2 de jun de 2012

“Moscou não é Sodoma”: cristãos ortodoxos interrompem manifestação ilegal de orgulho gay em frente da prefeitura


MOSCOU, Rússia, 30 de maio de 2012 (LifeSiteNews.com) — Cristãos ortodoxos bloquearam uma tentativa de homossexuais fazerem uma manifestação no domingo do lado de fora da prefeitura de Moscou em resposta à continua recusa da cidade de permitir uma parada gay dentro de sua jurisdição.
Chamando o evento de “Orgulho Gay 2012”, apesar da proibição, os manifestantes seguravam bandeiras e cartazes do arco-íris, e fizeram declarações aos meios de comunicação. Pelo menos um deles estava usando um símbolo de bruxaria no pescoço.
De acordo com vídeo postado no YouTube por apoiadores da parada, ativistas ortodoxos interromperam o evento arrancando os cartazes dos manifestantes, e até espirrando água benta neles. Alguns lutaram corpo a corpo com os manifestantes e tentaram golpeá-los, embora não tivesse havido nenhum registro de ferimentos. A polícia de Moscou apareceu em seguida prendendo os manifestantes homossexuais, ainda que alguns ortodoxos também tenham sido presos.
O ativista pró-família Dmitry Tsarionov disse aos jornalistas: “Não permitirei que pervertidos tragam a ira de Deus sobre nossa cidade”, e acrescentou: “Quero que nossos filhos vivam num país onde um pecado que de modo tão pavoroso distorce a natureza humana não seja pregado nas escolas”, de acordo com a Associated Press. Ele segurava um cartaz que dizia: “Moscou não é Sodoma”.
O líder homossexual Nikolai Alexeyev foi um dos que foram presos, afirmando que a Rússia é um “Estado totalitário” porque recusou permitir que ele falasse com os jornalistas durante a manifestação.
A prisão de Alexeyev na manifestação ocorreu depois de outra prisão em abril em São Petersburgo, onde ele violou a lei que proíbe expor menores de idade à propaganda homossexual segurando um cartaz numa rua pública que dizia “A homossexualidade não é uma perversão”.
Recentes pesquisas de opinião pública indicam que a maioria dos russos concorda fortemente com a oposição do governo à agenda política homossexual.
Uma pesquisa nacional de opinião pública conduzida pelo instituto estatal de opinião pública VTsIOM em abril mostrou que 86 por cento dos 1.600 entrevistados na nação inteira disseram que apoiam leis proibindo a promoção de relações homossexuais. Uma pesquisa de opinião pública de 2010 revelou que 74 por cento dos russos disseram que os homossexuais são “moralmente depravados ou aleijados” e acreditam que a homossexualidade é “uma perversão mental amoral”.
Embora a sodomia tivesse sido legalizada em 1993 na Rússia, as prefeituras têm adotado medidas para impedir os homossexuais de defender seu estilo de vida em público, proibindo as “paradas gays” e aprovando leis contra as propagandas pró-homossexualismo na presença de menores de idade.
Os legisladores em nível nacional estão se preparando para debater um projeto de lei que criminalizará tal propaganda em toda a Rússia.
 

Referendo na Eslovênia repele “casamento” homossexual.


Apesar ter a fama de ser o país mais liberal do Leste europeu, a Eslovênia recusou o “casamento” homossexual em referendo nacional, informou o Iona Institute for Religion and Society.

55,1% dos eleitores recusaram um novo Código da Família que diminuía a importância da maternidade e da paternidade, enquanto 44,9% o aprovaram.

Esse Código da Família permitiria o “casamento” homossexual e a adoção de crianças pelos casais quando estas fossem filhos naturais de algum dos parceiros.

Uma lei aprovando esse Código foi votada em 2009, mas em junho de 2011 houve uma campanha lançada pelo movimento Iniciativa Civil, defensor dos direitos das crianças, o qual coletou 42.000 assinaturas em favor do referendo.

Nossa Senhora Auxílio dos Cristãos, catedral de Ljubljana
Nossa Senhora Auxílio dos Cristãos, catedral de Ljubljana
As sondagens de opinião não cansaram de anunciar que a iniciativa pró-vida iria fracassar e que o iníquo Código teria um apoio na ordem do 60%, além de predizerem grande abstenção e desinteresse pela “retrógrada” consulta.

De fato, a abstenção foi do 29,7%, muito menor que a anunciada, evidenciando o interesse popular e a representatividade do voto.

O presidente da Eslovênia, Danilo Turk, a maioria dos partidos políticos e da grande mídia se pronunciaram maciçamente contra a consulta popular. A família foi defendida especialmente por grupos religiosos.

Pela lei, o projeto não pode retornar ao Parlamento nos próximos 12 meses.

Porém, a obstinação quase religiosa dos inimigos da família e da vida faz temer que, valendo-se de outros subterfúgiois, eles voltem à carga na sua ofensiva.
 

0 comentários:

Postar um comentário