a engrossar-se. Quando, afinal, ele colocou o pé na cidade santa, ele começou a chorar por causa da desolação em que estavam os cidadãos, dos quais muitos não existiam mais. Reentrado, enfim, em São Pedro, ele entoou o Te Deum, que foi respondido por um coro de anjos, cantando: ‘Gloria in excelsis Deo, et pax in terris hominibus bonae voluntatis’.
Terminado o canto, cessou de fato toda escuridão e se manifestou um sol fulgidíssimo. As cidades, as aldeias, os campos tinham a população muito diminuída, a terra estava pisada como por um furacão, por um temporal e pelo granizo, e as pessoas iam umas para as outras dizendo com ânimo comovido: ‘Há um Deus em Israel’.
Do começo do exílio até o canto do Te Deum, o sol se levantou duzentas vezes. Todo o tempo que transcorreu para se cumprirem estas coisas corresponde a quatrocentos levantar de sol.”
 
  • Papa São Pio X (1835-1914): 
Também o grande Papa São Pio X, conhecido como o “Papa do Santíssimo Sacramento”, descreveu:
“Tive uma visão assombrosa. Será comigo, ou com algum sucessor meu? Vi que o Papa deixará Roma e, para sair do Vaticano, terá que passar sobre os cadáveres de seus padres.”
E ainda:
“Ele se exilará disfarçando-se em algum lugar e após um curto isolamento, sofrerá uma morte cruel.”
 
  • Beata Anna Maria Taiji (Itália, séc.  19): 
Escreveu ela:
“A Religião será perseguida, e os religiosos massacrados. As Igrejas serão fechadas, porém por um breve período. O Santo Padre será obrigado a deixar Roma.”
 
  • Santa Brígida, Estigmatizada (Suécia, séc. 14): 
Escreveu ela:
“40 anos antes do ano 2000, o demônio será deixado solto, por um tempo. Quando tudo parecer perdido, Deus, mesmo de improviso, porá fim à maldade. (...) Os sacerdotes deixarão de usar hábito santo e se vestirão como pessoas comuns; as mulheres se vestirão como os homens e os homens como as mulheres.”
 
  • Beata Anna Catharina Ememrich, Estigmatizada (Alemanha, séc. 18): 
Foi a mística que, com as suas visões a respeito da vida de Nosso Senhor, inspirou Mel Gibson no filme “A Paixão de Cristo”.
Fala a Beata, no seu famoso livro “Vida, Paixão e Glorificação do Cordeiro de Deus”:
“Ouvi dizer que Lúcifer, se não me engano, 50 ou 60 anos antes do ano 2.000 de Cristo, seria novamente solto por certo tempo. Muitas outras datas e números foram indicados, dos quais não me lembro mais. Deviam ser soltos ainda outros demônios antes desse tempo, para provação e castigo dos homens.”
 
  • São Luis Maria Monfort (França, séc. 18): 
Escreveu São Luis, no seu marailhoso “Tratado da Verdadeira Devoção a Santíssima Virgem”:
“Maria deve ser, enfim, terrível para o demônio e seus sequezes como um exército em linha de batalha, principalmente nesses últimos tempos, pois o demônio, sabendo bem que pouco tempo lhe resta para perder as almas, redobra cada dia seus esforços e ataques. Suscitará, embreve, perseguições cruéis e terríveis emboscadas aos servidores fiéis e aos verdadeiros filhos de Maria, que mais trabalho lhe dão para vencer.”
 

7. Conclusão

As palavras do Papa João Paulo II, em Fulda, na Alemanha, falando aos jovens, em 1981, ecoam em nosso coração:
“Quantas vezes se realizou no sangue a renovação da Igreja?”
Tudo isso é impressionante, mas que isso seja motivo para nos entregarmos aquilo que nossa Mãe Santíssima pediu em Fátima:
  • a consagração ao Seu Coração Imaculado, como Ela pediu: 
“Deus quer estabelecer no mundo a Devoção ao Meu Coração Imaculado.”
 
  • a oração diária do Santo Terço, como Ela pediu:
“Rezem o Terço todos os dias pela paz no mundo e para acabar com a guerra.”
 
  • a adoração da Presença Real e Substancial de Nosso Senhor no Santíssimo Sacramento, como o Anjo de Portugal, precursor da Virgem nas aparições, ensinou a Lúcia, Francisco e Jacinta:
“Meu Deus, eu creio, adoro-vos, espero-vos e amo-vos; peço-vos perdão por aqueles que não crêem, não adoram, não esperam e não vos amam”.
E vermos a mensagem de Fátima, acima de tudo, como uma mensagem de esperança, que nos leva a ver que, depois deste período de Grande Tribulação e Grande Provação, virá aquilo que ser humano algum jamais presenciou acontecer:
O Grande Triunfo do Imaculado Coração da Santíssima Virgem!
Ela quem prometeu:
“Por fim, o Meu Imaculado Coração Triunfará!”
Em La Salette, estes foram os apelos da Santíssima Virgem:
“Eu dirijo um urgente apelo à Terra: chamo os verdadeiros discípulos do Deus Vivo, que reina nos céus; chamo os verdadeiros imitadores de Cristo feito homem - o único e verdadeiro Salvador dos homens; chamo os meus filhos, os meus verdadeiros devotos, os que se deram a mim, para que eu os conduza ao meu Divino Filho - aqueles que eu levo, por assim dizer, nos meus braços; chamo os que viveram do meu espírito; chamo, enfim, os Apóstolos dos Últimos Tempos, os fiéis discípulos de Jesus Cristo, que viveram no desprezo do mundo e de si próprios, na pobreza e na humildade, no desprezo e no silêncio, na oração e na mortificação, na castidade e na união com Deus, no sofrimento, e desconhecidos do mundo. Já é hora de saírem e virem iluminar a Terra. Ide e mostrai-vos como meus filhos queridos. Estou convosco e em vós, desde que a vossa fé seja a luz que vos ilumine nesses dias de infortúnio. Que o vosso zelo vos torne como que famintos da glória e da honra de Jesus Cristo. Combatei, filhos da luz, vós, pequeno número que ainda tendes vista....”

0 comentários:

Postar um comentário