26 de dez de 2011

“A mulher não deseja o aborto”



Dra. Pilar Virgil explica por que muitas mulheres chegam a cometer o aborto e roga: “Ajudemos as mulheres para que não abortem seus filhos!”.

A equipe de reportagem do ‘Destrave’ entrevistou a médica, especialista em Ginecologia e Obstetrícia, *Dra. Pilar Virgil, para um esclarecimento sobre a relação da mulher com o aborto. (Veja também especial sobre aborto)

Destrave: Muitas pessoas aderem ao aborto porque pensam que as mulheres podem fazer o que quiserem com o corpo, mas quando se encontram numa situação como esta não sabem como reagir e o que fazer. O que dizer a este respeito?

Dra. Pilar Virgil: Primeiramente é preciso pensar que eu não tenho um corpo, eu sou um corpo. Muitas vezes, nós pensamos: “Eu tenho um corpo”, vai ser como um brinquedo, porém, este “brinquedo” é diferente, e não é um “brinquedo”, sou eu. Portanto, o que eu faço comigo mesma é muito importante, e muitas vezes, tomamos decisões porque não nos conhecemos.

Entrevista Dra. Pilar

"Ajudemos estas mulheres a seguir com sua vida lhes dando onde morar, um lugar para trabalhar e seguir estudando", pediu Dra. Pilar

Destrave: Qual é o tipo de distúrbio que pode acontecer com uma mulher que pratica o aborto?

Dra. Pilar Virgil: O principal distúrbio ocorrido com o aborto é o que acontece com essa pessoa, porque o aborto tem vítimas. Então as consequências já conhecemos e são muitíssimas, por isso, é muito comum o desenvolvimento de certos transtornos. Porém, eu queria ir além: porque o que me importa são as consequências dos meus atos ou importa o que faço? (veja: as consequências do aborto na vida de uma mulher)

Destrave: Por que as mulheres chegam a ponto de pensar e praticar um aborto?

Dra. Pilar Virgil: Esta pergunta é fundamental: “Por que uma mulher quer fazer isso?”.

“É muito estranho encontrar uma mulher que deseja o aborto. A mulher deseja a vida”, alerta Dra. Pilar.

O que acontece com esta mulher? A mulher está só e muitas vezes não tem ninguém que a acompanhe. E diante dessa solidão tem temor. Do que tem medo? Milhares de mulheres nos têm dito ter medo de não ter onde viver, temor de não poder terminar seus estudos e de perder seu trabalho.

Portanto, esta é uma tarefa de todos. Que nós, diante desta mulher que está grávida e com medo, nos preocupemos com ela, acolhendo-a e dando-lhe um lugar onde dormir. Pais, permitam que elas continuem em sua casa e que elas continuem estudando.

É preciso dizer para esta mulher que a criança não vai competir com os seus ideais de vida. Por isso eu queria fazer um pedido: quando uma mulher se vê diante da dúvida se aborta ou não ela nunca vai querer matar, pois a mulher deseja a vida. Que ajudemos estas mulheres a seguir com a sua vida lhe dando onde morar, um lugar para trabalhar e seguir estudando. Eu creio que, com esta maneira de acolher, poucas mulheres optariam por essa situação [aborto].

Assista, na íntegra, a entrevista com Dra. Pilar Virgil.

__________________________________________________________________________________
*Pilar Virgil: Possui estudos de pós-doutorado no Instituto de Medicina Reprodutiva e Endocrinologia (Texas, EUA) e no Hospital da Mulher Real (Melbourne, Austrália). É professora da Faculdade de Ciências Biológicas da PUC do Chile, palestrante em mais de 20 países, nos cinco continentes, para conferências e cursos de ensino de pós-graduação. Hoje é Diretora Internacional de Educação e afetividade do Programa Adolescente e Sexualidade e membro da Pontifícia Academia para a Vida, do Vaticano. É autora de mais de cem publicações científicas e livros de fertilidade dos casais. Recebeu os prêmios “AG Medical College” e “Ciência e Tecnologia” Editorial Los Andes. Nos últimos 10 anos, foi escolhida pela imprensa entre as 100 mulheres líderes do Chile.

Veja artigos sobre sexualidade

Você, a castidade e o mundo pornográfico

O valor da espera

Eterno ou erótico: o que sacia

0 comentários:

Postar um comentário