17 de fev de 2012

Elogio que envergonha

O site NoticiasGlobales, observatório das atividades da ONU relacionadas a vida e família, noticia que saiu a público, em 15 de dezembro p.p., um novo informe da Organização, o primeiro sobre os pretensos direitos humanos específicos dos homossexuais.

Em mais um calhamaço burocrático ditatorial, os altos comissários encarregados de “velar” pelos direitos humanos demonstram seu pleno apoio a políticas que favoreçam práticas antinaturais e pecaminosas.

Não se importando em escancarar o viés antidemocrático da instituição – tendo em vista o grande repúdio demonstrado pelos diversos povos às referidas políticas – os autores do informe utilizam expressões como “fundamentalismo”, “extremistas religiosos”, “grupos paramilitares, neonazistas e nacionalistas extremistas” para designar qualquer um que se levante contra as abominações que eles defendem.

No intuito de fixar paradigmas, favorecendo assim políticas iniciadas ou em gestação, o relatório tece elogios a países que já se posicionaram pela defesa dos ditos direitos humanos dos homossexuais. Entre esses países está o Brasil, que mereceu duas menções honrosas: a primeira “por utilizar os Princípios de Yogyakarta [alguém conhece esse elefante branco?] para orientar as respostas de políticas aos incidentes de violência e discriminação”; a segunda, porque “no Brasil, o Governo respaldou uma campanha de educação pública sob o slogan ‘Brasil sem homofobia’”.

Normalmente, elogios causam satisfação a quem deles é alvo. No presente caso, devem causar a nós, brasileiros, um profundo sentimento de vergonha.

http://www.ipco.org.br/home/noticias/elogio-que-envergonha

0 comentários:

Postar um comentário