20 de dez de 2010

Não é a quantidade, mas a estratégia

[...] pois não é contra homens de carne e sangue que temos de lutar, mas contra os Principados e Potestades, contra os Príncipes deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais do mal espalhadas pelos ares. Efésios 6.

Acabei de assistir ao filme "A batalha dos três reinos". O filme conta a história da China Antiga, no 203 da era cristã. Pressionado pelo 1º ministro, o Rei do Norte envia sua tropa para atacar o Sul e assim governarem toda a China. A vitória já era prevista, haja vista contarem com 800 mil homens, enquanto o sul tinham apenas 50 mil. Porém, o 1º ministro governava conforme sua ambição. Toda a guerra foi motivada pelo seu desejo à mulher do 2º rei do sul. Desejava-a em seu coração não por amor, mas por orgulho. Contudo, o que ele não contava era que a tropa do sul contava com um exímio estrategista. Ele ouvia o vento, sentia as vibrações, observava o céu. Sabia quando e como a Natureza agiria, e aproveitou-se disso para ganhar a batalha.

Olhando este filme e trazendo-o para a nossa realidade espiritual, a estratégia também é um grande meio para vencer o inimigo. De nada adianta a quantidade de orações, jejuns e penitências se nosso foco está desajustado. Precisamos saber que estratégias estamos usando para vencê-lo. Se quero ser casto, devo vigiar sobre minha conduta e usar de todos os modos para não sucumbir. Se devo ser obediente, preciso exercitar a virtude em todas as esferas de minha alma. Em miúdos, a estratégia é um artifício dos inteligentes. Aquele que observa, vê, traça consegue estrategiar. Aquele que age conforme os impulsos do coração, cai em sua própria paixão.

A um cristão, a melhor estratégia é colocar-se ao pés do Senhor, entregando-o tudo o que tem para que o guie. E se assim agir, jamais será pego de surpreso pelo inimigo.

2 comentários:

  1. Ricardo Silva / Araras-sp21 de dezembro de 2010 20:58

    Maravilha, Evelym, sempre tive a visão de que se deve amar a Jesus pelo que Ele é, não pelo que pode me dar, nem mesmo pelos dons nem mesmo até pelo Céu em si, pq daria impressão de querer algo em troca, mas, ama-lO pelo que Ele é, a Pessoa do Senhor, pois amando a Luz é impossivel amar as trevas. Até penso que nada quero, mas que Deus venha querer em mim. A luta é grande, mas em nossa miséria, Jesus nos dará a vitoria sobre esse imenso exercito do mal.
    Louvado seja Deus por Maria.

    ResponderExcluir
  2. Bem que fazes, Ricardo!
    Quem amar a Deus sobre todas as coisas tudo terá;-)

    ResponderExcluir