25 de nov de 2010

O Rio de Janeiro em Guerra Civil. Rezemos!

Amados,

Estamos vivendo momentos caóticos. Já podemos declarar que estamos em Guerra Civil. O nosso presidente, em 2009, condenou e prometeu limpar esta "sujeira" do Rio de Janeiro. Mas, como bem sabemos, Lula é demagogo. A sujeirada prossegue e cada vez pior.

Em primeiro lugar, precisamos rezar e muito pelo Rio de Janeiro. Uma cidade histórica e que tem vivido há muitos anos uma violência sem igual. Temos que rezar, também, pedindo que Deus proteja os inocentes, principalmente as crianças, que tanto sofrem com o tráfico, seja por entrarem cedo neste caminho, seja por sofrerem indiretamente. Rezemos a São Sebastião do Rio de Janeiro para que todos os que são vítimas sejam socorridos por Deus, Nosso Senhor. Clamemos, também, que a mão de Deus pese sobre os que merecem. Por fim, peçamos a conversão de todos os pecadores, bem como pelas vidas que já foram ceifadas, que suas almas tenham agora a Pátria Eterna.

Abro um parêntese para este caso: sou completamente A FAVOR da Pena de Morte. E isso não é um silogismo apenas. Segundo o Magistério da Igreja:

* É lícito tirar a vida do próximo: durante o combate em guerra justa; quando se executa por ordem da autoridade suprema a condenação à morte em castigo de algum crime; e finalmente quando se trata de necessária e legítima defesa da vida, no momento de uma injusta agressão. (Catecismo de São Pio X, 413)

* A legítima defesa pode ser não somente um direito, mas até um grave dever para aquele que é responsável pela vida de outrem. Defender o bem comum implica colocar o agressor injusto na impossibilidade de fazer mal. É por esta razão que os detentores legítimos da autoridade têm o direito de recorrer mesmo às armas para repelir os agressores da comunidade civil confiada à sua responsabilidade. CIC 2265.

O esforço do Estado em reprimir a difusão de comportamentos que lesam os direitos humanos e as regras fundamentais da convivência civil, corresponde a uma exigência de preservar o bem comum. É direito e dever da autoridade pública legítima infligir penas proporcionadas à gravidade do delito. A pena tem como primeiro objetivo reparar a desordem introduzida pela culpa. Quando esta pena é voluntariamente aceite pelo culpado, adquire valor de expiação. A pena tem ainda como objetivo, para além da defesa da ordem pública e da proteção da segurança das pessoas, uma finalidade medicinal, posto que deve, na medida do possível, contribuir para a emenda do culpado. CIC 2266.

* A doutrina tradicional da Igreja, desde que não haja a mínima dúvida acerca da identidade e da responsabilidade do culpado, não exclui o recurso à pena de morte, se for esta a única solução possível para defender eficazmente vidas humanas de um injusto agressor. CIC 2267.

Quero destacar esta frase: se for esta a única solução possível para defender eficazmente vidas humanas de um injusto agressor. Nota-se, neste sentido, que a Igreja NÃO É favorável à morte de todos os bandidos. Se assim o fosse, o "Bom Ladrão" não haveria sentido. Aliás, esta passagem mostra tanto a oportunidade que qualquer pecador tem de se arrepender, quanto a Deus em perdoar. A Igreja só é favorável à Pena de Morte quando esta medida for a única solução possível para defender com eficácia os inocentes e as vítimas.

Existem dois fatores para a negação da Pena de Morte:

- Naturalismo: todo homem é bom e o que o tornou mau foi a sociedade;

- Materialismo: não importa se ele pode EXPIAR os pecados e morrer e ir para o Céu, mesmo que seja condenado à morte (pois isso pode acontecer, vide Santa Teresinha e o homem que foi condenado à morte). Mas que ele tenha AQUI uma vida digna.


Ora, ora, ambas doutrinas são inválidas e condenadas pela Igreja. Uma pessoa pode ser salva, ainda que seja condenada à morte. E assim diz o Catecismo, citado acima e aqui novamente: A pena tem como primeiro objectivo reparar a desordem introduzida pela culpa. Quando esta pena é voluntariamente aceite pelo culpado, adquire valor de expiação. Ou seja, se uma vez condenado, a pessoa pode arrepender-se e salvar-se. A vida não termina com a morte do Corpo.

Assisti a um filme, chamado A verdadeira história de David Gale. Em suma, o tema em discussão no filme é a Pena de Morte no Texas, estado onde mais se aplica este recurso. David encabeça uma ONG que milita contra a Pena. Vale muito assistir para observar os preceitos citados acima (Naturalismo e Materialismo).

Indico também a leitura do livro Pena de morte já do Pe. Emílio de Castro Silva, para compreender exatamente qual é, de fato, a visão da Igreja sobre este assunto.

Que o Senhor ajude a todos neste momento.

1 comentários:

  1. Acho um absurdo o que está acontecendo no Rio de Janeiro, porem já estava previsto que a situação de lá ficaria ruim,mais como estamos acompanhando pelo noticiario a situçaõ está caotica.Se as autoridades tivesse se preocupado com isso lá no começo,quando os bandidinhos não incomodava a população da classe A,quando os bandidos não saia do morro pra invadir shoppings,bancos,casas de classe alta.
    Não incomodava enquanto quem usada e traficava drogas era apenas os neguinhos da comunidade não tinha problema nenhum.
    Agora temos que ver essa vergonha que aconteçe,quantas crianças envolvidas no trafico? quantas crianças armadas até os dentes?
    Aonde iremos parar?que fim levaremos...
    Pq as autoridades não resolve o problema desde a raiz?
    Falta de educação,emprego,saneamento basico,
    As pessoas não vivem de Bolsa Familia,nem de Bolsa salario!
    Vamos arrancar o mau pela Raiz meu povo.
    Até quando ficaremos sustentando bandido na cadeia?Pq quem sustenta eles éo cidadão que trabalha para pagar seus impostos,ate quando essa PALHAÇADA vai continuar????
    Queremos solução não apenas PROMESSAS.

    ResponderExcluir