14 de fev de 2012

AIDS ou a castidade?


Estudo realizado pela Universidade Harvard deu razão à posição de Bento XVI sobre a AIDS, afirmando que um comportamento sexual responsável e a fidelidade ao próprio cônjuge foram fatores que determinaram uma drástica diminuição da epidemia no Zimbábue.

A tendência de dez anos é evidente: de 1997 a 2007, a taxa de infecção entre adultos diminuiu de 29% a 16%. Após sua pesquisa, Halperin não hesita em afirmar: a repentina e clara diminuição da incidência de AIDS se deve “à redução de comportamentos de risco, como sexo fora do casamento, com prostitutas e esporádico”.

Aos poucos a verdade vem à tona. Enquanto a ONU tenta enfiar guela abaixo que a AIDS só terá fim se usarmos preservativos; enquanto a mídia distorcer o que a Igreja fala sobre sexualidade responsável; enquanto não entenderem que a Igreja orienta seus fiéis nestes assuntos pautada, também, na própria Ciência, mais e mais pessoas morrerão de AIDS ou qualquer outro tipo de DST.
Estas afirmações em que o Papa está correto não é de agora. A Revista Galileu, em 2009, já havia noticiado uma entrevista do diretor do Projeto de Pesquisa e Prevenção da Aids da Escola de Saúde Pública de Harvard, Edward Green, onde ele afirma que é a fidelidade e castidade que fará a AIDS diminuir. Vejam que são cientistas falando, e não religiosos.
Cabe agora a nós, homens de inteligência, decidir. Queremos viver como animais no cio ou como pessoas dotadas de razão que sabem controlar-se e usar sua sexualidade no seu devido lugar?
Uma boa prova será o Carnaval. Enquanto o governo federal entregará – como faz todos os anos – centenas de camisinhas e pílulas abortivas do dia seguinte, você, que não é um bicho sem inteligência, pode escolher a Castidade e assim cooperar para que a graça de Deus opere em sua vida!


Repórter de Cristo - Leia mais: http://reporterdecristo.com/aids-ou-castidade/ #ixzz1mNidpBm9




Roma, 02 Dez. 10 / 05:25 pm (ACI).- Do total de pessoas infectadas no mundo com o HIV/AIDS, aproximadamente 25 por cento é atendida por alguma instituição da Igreja Católica, o que a converte na instituição mais importante em nível mundial neste tema. Esta porcentagem aumenta no caso da África, onde a Igreja cuida de quase 50 por cento dos afetados por este flagelo.

Em entrevista concedida à plataforma multimídia da organização Ajuda à Igreja que Sofre, Wheregodweeps.org, o Pe. Michael Czerny, fundador da Rede Jesuíta para luta contra a AIDS na África, precisa que em alguns lugares afastados das grandes cidades, a quantidade de pessoas que sofrem esta enfermidade e que são atendidas pela Igreja chega inclusive ao 100 por cento.

“Com freqüência os únicos serviços para lutar com a AIDS em áreas remotas com as clínicas da Igreja”, acrescenta o sacerdote jesuíta que dirige a mencionada rede na cidade de Nairobi, Quênia.

O sacerdote ressalta logo que “a Igreja no mundo é a entidade que mais cuida de doentes de HIV, dos que já padece a AIDS e cuida ademais dos que são afetados por este flagelo: as viúvas, os órfãos e demais pessoas que têm que lutar com este problema”.

“Dado que o HIV e o AIDS não são somente uma infecção ou doença mas também um problema pessoal, familiar, social e espiritual, o que a Igreja pode fazer e o que efetivamente faz que me orgulha é acolher à pessoas de maneira integral, considerando sua dimensão psicológica e espiritual, basicamente, e não só no nível médico”, explica.

A AIDS e o preservativo

Depois de comentar que se luta contra a AIDS com espírito de família, levando a Cristo a todos os afetados, amigos e parentes, o Pe. Czerny recorda o que foi afirmado pelo Papa em sua viagem a África em 2009 sobre o fato de que o preservativo não resolve o problema, e sim uma autêntica humanização da sexualidade.

Esta afirmação secundada pelo Dr. Edward Green, então Diretor do programa para a prevenção da AIDS da Universidade do Harvard. Este perito explicou, dias depois da viagem do Santo Padre, que “o preservativo não previne a AIDS, só a conduta sexual responsável pode responder a esta pandemia”.

Logo depois de explicar que a chave para a luta contra a AIDS está na promoção da abstinência e a fidelidade, que permitem viver a sexualidade de maneira sã e bela, o sacerdote denuncia que na África, “a massiva promoção do preservativo é sinônimo de destruição”.

“Isso não está fazendo frente ao problema, mas infelizmente não é o único exemplo de aproximações equivocadas impostas à África às quais este continente sobreviveu”, acrescenta.

Finalmente o Pe. Czerny expressa sua esperança de que “com o ensinamento que o Santo Padre proferiu progridamos. O êxito real está em que os jovens sejam capazes de viver sua sexualidade mais responsavelmente. Quando os casais casados vivem sua sexualidade desta forma, e quando a AIDS se enfrenta todos juntos como a família de Deus, então avançamos na África”.

Mais informação, em inglês, www.WhereGodWeeps.org

Fonte:http://www.acidigital.com/noticia.php?id=20749


Repórter de Cristo - Leia mais: http://reporterdecristo.com/igreja-catolica-e-a-instituicao-que-mais-ajuda-os-doentes-de-aids-no-mundo/ #ixzz1mNjLkpz7

0 comentários:

Postar um comentário