11 de fev de 2011

Pesquisa revela alto índice de cristãos viciados em pornografia


10.02.2011 - Uma pesquisa feita por uma revista cristã americana diz que cerca de 50% das pessoas entrevistadas admitiram ter problemas com a pornografia na Internet. O estudo recente foi realizado pelo grupo “ChristiaNet”, mostrou uma incrível quantidade de problemas com a pornografia entre seus leitores.
Para Clay Jones, da entidade “Second Look”, existem fatores que favorecem esse desejo em acessar sites pornográficos. Um deles seria o acesso secreto e anônimo que a vida virtual oferece.
Jones e seu ministério estão usando dados da ChristiaNet para tentar alertar a igreja sobre esta situação: “Eu vi outra pesquisa, que incluiu os pastores aqui, e um terço deles admitiu ser viciado em pornografia na Internet.”
“O problema da pornografia não se limita a um determinado grupo de homens. Vão desde pastores, membros das igrejas, vizinho, a família … estamos todos vulneráveis “, diz o Dr. Dennis Frederick que trabalha quase que exclusivamente com vícios sexuais devido ao número crescente de pessoas que chegam a ele com este problema no centro de aconselhamento cristão.
Em seu livro “Conquistando Pornografia” Frederick cita o caso de um pastor de renome, que foi viciado em pornografia de 10 anos e que vai a cada semana para aconselhamento pastoral.
Apesar do número de homens viciados em pornografia ser maior, não significa que não haja mulheres com esse problema. A matéria da revista americana diz que cerca de 17% delas também estão envolvidas nessa prática.
Para se livrar desse vício, Frederick ensina que primeiramente é necessário reconhecer o problema e parar de se enganar. A próxima etapa é limpar a casa e se livrar de todo o material pornográfico. Fora isso, de acordo com Frederick a pessoa precisa se arrepender e determinar: “Eu quero ser uma pessoa livre. Não quero isso controlando a minha vida. ”
Alguns especialistas acreditam que a dependência de pornografia é um vício que é executado através de mecanismos químicos no cérebro e, portanto, precisam de terapia profissional. Clay Jones acredita nesses processos químicos e físicos e, para ele, os doentes precisam aprender a interromper esses processos para que haja uma mudança real. Em seguida, ele deve aceitar que esta área será sempre um ponto fraco na armadura da personalidade.
Frederick e Jones acreditam que a igreja pode e deve fazer mais para ajudar os cristãos a estar livre do vício sexual: “É tempo que a Igreja remover a cabeça do buraco e começar a resolver estas questões de forma aberta e honesta”, diz Jones.


Fonte: http://www.comshalom.org/blog/carmadelio/
Fonte: RAINHA MARIA

0 comentários:

Postar um comentário