12 de nov de 2010

Artigo do Padre Raymond: Vamos falar francamente dos que querem nos matar.



Sua ira sobre suas cabeças
O sangue de Bagdá grita aos céus e à terra
.


Houve uma orgia de violência no Iraque nesta semana, os terroristas desencadearam uma série ataques de bombas, matando mais de 100 pessoas. Mas o que aconteceu no último domingo foi tão absolutamente horrível que merece especial e completa condenação, apoiado em força letal, se necessário.


No domingo, um grupo terrorista afiliado da al-Qaeda invadiu a catedral da Igreja Católica Siríaca, Nossa Senhora do Livramento, durante a missa à noite, matando imediatamente o sacerdote que oferecia a Santa Missa – três sacerdotes ao todo foram assassinados.


Eles começaram a atirar nos membros da congregação, e prendendo outros reféns que se refugiaram em uma sala trancada. Quando as forças de segurança invadiram a igreja, os jihadistas mataram quantos podiam, e alguns deles detonaram as bombas suicidas em seus cintos.


Cerca de 60 católicos foram mortos. Em sua catedral. Durante a Missa. Cristãos são mortos em oração por fanáticos muçulmanos.


Existem cristãos no Iraque desde os primeiros séculos, muito antes de existir um Iraque ou, pode-se notar, antes mesmo do Islã. Jihadistas lançaram uma campanha com intenção genocida, que visa expulsar todos os últimos cristãos a partir do que eles consideram ser uma terra islâmica. Agora está claro que o único lugar que os jihadistas deixaram para cristãos no Iraque é a sepultura.

O arcebispo católico foi morto. Os sacerdotes foram crivados de balas ao sair de suas igrejas. Cristãos comuns, tentando viver uma vida tranquila, tem sido alvo de perseguição, ameaças e violência. O Iraque na sequência da invasão norte-americana tem sido particularmente perigoso, mas a violência anticristã se estende por todo o mundo islâmico.


“Os cristãos são assassinados no Iraque, em suas casas e igrejas, e o chamado mundo ‘livre’ está prestando atenção com completa indiferença, interessado apenas em responder de uma forma que é politicamente correta e economicamente oportuna, mas na realidade é hipocrisia”, disse o patriarca católico sírio Ignace Joseph III Younan depois destas últimas matanças.


De fato, a comunidade internacional emitiu as condenações no clichê habitual, a maioria deles se recusam a identificar os responsáveis. Na Igreja, também, muitas vezes há uma certa relutância em apoiar vigorosamente os cristãos sob ataque, e chamar as coisas pelo nome.


“Como no passado e ainda hoje existente, alguns desequilíbrios estão presentes em nossas relações,” é a declaração final da recente Vaticano Sínodo dos Bispos sobre o Médio Oriente caracterizou as relações entre cristãos e muçulmanos. Desequilíbrios? Tal como no desequilíbrio entre os jihadistas jogando granadas e explodindo famílias católicas?


O sangue sobre o altar torna claro. Nem mesmo uma boa quantidade de sangue, nem mesmo uma boa quantidade de diálogo, nem mesmo uma boa quantidade de evasões e circunlóquios, nem mesmo uma boa quantidade de prostrações – nada vai dissuadir os jihadistas. Então, não vamos renunciar a nós mesmos sobre os cadáveres dos nossos irmãos caídos em Cristo.

Vamos falar francamente dos que querem nos matar.
Allahu Akbar – Deus é grande! Assim, os católicos no domingo ouviram a mensagem dos jihadistas durante o massacre na igreja. Pode haver algo maior do que o sacrilégio de matar inocentes em oração, enquanto gritava que Deus é grande?


Os jihadistas não respeitam nem o homem, nem Deus, nem mesmo seus próprios. Eles matam os seus irmãos muçulmanos e mesquitas são bombardeadas. Cristãos foram mortos no domingo assim como os iraquianos, os árabes, os seus concidadãos, os seus vizinhos. Eles matam, porque eles estão tomados por um ódio assassino. O mínimo que podemos fazer é convocar uma justa raiva em troca.

O cristão sempre espera para a conversão e oferece o perdão. Também deve haver justiça e prudência e a prudência exige que aqueles que matam em nome de Deus são os que mais rapidamente são despachados para o seu julgamento.


A vingança é minha, diz o Senhor. Assim, a Escritura ensina-nos, e por isso deve assim para nós, deixando a vingança para o Senhor, e implorar a graça da conversão e da reconciliação. Mas não vamos deixar de levantar nossas vozes ao Senhor, com a justa raiva e quentes lágrimas, para que possa mandar sua vingança contra aqueles que fizeram isso, trazer a Sua ira sobre suas cabeças e aplicar sobre eles uma terrível justiça na medida certa.


Essa não é a língua dos desequilíbrios, é a angústia e a agonia do pastor quando o rebanho está sendo abatido.

Fonte: http://fratresinunum.com/


0 comentários:

Postar um comentário