5 de fev de 2011

Quanto mais vísivel for a santidade, tanto menos pode ficar oculto o demônio.


Tem um padre da minha diocese que esta complicando as coisas na sua paroquia, a famosa paroquia Cristo Libertador (o nome já diz tudo). Ele desde sempre em suas homilias nega explicitamente a existência do diabo. Com uma mentalidade materialista fala que só acreditara no demônio depois que o mesmo se apresentar para ele. Mentes como esta têm em vários lugares do mundo, sobretudo no meio do clero, é lógico que eles aprenderam isto na escola dos teólogos modernistas inimigos a Igreja.


O que mais irrita é que estas teologias modernistas “batizadas” no existencialismo e materialismo são propagadas nos púlpitos das Igrejas, e no fim das contas o povo de Deus se perde por falta de pastores. O documento “Presbyterorun Ordinis” do Concílio Vaticano II diz o seguinte:” ..Como ninguém se salva sem fé, os padres, como cooperadores dos Bispos, têm o dever precípuo de levar a todos o Evangelho de Deus, no cumprimento do mandamento do Senhor: “Vão ao mundo inteiro e preguem o Evangelho a toda criatura” (Mc.16,15), constituindo e fazendo crescer o Povo de Deus”..Infelizmente o Evangelho que um grande numero de sacerdotes esta pregando não é o revelado por Deus em Cristo Jesus, ou seja, não salva ninguém.


Sobre a existência do demônio como um espirito real e tenebroso a Bíblia é muito clara, sobretudo no novo testamento. Na realidade o antigo testamento não expõe tanto a figura de Satanás e seus demônios por que existia uma grande preocupação dos hagiógrafos de a mentalidade politeísta vir a influenciar o povo a adorarem Satanás e seus anjos rebelados como divindades. Com o advento da fé no Deus Uno o Pai revelou mais explicitamente a existência destes espíritos malignos pervertedores que estão entre nós para nos levar para a condenação eterna. Ou seja, no antigo testamento a demonologia é tratada de forma secundaria e no novo de forma mais evidente.


Hebert Haag( falecido Teólogo da escola de Tubinger que não acredita em demônios) reconhece que Jesus e os apóstolos via os demônios como espíritos reais, porém ele julga que o Messias e seus seguidores eram vitimas de um judaísmo incipiente. “Para Haag, “demônio” no antigo testamente sempre significou ” pecado” e que foi boa parte dos Judeus que perverteram o conceito “demônio”, influenciando assim Jesus e todo o cristianismo de forma errada. Este teólogo criticou duramente o papa Paulo VI na época que o papa anunciava a presença de Satanás dentro da Igreja, segundo Haag o papa tinha um pensamento que não era conciliável com os tempos modernos.


O papa Bento XVI quando ainda Cardeal rebateu as teorias de Haag em um de seus livros chamado “ Dogma e Anuncio”. Ele criticou Haag em dois pontos de seus pensamentos. Primeiro salientou que Haag erra em não fazer exegese bíblica e sim interpretação subjetiva bíblica, perceba que ele reconhece que Jesus acreditava nos demônios como espíritos reais, mas acusa Jesus, o cristianismo e boa parte do Judaísmo de pervertedores do conceito “demônio”. A segunda crítica é sobre a tentativa de tentar conciliar o evangelho ao mundo moderno de tal forma a negar verdades bíblicas tão claras.


Veja na integra uma orientação que o Papa Bento XVI nos dá no seu livro: é certo de que a fé só pode se realizada por quem crê com a Igreja e não por quem segue os oráculos de decisões particulares sobre aquilo que cada vez deve ser considerado como admissível ou não.


Voltando na história do padre da minha cidade e fazendo analogias ao pensamento de Haag percebo que ele esta encaixado no segundo erro evidenciado pelo Papa Ratzinguer, como a maioria do clero da minha amada diocese, ele é um padre que na filosofia e na teologia estudou muitos pensamentos existencialistas e materialistas e frente a tanta informação ele não consegue conceber que existe um mundo sobrenatural muito mais real do que o mundo que vivemos. Tem outro problema também, a teologia da libertação é mestra em fazer hermenêuticas bíblicas integralmente marxistas, por tanto, para muitos dos padres formados nesta maldita heresia, Satanás e os seus anjos rebelados nada mais são do que o sistema que oprime os pobres. Com se já não bastasse os erros de Haag temos que tolerar estes absurdos provenientes dos Boff,s da vida.


Só que o problema não é só de teologia não, no meio desta crise de fé o problema vai mais além, e o papa Bento VXI nos mostra outro grande problema. V ejamos o que o papa Ratzinguer pensou: Da mesma forma que Deus quis se revelar primeiro até a vinda de Cristo para depois mostrar com mais evidencias e clareza a existência dos demônios, nós precisamos buscar primeiro o conhecimento de Deus para depois conhecer Satanás e seus demônios. Contemplando Deus as escamas caem dos nossos olhos e assim conseguimos enxergar o mundo espiritual, veja a frase do papa: As belas máscaras do demônio não enganam mais a quem esta olhando da parte de Deus. Este olhar para Deus gera santidade e diante da santidade o demônio se dá por vencido. O papa complementa de forma extraordinaria dizendo: Quanto mais vísivel e maior for a santidade, tanto menos pode ficar oculto o demônio.


Eis o problema desvendado caríssimos irmãos leitores, os remédios para esta doença espiritual e intelectual se chama teologia católica, vida de oração e santidade de vida. A ausencia destes remédios pode provocar a morte espiritual de qualquer alma.


Rezemos à nossa senhora para a conversão daqueles que não acreditam na existência do diabo, o que o inimigo mais quer é ser desacreditado.


Salve Maria!


Bruno Cruz
bhc.vida@hotmail.com
Contato missionário: (031)88802212








1 comentários:

  1. É, Bruno. Há muitos padres que preferem ensinar aquilo que ACHAM, e tudo isso graças à Teologia e Filosofia baratas de que temos que 'descontruir' os pensamentos tão duramente alicerçados por séculos.

    Aí, nessas hs, eu penso: Senhor, o que é que falta pro Senhor voltar logo???

    ResponderExcluir