4 de out de 2011

Missas Afro


Queridos irmãos em Cristo, hoje vemos no Brasil, uma onda das chamadas "Missas Afro", e inculturação, porém vemos majestosos erros litúrgicos, e uma falsa inculturação, primeiramente precisamos saber o que vem a ser inculturação. A inculturação tem como finalidade transmitir as verdades do evangelho, apresentando-as de forma que os destinatários as possam compreender e viver, aproveitando as expressões culturais de povos não-europeus, que guardam, assim, sua identidade. Não é tarefa das mais fáceis, podendo fácilmente descambar para o abuso. Inculturar é assumir, dentre os elementos da cultura (linguagem, gastos, símbolos…) de cada povo, aqueles que possam ser veículos fiéis e dignos da fé católica, não deteriorada nem adulterada. (…)Quaisquer que sejam os gestos e sinais aplicados à Liturgia, deverão sempre contribuir para que se levem as mentes a Deus numa atitude de oração e adoração. Caso este objetivo não seja atingido, mas, ao contrário, se provoque dispersão e perplexidade entre os fiéis, os símbolos não podem ser considerados autênticos.*
Os defensores da chamada “Missa Afro” dizem ser uma inculturação a fim de contemplar a cultura afro-brasileira, mas, e, nisso concordo com D. Estêvão Bettencourt, “o espetáculo daí resultante não atingiu a sua finalidade, que era elevar as mentes a Deus em atitude de oração; lembrou muito mais os festejos folclóricos do nosso povo, associados a Carnaval e a cultos não cristãos”. Olhando pelo you tube, vemos como são essas missas afro espalhadas por aí, verdadeiras aberrações sacrílegas. A famigerada teologia da libertação com seus hereges, querem implantar uma cultura primitiva na liturgia, cultura essa que nem em países africanos se observa, pois na Africa graças a Deus, o povo católico é fiel e um grande número de sacerdotes educam e evangelizam de acordo com a Doutrina a ser seguida.
Exponho aqui uma serie de fotos tiradas em uma missa celebrada em um país africano, onde podemos ver o que é uma Missa Afro, celebrada com dignidade, e que nossos sacerdotes deveriam aprender.





















0 comentários:

Postar um comentário