26 de jun de 2011

Parada gay de São Paulo teve 3 milhões e meio de participantes?


Parada gay de São Paulo teve 3 milhões e meio de participantes?

Os pinóquios de narizes compridos continuam a solta, como sempre alardeando informações e dados fantásticos sobre os homossexuais e seus eventos. Depois de revelado o exagero dos números de homossexuais assassinados no Brasil, agora a pinoquice aparece na estatística envolvendo os supostos milhões que participaram da parada da sodomia.


Entre a realidade e a ficção, os ativistas homossexuais e seus aliados preferem a ficção, doa a quem doer.


O texto abaixo é do blog Dog Viralatas Reloaded, do Carlos Vendramini:




O blog de Jorge Serrão [1] recentemente trouxe um tópico onde é apresentada contestação ao número de participantes da “Parada do Orgulho GLBT” divulgado através da grande mídia:


“Se a Paulista, do Paraíso à Consolação, tem 2.500m de comprimento e 55m de largura, são 137.500m2, então. Com uma pessoa por metro quadrado, seriam 137.000. Mas, se eram 3,5 milhões, havia 25 pessoas por metro quadrado, o que é impossível”.


Analisando o número de pessoas supostamente presentes em cada uma das duas edições imediatamente anteriores da “Parada do Orgulho GLBT” (novamente fornecidos pelos organizadores) [2], temo que neste ano de 2007 os organizadores do evento resolveram optar por uma progressão gigante no suposto número de pessoas participantes. Em 2006, os organizadores do evento divulgaram número de 2.200.000 (dois milhões e duzentas mil) pessoas. Antes, no ano de 2005, o número divulgado foi de 2.500.000 (dois milhões e quinhentas mil) pessoas. Entre os anos de 2005 e 2006, segundo os totais fornecidos pelos organizadores, houve diminuição de 300.000 (trezentas mil) pessoas participantes do evento. No ano de 2007, quem sabe para compensar o decréscimo registrado na comparação entre os dois anos anteriores, o número de participantes foi aumentado em, vejam só, 1.300.000 (um milhão e trezentas mil) pessoas.


Manipular números parece ser uma mania dos organizadores da “Parada do Orgulho GLBT”. Aliás, relembro aqui, abortistas e o Movimento Gay podem se dar as mãos em matéria de manipulação de dados. Talvez esses senhores não sintam vergonha alguma em fabricar dados, no mínimo duvidosos, em favor de seus movimentos. Claro que uma grande mídia aparelhada e, portanto, amestrada, é elemento fundamental no propósito de divulgar a grande mentira e insitir nela, para que assim esta assuma ares de verdade. Nada de novo, sendo que trata-se de conhecida tática nazista [3].


Eu, particularmente, fiquei intrigado com a questão e procurei me aprofundar um pouco mais em como calcular a taxa de ocupação em eventos e encontrei uma matéria no site World Sports Magazine [4] que traz parâmetros de como calcular a capacidade de público em um evento. Nessa matéria me chamou particularmente a atenção o critério adotado para se calcular o espaço ocupada por uma pessoa:


Adotou-se na elaboração das normas que as dimensões de uma pessoa (a largura, ombro a ombro, etc.) é uma elipse corporal de aproximadamente 0,60 m por 0,46 m, que ocupa área de cerca de 0,276 m2.


Baseado na matéria do site citado, uma pessoa ocupa uma área aproximada de 0,276 m2. Em uma área de 1 m2 é possível abrigar até quatro pessoas bem próximas umas das outras. Por que somente quatro pessoas por m2? A resposta é simples. O produto da relação entre a área ocupada por uma única pessoa e a quantidade de 4 pessoas é aproximadamente de 1 m2. Sendo assim, o máximo de pessoas que podem estar lado a lado em uma área de 1 m2 é de 4 pessoas. Faça a multiplicação:


0,276 m2 x 4 ~ 1 m2


Como já foi citado anteriormente, a área da avenida Paulista é aproximadamente de 137.500 m2, certo? Isso é a área total, mas com certeza não se trata da área ocupável total, pois esta tende a ser menor do que a área total propriamente dita. Notem que na avenida Paulista existem canteiros de flores, bancas de jornais, postos policiais, estações do metrô, postes, e talvez mais tipos de obstáculos que diminuam a taxa de ocupação da avenida. Então, ao adotarmos a área ocupável como sendo a área total da avenida, estamos a dar uma colher de chá para os organizadores do evento. Que isto fique bem claro.


Para então obtermos a quantidade máxima de pessoas possível ao longo da avenida Paulista basta calcular o produto da relação entre a área ocupável total da avenida Paulista (aqui tomada como a área total propriamente dita) e o número máximo de pessoas que podem estar lado-a-lado em uma área de 1 m2:


137.500 x 4 ~ 550.000 pessoas


O número de 550.000 (quinhentas e cinqüenta mil) pessoas é um número respeitável, não? Porém muito abaixo do total de 3.500.000 (três milhões e quinhentas mil) pessoas divulgado pelos organizadores da “Parada do Orgulho GLBT” através da grande mídia.


Sabem como um serviço de buffet conta o número de pessoas em um evento (seja casamento, festa de 15 anos et coetera) para depois poder cobrar o serviço? Bem simples. Funcionários do buffet ficam na entrada (ou entradas) do recinto com contadores nas mãos. Cada pessoa que entra o funcionário marca no contador. Simples assim. Você acredita que é possível fazer o mesmo em um local aberto? É impossível. Então de onde vem o número total de participantes apresentado pelos organizadores da “Parada do Orgulho GLBT”? Boa pergunta, não?


Pelo total de participantes fornecido pelos organizadores da “Parada do Orgulho GLBT” para ser divulgado pela grande mídia, vejam o absurdo de 25 pessoas por m2. Como é possível isso? Em verdade, isso seria até possível, desde que as pessoas formassem pirâmides de gente em cada m2. Aliás, isso não é exclusividade dos organizadores do movimento homossexual. Manipular números em favor de causa própria é um hábito pelo que se pode notar em matéria do site da RTP portuguesa sobre manifestação das vítimas do terrorismo na Espanha. Notem a semelhança [5]:


Para ter havido 1,7 milhões de pessoas na manifestação de sábado, explica a polícia, teriam de estar, não três, mas 25 pessoas por metro quadrado, o que suscitou caricaturas em que um “organizador” aponta para uma pirâmide de pessoas que diz “provar” a estimativa mais “inflacionada”.


Preciso dizer algo mais?



[1] http://alertatotal.blogspot.com/2007/06/ttica-citylondrina-acio-neves-refora.html

[2] http://exclusivo.terra.com.br/paradagay2006/interna/0,,OI1045345-EI7090,00.html

[3] “Diga mentiras grandes. Diga-as de forma simples, repita-as constantemente, tantas vezes quantas você puder, até que as pessoas comecem a acreditar no que você está dizendo” (por Julio Severo: “Propaganda e mentira na defesa das leis anti-homofobia”, 11 de junho de 2007)

[4] http://www.sportsmagazine.com.br/melhor_prev.htm

[5] http://www.rtp.pt/index.php?article=226006&visual=5



Veja também:


Propaganda e mentira na defesa das leis anti-homofobia


Depois da Parada Gay: a sujeira gay

2 comentários:

  1. Valeu pessoal, eu sempre pensei que da paulista ate o anhangabau, seria impossivel colocar 1 milhao de pessoas. muito bom..

    ResponderExcluir
  2. Gente eles estavam tão loucos, tão alucinados, tão drogados, que uma pessoa que eles viam eram como se fossem 20, 30 ou sei là? Só ai da pra entender os números deles. Gente e esses gays são uns hipócritas, são doentes e servem ao encardido. Que Deus tenha misericória de nós.

    ResponderExcluir