23 de dez de 2010

Por favor: Não demonizem o Papai Noel

Às vésperas do Natal observo que ainda há grupos que queiram tirar o Papai Noel de cena. Uns alegam que o Bom Velhinho tira a real sacralidade da festa; outros querem retirá-lo por sacralizá-la (vide grupos na Alemanha esta semana). Exageros pautados em puritanismos, preconceitos e falta de entendimento.

É verdade que o comércio aproveitou-se da imagem do Papai Noel para fazer desta época uma oportunidade de lucro. Também se utiliza do Coelhinho da Páscoa para o mesmo fim. Porém, precisamos analisar se realmente estes símbolos são assim tão "maus" que devam ser extintos.


São Nicolau

A ideia do Papai Noel, embora inspirada em S. Nicolau, é uma caricatura da história do santo, um santo tão querido do Ocidente e do Oriente. Reza a história que S. Nicolau era um homem rico, e que três moças da redondeza desejavam casar-se, mas não tinham dinheiro. Ao ouvir os lamúrios que faziam da janela, Nicolau depositou na noite de Natal uma bolsa cheia de moedas de ouro, o que permitiu às moças condições de conseguirem marido. Daí vem a "lenda" de colocarmos o sapatinho na janela. S. Nicolau também é lembrado por ser o protetor das crianças e auxiliador dos pobres.

Contudo, há uma onda de muitos puritanos em que falar do Papai Noel é retirar o verdadeiro sentido do Natal. Nada mais mentiroso. E explico o porquê.

Primeiro que todos sabem que o Natal só existe graças ao nascimento de Cristo, assim como a Páscoa só existe graças à Sua Ressurreição. Mesmo que o comércio fale sobremaneiramente dos símbolos, a essência destas festas sempre será cristã. O aniversariante é Cristo e cabe aos pais explicar sobre este real sentido. Não é o comércio quem estará preocupado com isso, porque são os pais  quem introduzem nos filhos os valores morais e éticos. A escola e a sociedade só trabalhará a partir do que a criança já tem. Não é dever deles ensinar, e sim, da família.

Cabe lembrar também que o Papai Noel é um símbolo cristão que influência a todos. A bondade e a misericórdia estão presentes no Bom Velhinho, principalmente na assistência às crianças carentes que ficam radiantes com os presentes encontrados. Ele também nos lembra a vida abundante que Deus no dá, as alegrias que o Natal nos representa. Ele reflete as características da personalidade cristã. Sem contar que o uso desta imagem pode incitar nas crianças o desejo pela obediência.

Os símbolos sempre se fizeram presentes na fé católica. E o Natal está repleto deles: na guirlanda, na árvore, nos enfeites... Como isto pode ser excluído em nome de falácias que estes símbolos descontroem o nascimento de Cristo, se eles remontam, relembram, mencionam ao próprio Cristo?
O conceito de usar metáforas para dar uma moral é pedagógico e eficiente. Todas as fábulas têm em si um fundo moral. Se olharmos as origens dos contos de fadas e das fábulas, veremos que eles nasceram para os adultos. Com o tempo foram introduzidos para as crianças. Se estudarmos a origem dos contos e das fábulas, por ex., veremos que as histórias tratavam da realidade histórica e social da época. A primeira fábula que se tem notícia é a fábula do corpo e o estômago. Em miúdos, o corpo resolveu rebelar-se contra o estômago, que nada fazia e ficava com a melhor parte: a comida. Porém, o corpo enfraqueceu. Então o corpo entendeu que o trabalho do estômago era diferente da do corpo. Assim voltou a comer. Sabem para quem esta fábula foi contada? Para escravos na Grécia, justificando seu trabalho para o Rei. Portanto as fábulas, todas elas, trazem um fundo moral, um sentido para a vida, para algo que se queira ensinar. O mesmo acontece com as fábulas chinesas, sempre cheias de moral e que se fazem presentes em filmes, livros...

Se pegarmos os clássicos literários, veremos que muito foi adaptado conforme a evolução histórica. A  entrada do Caçador, valorizando o papel do Camponês no conto de Chapéuzinho Vermelho, só foi introduzido pelos Irmãos Grimm. E por que? Porque as fábulas e os contos mostram a evolução moral que a sociedade teve, e muito graças à Igreja durante a Romanização. Portanto ficar demonizando as fábulas e os contos é ver chifre em cabeça de cavalo, além de ser uma atitude violenta invadir a inocência de uma criança por causa de uma cisma com o velhinho.

Jesus utilizava parábolas com seus discípulos e todas tinham o objetivo de ensinar algo. É verdade que as parábolas diferem-se das fábulas, pois elas partem de algo real para o sobrenatural, ao contrário das fábulas, que partem do fantasioso para o real. Contudo, ambas são associações, assimilações, metáforas que tem o objetivo de ensinar, de mostrar algo, de construir um pensamento, de filosofar.

A própria Bíblia se utiliza de metáforas e nem por isso a achamos mais ou menos sacra. O livro do Cântico dos Cânticos, por ex., é poesia repleta de metáforas que falam do amor esponsal de Deus por Sua Igreja. E se na fé existem símbolos e metáforas que nos auxiliam a associar o Divino, por que excluiríamos as fábulas para auxiliar no processo cognitivo, filosófico e formador da criança? Por puro puritanismo? Por favor!!!

Deixo aqui um capítulo do livro Ortodoxia, de G.K Chesterton, onde explica sobre a benevolência das fábulas. Lembrando que Chesterton está em processo de beatificação na Igreja. Mais uma prova que se fábulas fossem pecado, a Igreja seria a primeira a condená-las. Deixo também este vídeo do grupo Santander, falando sobre S. Nicolau e o Natal.

Deixem o Bom Velhinho em paz. Chega de santanizá-lo por nada!

1 comentários:

  1. Não concordo com nada disso. Me desculpe!
    Esse tal papai noel pode ser inspirado em S. Nicolau. Até aí tudo bem. Mas a imagem do papai noej hoje é puramente comercial. E essa roupa vermelha e preta foi a coca-cola que inventou. Aquilo que nos tira de Cristo deve ser renunciado. Pergunta pra alguém o que lembra o Natal? A maioria vai te falar que são presentes e papai noel... Cristo fica lá, em quinto ou sexto lugar.

    Lembrem-se: aquilo que nos tira de cristo, deve ser ripado, pq é trabalho do demônio.

    ResponderExcluir