13 de jun de 2011

Mês de Junho - Décimo terceiro dia

Coração misericordioso



A palavra misericordioso significa, literalmente, "dar o coração aos míseros" (miser-cor-dare). Quando Jesus nos disse para sermos misericordiosos como o Pai do Céu que faz chover sobre os justos e os injustos (cf Mt 5, 45), nos pedia para sermos bons e compreensivos para com os que não mereciam.

Nós sabemos que o mundo é um teatro de muitas maldades, injustiças e desonestidades. A tentação mais imediata que todos provamos é a de atingir os malfeitores e bandidos, tratando-os com a severidade que merecem. Mas se assim fazemos, não podemos ser jamais 'filhos do Altíssimo que é benigno até para os ingratos e os maus' (Lc 6, 35). Se o Coração de Jesus, ao contrário, não considerou a maldade, doou-se todo, continua a doar-se e se doará até o fim dos tempos (cf. Mt 28, 20). Ele chega ao ponto de se deixar prender sem resistência até para ser maltratado pelos sacrílegos, pelos traidores, pelos inimigos declarados, como os maçons que procuram Hóstias Consagradas para apunhalá-las nas lojas infames.

O Coração de Jesus é a fonte inesgotável de misericórdia. Até na cruz Ele grita com sangue e com a súplica de misericórdia pelos seus carrascos: "Pai, perdoai-os. Eles não sabem o que fazem!" (Lc 23, 34). Ele sabe de quanta fragilidade e miséria nós somos feitos, quanto facilmente somos vítimas de nós mesmos, das nossas paixões; quanta necessidade temos de ser saciados não só de pão (cf. Mt 4, 4), mas daquilo que nutre para vida eterna. Por isso o seu Coração está sempre pronto repetir com ansiedade de misericórdia o que disse antes da multiplicação dos pães: "Tenho piedade deste povo" (Mt 15, 32). Por isso Ele nos revelou o seu Coração e nos doou a Grande Promessa, que é um tesouro de misericórdia: "Eu prometo - disse Jesus a Margarida Maria Alacoque - no excesso da misericórdia do meu coração, que o meu amor onipontente concederá a todos os que comungarem na primeira sexta-feira do mês, por nove meses consecutivos, a graça da perseverança final. Eles não morrerão na desgraça, nem sem receber a Santa Comunhão e os Sacramentos, servindo eles o meu Coração de asilo seguro naquela hora extrema".



Coração invejoso


A inveja é o verme roedor que não só impede a misericórdia para quem cometeu o mal, mas de destruir até o bem que vê nos irmãos. "Como a água apaga o fogo, a inveja apaga a caridade" (São Vicente de Paula). São Basílio comparava os invejosos aos abutres que vão procurar e acham só as carcaças.

A inveja faz roer por dentro. Provoca a aversão do coração. Alimenta sentimentos de desprezo para com o outro. Desejaria ver o outro humilhado e ultrajado. Faz chegar ao ódio e ao crime. São Cipriano escrevia que a 'inveja é a semente de muitas loucuras'.

Pensemos em Caim, invejoso da retidão de Abel, a ponto de assassiná-lo. Pensemos em José, vendido a mercadores desconhecidos por irmãos invejosos. Pensemos no rei Saul que tentou matar Davi pela inveja que provava ao ouvir cantar a juventude judia: "Saul matou mil e Davi, dez mil" (I Sm 18, 7). Pense nos Escribas e nos fariseus, que invejavam Jesus pelos seus discursos e milagres, e procuravam com maldade suprimí-lo, porque "se O deixarmos agir, todos Lhe crerão" (Jo 11, 48).

Entre parentes e conhecidos, entre colegas e companheiros, entre amigos e estranhos, quantas vezes o coração do homem está cheio de inveja pelo bem dos outros: o bem material, o bem espiritual, o bem moral; todo bem pode ser objeto de inveja e nada foge a esta cobra venenosa que se arrasta. Por isso os antigos pintavam a inveja sob forma de uma velha pálida que come carne de serpente e víbora. O coração do invejoso é cheio de veneno, capaz de arruinar todo o bemm do irmão, sem resguardar nem a misericórdia, nem a justiça ou honestidade. Dizia bem São João Crisóstomo: "Só a inveja não oferece vantagem, nem menos aparente; nessa, tudo é vergonha, dor e perversidade". E o próprio São João Crisóstomo chegou a dizer que a inveja é um pecado mais que diabólico, porque os demônios invejam os homens, mas não se invejam entre si.

O coração de Jesus nos purifique com as suas chagas deste terrível veneno, livre o nosso coração desta pérfida serpente e nos doe a sua misericórdia para com todos.


Propósito:

- Fazer um ato de caridade ou de cortesia a alguém que nos magoou;
- Rezar as seguintes orações: (clique aqui).

0 comentários:

Postar um comentário