29 de jun de 2012

Grande solenidade na celebração romana de São Pedro e São Paulo



Máxima solenidade na celebração de São Pedro e São Paulo, neste 29 de junho, de manhã, na basílica do Vaticano. Foi ainda antes da Missa propriamente dita que Bento XVI entregou o pálio, símbolo da honra e autoridade dos metropolitas, a 43 arcebispos nomeados nos últimos doze meses, incluindo um angolano, D. Benedito Roberto, de Malanje. Momento prévio, mas prolongado, pois o Papa deteve-se com cada um deles, num breve colóquio. A dimensão ecuménica desta celebração, desde sempre marcada pela presença de uma delegação do Patriarcado de Constantinopla, contou também, desta vez, com a participação do Coro da Abadia de Westminster, em Londres, que cantou lado a lado com a Capela Sistina.
Na homilia, Bento XVI começou por sublinhar o especial significado que assume o facto de a Igreja de Roma desde sempre associar numa única festa a memória dos dois Apóstolos, Pedro e Paulo, verdadeiras “colunas da Igreja”, “inseparáveis”, até porque “representam, juntos, todo o Evangelho de Cristo”. “Pedro e Paulo, apesar de humanamente bastante diferentes, e não obstante os conflitos que não faltaram no seu mútuo relacionamento, realizaram um modo novo e autenticamente evangélico de ser irmãos, tornado possível precisamente pela graça do Evangelho que neles operava. Só o seguimento de Cristo conduz a uma nova fraternidade.”            “Esta é, para cada um de nós, a primeira e fundamental mensagem da solenidade de hoje, cuja importância se reflete também na busca da plena comunhão, à qual anelam o Patriarca Ecuménico e o Bispo de Roma, bem como todos os cristãos” – sublinhou ainda o Papa.
Comentando o Evangelho desta celebração – episódio conhecido como a “entrega das chaves” a São Pedro, depois da confissão de fé da parte deste, que proclama Jesus como o Filho do Deus vivo, o Papa observou o facto de, logo depois, o Senhor ter anunciado a sua paixão, suscitando a reação negativa do Apóstolo e a dura réplica de Jesus… “O discípulo que, que, por dom de Deus, se pode tornar numa rocha firme (observou Bento XVI), surge aqui como ele é na sua fraqueza humana: uma pedra no caminho, uma pedra onde se pode tropeçar (em grego, skandalon). Por aqui, se vê claramente a tensão que existe entre o dom que provém do Senhor e as capacidades humanas”. Nesta cena de Jesus com Simão Pedro – sublinhou o Papa - aparece de alguma forma antecipado o drama da história do próprio Papado…
“o drama da história do próprio papado, caracterizada precisamente pela presença conjunta destes dois elementos: graças à luz e força que provêm do Alto, o Papado constitui o fundamento da Igreja peregrina no tempo, mas, ao longo dos séculos assoma também a fraqueza dos homens, que só a abertura à acção de Deus pode transformar.”
Na parte final da homilia, Bento XVI deteve-se sobre o símbolo das chaves e a expressão correspondente “ligar e desligar”, cujo significado converge e se reforça reciprocamente: “é claro que a autoridade de «desligar e ligar» consiste no poder de perdoar os pecados. E esta graça, que despoja da sua energia as forças do caos e do mal, está no coração do ministério da Igreja. Esta não é uma comunidade de seres perfeitos, mas de pecadores que se devem reconhecer necessitados do amor de Deus, necessitados de ser purificados através da Cruz de Jesus Cristo”. “Os ditos de Jesus sobre a autoridade de Pedro e dos Apóstolos deixam transparecer precisamente que o poder de Deus é o amor: o amor que irradia a sua luz a partir do Calvário” – insistiu o Papa.
Ao meio-dia, como habitualmente nos domingos e dias santos, Bento XVI assomou à janela dos seus aposentos sobre a praça de são Pedro para saudar os fiéis e turistas ali congregados. O Papa recordou, naturalmente, os dois padroeiros de Roma: “Roma tem inscritos na sua história os sinais da vida e da morte gloriosa do humilde Pescador da Galileia e do Apóstolos dos gentios, que justamente escolheu como Protetores. Fazendo memória do seu luminoso testemunho, recordamos os venerandos inícios da Igreja que em Roma crê, reza e anuncia Cristo Redentor.”
O Papa evocou a entrega, nesta manhã, aos novos arcebispos do símbolo da sua responsabilidade…   “Um rito sempre eloquente, que sublinha a íntima comunhão dos Pastores com o Sucessor de Pedro e o elo profundo que os liga à tradição apostólica. Trata-se de um duplo tesouro de santidade, em que se fundem conjuntamente a unidade e a catolicidade da Igreja: um tesouro precioso que há que redescobrir e viver com renovado entusiasmo e empenho constante”.
Não faltou uma saudação especial à delegação do Patriarcado de Constantinopla, vinda como todos os anos a tomar parte nas celebrações deste dia. “Que a Virgem Santa conduza todos os crentes em Cristo à meta da plena unidade”.
De entre as saudações aos diversos grupos linguísticos presentes, Bento XVI não esqueceu os lusófonos:
“Uma saudação especial para os Arcebispos do Brasil e de Angola que acabaram de receber o pálio e também para os familiares e amigos que os acompanham: À Virgem Maria confio vossas vidas, famílias e dioceses, para todos implorando o dom do amor e da unidade sobre a rocha de Pedro”.

Fonte: Rádio Vaticano

0 comentários:

Postar um comentário