14 de jan de 2012

Por que usar Batina? Veja o pensamento de dois sacerdotes e tirem suas conclusões.

Assista os videos e tirem sua conclusões, existem dois tipos de pensamentos, o pensamento da Igreja Católica com o seu magistério, e o pensamento modernista que destroem a identidade da igreja e afasta a sagrada tradição dos fieis fazendo que o próprio pensamento prevaleça sobre o que a Igreja , o magistério ou que o papa diz.

Pensamento Modernista.



Pensamento da Igreja



9 comentários:

  1. "É urgente recuperar a consciência que impele aos sacerdotes a estarem presentes, identificáveis e reconhecíveis, tanto pela sua fé, pelas virtudes pessoais como pelos hábitos, cultura e caridade que foi sempre o centro da missão da Igreja ".

    Bento XVI

    ResponderExcluir
  2. Meus irmãos,

    Ora basta olhar para as duas imagens para preceber a gritante diferença entre um verdadeiro sacerdote e um que usa do "emprego" como trampolim para o sucesso. Se os vissemos andando na rua a qual pediriamos a benção? Ao Padre de batina ou ao sex simbol com camisa gola italiana, cabelo no gel, calça cantor sertanejo, ...? Ora esse dito "padre" chegou a declarar que sua congregação foi quem o liberou do uso da batina, por isso não a usa, pois é uma questão de coerência. Coerência? Coerente seria ele ficar calado e não falar tanta ..., se dar o respeito devido a sua vocação, se é que realmente a tem.

    Concordo com o que citou Vinícius e acressento mais, essa conciência a ser recuperada pode ser insentivada por nós, leigos. Temos o direito e o dever de cobrar nossos Bispos por uma posição mais enérgica com relação as vestimentas de nossos Padres, pois ninguém mais sabe quem é quem, nem o cleriman querem usar. Quem nunca ouviu alguém falar: "E ele é padre? Nossa, nem parece." Isso é mais comum do que podemos imaginar.

    Oremos por nossos Padres, mas também não fiquemos calados diante de tanta incoerência.

    Paz e bem a todos.

    ResponderExcluir
  3. As palavras do Padre Fábio de Melo sao muitos sensatas, eu nao gosto que a igreja compare sacerdotes e chame-los de modernista que destroem a identidade da igreja, isso nao é uma atitude de catolico, isso tambem é provocar divisao dentro da nossa igreja...vergonhoso este topico...

    ResponderExcluir
  4. Caro Geo-Márcio,

    Não é cisma ou provocação, é um clamor ao que a nossa Santa Igreja Prega.

    Leia: "- Código de Direito Canônico (1983): Livro II, I Parte, Título III, Capítulo III:
    Cân. 284 Os clérigos usem hábito eclesiástico conveniente, de acordo com as normas dadas pela Conferência dos Bispos e com os legítimos costumes locais.
    Cân. 285 § 1. Os clérigos se abstenham completamente de tudo o que não convém ao seu estado, de acordo com as prescrições do direito particular.
    § 2. Os clérigos evitem tudo o que, embora não inconveniente, é, no entanto, impróprio ao estado clerical."
    *fonte: http://www.derradeirasgracas.com/2.%20Segunda%20P%C3%A1gina/Document%C3%A1rtio%20da%20Igreja/As%20Exel%C3%AAncias%20da%20Batina..htm

    Se você acha que o Pe. Fábio continua sendo sensato.

    E o tópico não é vergonhoso, é um direito e um dever do leigo cobrar quando achar que há abuso ou o não cumprimento do Código de Direito Canônico. Vergonhoso é sermos desinformados, sermos "sensatos", quando o que é ensinado pela Santa Igreja é o oposto. Atitude de católico é guardar e praticar os ensinamentos da Bíblia e da Igreja.

    Veja o que fala o catecismo: "Primeira parte,Segunda secção, Capítulo terceiro, §907. «Os fiéis, segundo a ciência, a competência e a proeminência de que desfrutam, têm o direito e mesmo por vezes o dever, de manifestar aos sagrados pastores a sua opinião acerca das coisas atinentes ao bem da Igreja e de a exporem aos restantes fiéis, salva a integridade da fé e dos costumes, a reverência devida aos pastores, e tendo em conta a utilidade comum e a dignidade das pessoas» (452)."

    Fonte:
    http://www.vatican.va/archive/cathechism_po/index_new/p1s2cap3_683-1065_po.html

    Mas certamente se for do teu interesse.

    Paz e bem.

    ResponderExcluir
  5. tanta coisa pra se preocupar vai ser preocupar com o modo como o padre se veste fora da celebração...a igreja tem que se unir e se o padre se veste assim outros tantos vestem batina...não tem como a igreja perder a identidade por causa de uma bobagem dessas.

    ResponderExcluir
  6. Sheyla,

    Ai é que você se engana, isso tem que ser uma das preocupações dos fieis, não é bobagem e tira e muito a identidade da igreja. Como você hoje identifica um padre, somente na hora da celebração da missa, fora esse momento não há como identificar. Não se deixe levar tambem por modismos e relativismos.

    Paz e bem.

    ResponderExcluir
  7. Acho que vc's, deste portal precisam ler o Espírito e a Letra de Santo Agostinho. Em suma, o santo filósofo ressalta que a ação do crente se torna autenticamente cristã quando age não pelo cumprimento do lei, mas pela caridade. O cumprimento da lei pode ser interesseiro, esperar algo em troca, ser motivado pelo medo e "n" coisas. Ao passo que o cristão é reconhecido pela caridade, ou seja é movido pela graça e pela liberdade.

    Não temos que verificar a todo momento os canones da lei, como faziam os fariseus. Não que tenhamos que ignorá-los, mas Jesus deixou bem claro a distinção entre sua proposta religiosa e a dos fariseus. Estes precisavam consultar a lei pra tudo; Jesus era livre, mesmo pra "trabalhar" no sábado.

    E a batina? Admiro o padre que usa, não por imposição ou dever, mas por opção, por uma motivação que vem de dentro pra fora, vem do espírito e do Espírito.

    Eu gostaria que todos usassem, mas reconheço que o hábito não faz o monge. Ou seja, existem muitos outros elementos, mais relevantes, que estão no interior, para a identificação do sacerdote. Concordo com quem crítica o post. Eu faria um post enfatizando as vantagens do uso da batina, mas não faria um post rotulando uns e outros desta forma.

    Galera, pobreza de espírito e de pensamento! Sempre querendo ver ciscos nos olhos dos outros. Senhor, só Tú tens palavras de vida eterna... E como elas são atuais!

    ResponderExcluir
  8. Eliton,

    Então a Igreja Católica, que doutorou Santo Agostinho, deve ser muito pobre de espírito e de pensamento, afinal, foi ela quem MANDOU, através do Código de Direito Canônico, que os padres usassem batina e/ou clergyman.

    Talvez ela tenha que te dar ouvidos, apesar dos dois mil anos de Tradição ou Magistério...

    ResponderExcluir
  9. Eliton,

    Não como os fariseus que observavam a lei com perfeição, mas a usavam em benefício próprio:
    "São Mateus, 23
    3. Observai e fazei tudo o que eles dizem, mas não façais como eles, pois dizem e não fazem.
    4. Atam fardos pesados e esmagadores e com eles sobrecarregam os ombros dos homens, mas não querem movê-los sequer com o dedo.
    5. Fazem todas as suas ações para serem vistos pelos homens, por isso trazem largas faixas e longas franjas nos seus mantos.
    6. Gostam dos primeiros lugares nos banquetes e das primeiras cadeiras nas sinagogas.
    7. Gostam de ser saudados nas praças públicas e de ser chamados rabi pelos homens."

    Sim como Jesus que disse: "São Mateus 5,

    17. Não julgueis que vim abolir a lei ou os profetas. Não vim para os abolir, mas sim para levá-los à perfeição."

    Contrariando o que disse sobre Ele ser livre, não era, Ele observava a lei de Seu povo mais do que nimguém, pois são as leis de Deus e o que ele tambem observava era a aplicação errônea dela.
    O que não é o caso aqui. Estamos cobrando o que de errado está acontecendo, estamos cobrando os costumes da Santa Igreja, que, devido ao relativismo, está sendo esquecido e posto de lado pela maioria dos Padres, pois usar batina ou cleriman é "relativo", está fora de moda.
    Diga-me você, qual a diferença entre o Padre citado aqui nesse post e um pastor protestante? Olha que não são somente as roupas que dizem isso, o seu discurso tambem. Não é somente ele, há muitos mais pelo mundo, mas esse é notório, esse dá o exemplo errado, que usasse ao menos o cleriman, mas prefere se apresentar como artista a se apresentar como o que realmente é, um Sacerdote Católico.

    Não estamos querendo ver ciscos nos olhos de nimguem, muito menos rotulando uns e outros, ele fez isso sozinho quando usou de sua "coerência". Você há de concordar que eles tem que dar exemplo e infelizmente não dão. São nossos pastores, mas não agem como se fossem. Parecem estar em uma cruzada particular esquecendo do seu rebanho. Ser Padre não é trabalho, onde ao terminar o turno tira a farda e vai para casa, é vocação, é a caridade, a pobreza de espirito, que você citou. Pense bem.

    Paz e bem.

    ResponderExcluir