27 de out de 2011

Wikipedia censura informação contrária ao aborto


Buenos Aires, 18 Out. 11 (ACI) - A agência AICA informou que o site em inglês da enciclopédia online Wikipedia bloqueou a publicação de informação científica contrária ao aborto, diante dos insistentes esforços de um grupo de jovens locais que buscou dar aos usuários desse site acesso a prestigiosos estudos sobre a síndrome pós- aborto.

Conforme informa AICA, um grupo de jovens estudantes do colégio Mallinckrodt de Buenos Aires, motivadas por uma investigação realizada em uma aula de biologia sobre o síndrome post aborto (SPA), comprovaram que a Wikipedia em inglês, nega que o SPA esteja reconhecido por alguma "organização médica ou psicológica e que seus riscos de depressão ou suicídio não são reconhecidos pela literatura científica".

"As jovens reuniram uma extensa documentação científico-médica de reconhecimento internacional e tentaram carregar os dados obtidos de instituições oficiais e ONGs de distintos países na Wikipedia para conhecimento geral", indicou AICA.

"Quisemos demonstrar que estava tratado cientificamente em muitos livros e por muitos cientistas como por exemplo o Dr. Reardon, diretor do Elliot Institute Springfield, ou o Dr. Phillip Ney, quem realizou trabalhos a respeito e Mika Gissler, Elina Hemminki, Jouko Lonnqvist, entre outros", afirmaram.

"Quisemos pôr simplesmente "dados", obtidos de lugares confiáveis como por exemplo STAKES (Finland's National Research and Development Center for Welfare and Health) em um estudo realizado na Finlândia, resultados que foram publicados pelo British Medical Journal e o WEF (World Economic Fórum), ou o estudo realizado pelo Dr. Elard Koch no Chile cujo estudo foi apresentado em janeiro de 2010 na reunião inaugural do International Working Group for Global Women's Health Research, em Washington, Estados Unidos, outros pela University of Minnesota, ou estudos do Center Bio-Ethical Reform obtidos do Alan Guttmacher Institute and Planned Parenthood's Family Planning Perspectives nos Estados Unidos, entre outros tantos mais".

Embora a informação das jovens tenha aparecido na Web por umas horas, "pouco tempo depois não estava mais e em troca tinha uma mensagem que nos proibia seguir publicando informação nas próximas 24 horas".

"Passadas as 24 horas publicamos novamente, agora em tom nitidamente descritivo e citando muitíssimo, já que nos objetaram que não tínhamos justificado o suficiente".

"Apesar disto, recebemos uma mensagem novamente, esta vez bloqueando-nos por duas semanas e dizendo que se seguíamos publicando seríamos bloqueados definitivamente da Wikipedia".

"Tentamos discutir no foro de discussão, e embora tenhamos conseguido pôr o estudo do Chile, responderam-nos sem nenhum tipo de argumentação científica que não era válido; não nos deixaram publicar nada mais".

As jovens estudantes manifestaram sua indignação ante a censura e discriminação sofrida, "como é possível que não se permita publicar sobre estes temas? Nem sequer nos permitiram realizar uma contribuição científica e objetiva".


***
Fonte: http://www.bibliacatolica.com.br/blog/

1 comentários:

  1. Caro Bruno, infelizmente nós, cristãos, estamos "sozinhos" na luta pela defesa da moral. A alguns dias atrás saiu uma reportagem no Zenit mostrando que existe uma censura anticristã na grandes empresas que mantêm a internet.

    Na reportagem vimos que a Apple bloqueia aplicativos cristãos da loja do Itunes e em 2010 retirou o apoio a declaração de Manhattan.

    O Google retira do motor de busca coisas de conteúdo cristão pró-vida e bloqueia propagandas que contenham a frase "o aborto é assassinato", afirmação considerada "horripilante".

    Facebook também bloqueia "conteúdo religioso incitante e agendas político-religiosas".

    Enfim, o mundo que vivemos prega o ateísmo praticante (ou seja, o ateísmo prático, já que não se pode falar em Deus ou Cristo...).

    Infelizmente, até por membros da Igreja, pessoas como eu, você, Anderson e Evelyn somos vistos como doentes, retrógrados e fanáticos...

    Saudade da Idade Média...



    Ps.: O link da reportagem do Zenit é este: http://www.zenit.org/rssportuguese-29057?utm_source=feedburner&utm_medium=feed&utm_campaign=Feed%3A+zenit%2Fportuguese+%28ZENIT+Portuguese%29

    ResponderExcluir