15 de out de 2012

O Papa: O fogo de Cristo dá luz e calor à Igreja que navega em meio de tempestades


Vaticano, 12 Out. 12 / 12:44 pm (ACI/EWTN Noticias).- O Papa Bento XVI disse na noite de ontem ao sair do balcão do seu estudio em frente à praça de São Pedro que o fogo de Cristo, que hoje vive, não é um fogo destruidor, mas uma chama que dá luz e calor, que transforma a Igreja que navega "em meio de tempestades".

Assim assinalou o Santo Padre aos numerosos participantes da procissão de tochas organizada pela Ação Católica Italiana, em colaboração com a diocese de Roma, por motivo da abertura do Ano da Fé e do 50º aniversário do início do Concílio Vaticano II.

"Boa noite a todos e obrigado por ter vindo. Há cinqüenta anos, neste mesmo dia, eu também estava nesta praça, olhando a esta janela na que apareceu o Papa bondoso, o Beato João XXIII, que pronunciou palavras inesquecíveis, palavras cheias de poesia, de bondade, palavras que saíam do coração", saudou o Santo Padre.

Bento XVI recordou logo que "fomos felizes e estávamos cheios de entusiasmo. O grande Concílio ecumênico havia sido inaugurado; estávamos seguros de que chegava uma primavera para a Igreja, um novo Pentecostes, com uma presença nova e forte da graça libertadora do Evangelho".

"Hoje também somos felizes, temos a alegria em nosso coração, mas poderíamos dizer que é uma alegria, possivelmente, mais sóbria, uma alegria humilde. Nestes cinqüenta anos aprendemos e experimentamos que o pecado original existe e se traduz, sempre de novo, em pecados pessoais, que podem transformar-se em estruturas do pecado".

O Papa reconheceu logo que "vimos que no campo do Senhor também há sempre joio. Vimos que na rede de Pedro também há peixes podres".

"Vimos que a fragilidade humana também está presente na Igreja, que a barca da Igreja também navega com ventos contrários, em meio de tempestades que a espreitam e, às vezes, pensamos: ‘o Senhor dorme e se esqueceu de nós’".

"Esta é uma parte das experiências destes cinqüenta anos, mas também tivemos uma experiência nova da presença do Senhor, de sua bondade, de sua força. O fogo do Espírito Santo, o fogo de Cristo não é um fogo devorador ou destruidor; é um fogo silencioso, é uma pequena chama de bondade e verdade que transforma, que dá luz e calor".

O Santo Padre expressou também que "o Senhor não se esquece de nós. Hoje também, à sua maneira, de forma humilde, o Senhor está presente e esquenta os corações, mostra vida, cria carismas de bondade e de caridade que iluminam o mundo e são para nós garantia da bondade de Deus".

"Sim, Cristo vive, está conosco também hoje, e podemos ser felizes também agora porque sua bondade não se apaga. Hoje ele também é forte!".

"Ao final, atrevo-me a fazer minhas as palavras inesquecíveis do papa João: ‘Vão às suas casas, dêem um beijo nas crianças e digam que é um beijo do Papa’", concluiu.

0 comentários:

Postar um comentário