22 de ago de 2011

PRIMEIRO, SER JUSTOS


Por Francisco fernández carvajal

I. A LEI DE MOISÉS prescrevia que se pagasse o dízimo1: devia‑se entregar para a sustentação do Templo a décima parte do produto dos frutos mais comuns do campo, como os cereais, o vinho e o azeite. Os fariseus pagavam, além disso, o dízimo da hortelã e do cominho, plantas aromáticas que se cultivavam nos jardins das casas e que serviam para condimentar a comida. Era por parte deles uma manifestação equívoca de generosidade para com Deus, porque ao mesmo tempo deixavam de cumprir outros graves mandamentos em relação ao próximo. Por essa hipocrisia, o Senhor dir‑lhes‑ia: Ai de vós, escribas e fariseus hipócritas, que pagais o dízimo da hortelã, do endro e do cominho, e desprezais os pontos mais graves da lei: a justiça, a misericórdia e a fidelidade. Eram estas as coisas que devíeis praticar, sem omitir aquelas2.

O Senhor não despreza o dízimo da hortelã, do endro e do cominho, que poderia ter sido uma verdadeira expressão de amor: como quem presenteia umas flores a uma pessoa que ama, ou ao Senhor no Sacrário; o que Jesus rejeita é a hipocrisia que esse falso zelo ocultava, pois com isso justificavam‑se em relação à omissão dos outros deveres essenciais: a justiça, a misericórdia e a fidelidade. Não devemos nunca cair numa hipocrisia semelhante à desses homens: as nossas oferendas voluntárias são gratas a Deus quando cumprimos as obrigatórias e necessárias, determinadas pela justiça, que é uma virtude pela qual damos a cada um o que é seu: Eram estas as coisas que devíeis praticar, sem omitir aquelas.

A virtude da justiça fundamenta‑se na intocável dignidade da pessoa humana, criada à imagem e semelhança de Deus e destinada a uma felicidade eterna. E se considerarmos o respeito que todo o homem merece “à luz das verdades reveladas por Deus, devemos avaliar necessariamente em maior grau esta dignidade, já que os homens foram redimidos pelo sangue de Jesus Cristo, feitos filhos e amigos de Deus pela graça sobrenatural e constituídos herdeiros da glória eterna”3.

O respeito aos direitos das pessoas começa por um justo ordenamento das leis civis, para o qual os cristãos devem contribuir, como cidadãos exemplares, com todas as suas forças. É doloroso verificar como o espírito humano, na sua auto‑suficiência e rebeldia aos planos divinos, persiste em querer derrubar os princípios da dignidade da natureza humana, afirmados há séculos e constantemente confirmados pela doutrina da Igreja. Tem‑se visto como aos poucos – muitas vezes por plebiscito, como se a verdade pudesse depender do que pensa ou é levada a pensar a maioria numa determinada sociedade e num determinado momento histórico – se vão implantando leis que permitem pôr termo à vida do ser humano a partir da sua concepção, como se degrada o mistério da reprodução da vida humana, fechando os olhos a experiências que a nivelam pela dos animais, como se destrói a coesão e a solidez da família, autorizando o divórcio até mesmo por mútuo consentimento, como se deixam desprotegidos os menores diante da onda de pornografia e violência que domina os meios de comunicação, e assim por diante.

Persistem os fautores das leis iníquas, e calam‑se muitos cristãos, por julgarem que não podem ou não lhes compete fazer nada. Não é o momento de pensarmos, no silêncio fecundo da oração, que o pouco que achamos estar ao nosso alcance deve ser feito? Que não é uma faculdade, mas uma obrigação em consciência?

II. PARA VIVER A JUSTIÇA, não basta simplesmente lamentar‑se diante das situações de injustiça; as queixas e as lamentações são estéreis se não se traduzem em mais oração e em obras para remediar essas situações. Cada cristão deve pensar em como vive a justiça nas circunstâncias normais da sua vida: na família, no trabalho profissional, nas relações sociais...

Viver a justiça com aqueles com quem nos relacionamos habitualmente significa, entre outros deveres, respeitar‑lhes o direito à fama, à intimidade... “Estas exigências não devem limitar‑se unicamente à ordem econômica [...]; a vida e a moral cristã têm exigências mais amplas. O respeito à vida, à fidelidade, à verdade, a responsabilidade e a boa preparação, a laboriosidade e a honestidade, o repúdio à menor fraude, o sentido social e mesmo a generosidade devem sempre inspirar o cristão no exercício das suas atividades profissionais e trabalhistas”4.

Também a calúnia, a maledicência, a murmuração... constituem uma verdadeira e flagrante injustiça, pois “entre os bens temporais, a boa reputação parece ser o mais valioso de todos eles, e pela sua perda o homem fica privado de realizar muitas coisas boas”5. O Apóstolo Tiago diz da língua que é um mundo inteiro de maldade6: pode servir para louvar a Deus, para falar com Ele, para comunicar‑se..., ou pode causar um mal enorme, se não há um empenho decidido em não falar nunca mal de ninguém.

Faltar à justiça através da palavra não é coisa pouco freqüente. Por isso o Senhor nos pede que não nos deixemos guiar pelos rumores e juízos precipitados que se difundem em alguns meios de comunicação social, que nunca emitamos um juízo negativo sobre pessoas ou instituições, que não sejamos inquisidores nem verdugos das vidas alheias. E se alguém tem o dever de julgar, deve empenhar‑se em colher todas as informações possíveis, ouvindo as duas partes, matizando os seus juízos e ressalvando sempre a intenção das pessoas, que somente Deus conhece.

Devemos viver os deveres de justiça com aqueles que o Senhor colocou sob os nossos cuidados, colaborando na formação de todos, tratando com mais esmero aqueles que, por doença, idade ou condições particulares, mais precisam de ser acompanhados. Sabemos bem que não viveria esta virtude, por exemplo, o pai ou a mãe que tivesse tempo para as suas distrações e gostos, e não dedicasse o tempo necessário à educação dos filhos; ou que se dedicasse ao trabalho profissional de uma maneira incompatível com a permanência diária no lar, à disposição da mulher e dos filhos, por várias horas além das do sono.

III. A ECONOMIA TEM as suas próprias leis e mecanismos, mas essas leis não são suficientes nem supremas, nem esses mecanismos intocáveis. Não se pode conceber a ordem econômica – insiste o Magistério da Igreja – como uma ordem independente e soberana, pois deve estar submetida aos princípios superiores da justiça social, de modo a que se possam corrigir os seus defeitos e deficiências e se tenha em conta a dignidade da pessoa7.

A justiça social exige que não se deixe o trabalhador à mercê das leis da concorrência, como se o seu trabalho fosse uma simples mercadoria8; e uma das principais preocupações do Estado e dos empresários “deve ser esta: a de dar trabalho a todos”9, como disse João Paulo II em São Paulo. O desemprego forçoso é um dos maiores males de um país e causa de muitos outros nas pessoas, nas famílias e na própria sociedade.

Podem dar‑se circunstâncias em que, cumprindo aquilo que é estritamente legal, aquilo que está estabelecido, se falte à justiça com esse mínimo estipulado: pode acontecer que se despeçam empregados de acordo com a lei, mas que com isso se cometa uma enorme injustiça; ou que se paguem ou se atualizem salários de acordo com as leis, mas com isso se ofenda a dignidade da pessoa...: “A justiça – diz o Fundador do Opus Dei – não se manifesta exclusivamente no respeito exato dos direitos e deveres, à semelhança dos problemas aritméticos, que se resolvem fazendo somas e subtrações”10.

Por sua vez, quem trabalha numa oficina, na Universidade, numa empresa, não viveria a justiça se não cumprisse com esmero a sua tarefa, com competência profissional, aproveitando o tempo, cuidando dos instrumentos de trabalho que são propriedade da fábrica, da biblioteca, do hospital, do escritório, do lar em que se ajuda a dona de casa nas tarefas do lar.

Os estudantes faltariam à justiça com a sociedade, com a família, e às vezes gravemente, se não aproveitassem intensamente o tempo dedicado ao estudo. De modo geral, as qualificações obtidas podem ser matéria para um bom exame de consciência. Quantas vezes o nível medíocre dos conhecimentos adquiridos na Faculdade não é a causa de que não se consiga ser um bom profissional no dia de amanhã, faltando‑se assim à justiça com a empresa em que se trabalha! São pontos que devemos examinar com freqüência, para vivermos delicadamente, diante de Deus e dos homens, os deveres com relação ao próximo: a justiça, a misericórdia e a fidelidade nos pactos e promessas.

Peçamos à Santíssima Virgem essa retidão de consciência necessária para que, no que está ao nosso alcance – que nunca é pouco e tem aspectos diversos –, a sociedade seja sempre ou venha a ser em breve prazo um remanso de convivência digno dos filhos de Deus.

(1) Lev 27, 30‑33; Deut 14, 22 e segs.; (2) Mt 23, 23; (3) João XXIII, Enc. Pacem in terris, 11‑IV‑1963, 10; (4) Conferência Episcopal Espanhola, Instr. Past. Os católicos na vida pública, 22‑IV‑1986, ns. 113‑114; (5) São Tomás, Suma Teológica, II‑II, q. 73, a. 2; (6) Ti 3, 6; (7) cfr. Pio XI, Enc. Quadragesimo anno, 15‑VI‑1931, 37; (8) João Paulo II, Enc. Sollicitudo rei socialis, 30‑XII‑1987, 34; (9) idem, Alocução no estádio do Morumbi, São Paulo, 3‑VII‑1980; (10) Josemaría Escrivá, Amigos de Deus, n. 168.

Fonte: http://www.hablarcondios.org/pt/meditacaodiaria.asp

0 comentários:

Postar um comentário