21 de jun de 2012

Com a oração contemplamos o plano de amor de Deus para os homens, afirma o Papa.




Durante a Audiência Geral desta quarta-feira, o Papa Bento XVI convidou os fiéis a praticarem a oração constante porque com ela nos abrimos à contemplação do grande mistério que é o plano de amor de Deus para a história humana e de cada pessoa.
Diante de cerca de 8.000 peregrinos reunidos na Sala Paulo VI, o Papa refletiu sobre o primeiro capítulo da Carta de São Paulo aos Efésios e "que começa com uma oração, que é um hino de bênção, uma expressão de gratidão e alegria".
Nesse sentido, o Papa indicou que é normal que o ser humano reze para pedir a ajuda de Deus. Para isso, assinalou, o Senhor nos ensinou o Pai Nosso com o qual nos mostra "as prioridades da nossa oração, limpa e purifica os nossos desejos e, assim, limpa e purifica o nosso coração.".
"Assim, por si mesmo, é normal que na oração peçamos alguma coisa, mas não deveria ser exclusivamente assim. Existe ainda motivo de agradecimento e devemos ser um pouco atentos para ver que de Deus recebemos tantas coisas boas: é tão bom para conosco que é conveniente, é necessário, dizer obrigado. E deve ser também uma oração de louvor", expressou.
Nesse sentido, em sua carta aos Efésios, São Paulo ‘bendiz Deus, Pai de Nosso Senhor Jesus Cristo, porque Nele nos fez “conhecer o mistério de sua bondade’.
"“O mistério de sua vontade”. “Mysterion”, “Mistério”: um termo mencionado muitas vezes na Sagrada Escritura e na Liturgia. Não gostaria agora de abordar a filosofia, mas a linguagem comum indicada quando não se pode conhecer, uma realidade que não podemos afirmar com nossa própria inteligência", indicou o Papa.
“O hino que abre a Carta aos Efésios nos conduz pela mão em direção a um significado mais profundo deste termo da realidade que nos indica. Para os crentes, “mistério” não é tanto o desconhecido, mas antes a vontade misericordiosa de Deus, o seu designo de amor que em Jesus Cristo foi revelado plenamente e nos oferece a possibilidade de, “com todos os cristãos, compreender qual seja a largura, o comprimento, a altura e a profundidade, isto é, conhecer a caridade de Cristo” (Ef 3,18-19)”.
«O “mistério desconhecido” de Deus é revelado, ele é que Deus nos ama e nos ama desde o início da eternidade», destacou Bento XVI.
O Papa indicou que “o apóstolo agradece e louva, mas reflete também sobre os motivos que impulsionam o homem a este louvor, a este agradecimento, apresentando os elementos fundamentais do plano divino e suas etapas".
"Antes de tudo, devemos bendizer Deus Pai, porque – assim escreve São Paulo – Ele “nos acolheu nele antes da criação do mundo para sermos santos e irrepreensíveis, diante de seus olhos”".
"São Paulo continua: Deus nos predestinou, nos elegeu para sermos “adotados como filhos seus por Jesus Cristo”, a sermos incorporados em seu Filho Unigênito. O apóstolo destaca a gratuidade deste maravilhoso desígnio de Deus sobre a humanidade. Deus nos escolhe não porque somos bons, mas porque Ele é bom", acrescentou.
Nesse sentido, o Papa explicou que "no cento da oração de benção, o Apóstolo explica o modo em que se realiza o plano de salvação do Pai em Cristo, em seu Filho amado. Escreve: “pelo seu sangue, temos a Redenção, a remissão dos pecados segundo as riquezas de sua graça”. O sacrifício da cruz de Cristo é o evento único e irrepetível no qual o Pai mostrou de modo luminoso o seu amor por nós, não somente com palavras, mas de modo concreto", indicou.
"São Paulo convida a considerar o quanto é profundo o amor de Deus que transforma a história, que transformou sua própria vida, deixando de ser perseguidor de cristãos para ser Apóstolo incansável do Evangelho. Repitamos ainda mais uma vez as palavras tranquilizadoras da Carta aos Romanos: “Se Deus é por nós, quem será contra nós?"”, animou o Papa.
Ao final de sua catequese, o Santo Padre disse que São Paulo fecha a bênção divina com uma referência ao Espírito Santo "que foi derramado em nossos corações”; o Paráclito – diz Paulo – “é o penhor da nossa herança, enquanto esperamos a completa redenção daqueles que Deus adquiriu para o louvor da sua glória".
Bento XVI explicou: "A redenção ainda não foi concluída – o sabemos –, mas terá seu pleno cumprimento quando aqueles que Deus adquiriu forem totalmente salvos".
"Devemos aceitar que o caminho da redenção é também um caminho nosso, porque Deus quer criaturas livres, que digam livremente ‘sim’; mas é, sobretudo e primeiramente, um caminho Seu. Estamos em Suas mãos e agora é nossa liberdade andar sobre a estrada aberta por Ele”.
“Andemos sobre esta estrada da redenção, juntos a Cristo e sintamos que a redenção se realizará", afirmou.
Fazendo um resumo, o Papa disse que a visão apresentada por São Paulo "nesta grande oração de benção nos conduziu a contemplar a ação das três Pessoas da Trindade: o Pai, que nos escolheu antes da criação do mundo, pensou em nós e nos criou; o Filho, que nos redimiu com o seu sangue, e o Espírito Santo, penhor de nossa redenção e glória futura".
"Na oração constante, no relacionamento cotidiano com Deus, aprendemos também nós, como São Paulo, a ver cada vez mais claramente os sinais deste projeto e desta ação: na beleza do Criador que tudo criou (cfr Ef 3,9), como canta São Francisco de Assis: “Louvado sejas, meu Senhor, com todas as Tuas criaturas", afirmou.

VATICANO, 20 Jun. 12 / 05:22 pm (ACI/EWTN Noticias)

0 comentários:

Postar um comentário