20 de jun de 2012

Vassula Ryden, excomungada?

EM RESPOSTA A TODOS AQUELES QUE ME ESCREVERAM DIZENDO QUE EU PE. MATEUS MARIA, ERA UM DIFAMADOR E CALUNIADOR, PELO SIMPLES FATO DE TER RETRANSMITIDO A NOTÍCIA DIVULGADO POR SITES CATÓLICOS DA EXCOMUNHÃO DA SRA. VASSULA RYDEN DA IGREJA ORTODOXA, QUE PODE SER LIDA NO LINK:  http://nossasenhorademedjugorje.blogspot.com.br/2012/06/vassula-ryden-excomungada-pela-igreja.html

Prezado Senhor: "Conhecereis a Verdade e a Verdade vos libertará!" Jo  8,32

Gostaria de esclarecer que o meu interesse não foi de caluniar ninguém e menos ainda em difamar, como o foi afirmando no vosso e-mail, o interesse foi apenas divulgar uma informação recebida da qual eu não inventei, e que pode ser encontrado em vários sites nacionais e internacionais, dos quais cito abaixo a fonte da qual retransmiti a notícia.


O site da Radio Maria Italiana http://www.radiomaria.it/documenti/dwnl.php?id=1629  cita: 
O DECRETO OFICIAL EM GREGO PUBLICADO SOBRE O SITE DO PATRIARCADO DE CONSTANTINOPLA NO LINK: http://www.ec-patr.org/docdisplay.php?lang=gr&id=1306&tla=gr 
A TRADUÇÃO EM INGLÊS SE PODE LER NO BLOG Mystagogy: http://www.johnsanidopoulos.com/2011/03/announcement-on-vassula-ryden-by.htm 
A TRADUÇÃO EM FRANCES QUE SE PODE LER NO BLOG Orthodoxologie: http://orthodoxologie.blogspot.com/2011/03/enfin-declaration-concernant-vassoula.html  

Pelo que estou sabendo não há nenhuma retratação Oficial do site do Patriarcado, pois a nota ainda se encontra lá, basta conferir no link citado acima... Contudo, por um critério de justiça, após receber o vosso e-mail que mostrava a 'vossa justificativa', por meio da ‘vossa entidadeTrue Life in God' ( para quem não sabe, este site está ligado a Sra. Vassula por meio da  Fundação A Verdadeira Vida em Deus), que 'Desmente a excomunhão de Vassula', que no seu Boletim Informativo no  dia 04 de maio de 2012, comunica um texto intitulado: 'A falsa declaração de excomunhão de Vassula é finalmente desmentida', (como segue o link: http://www.tlig.org/pg/pgforum/pgnuforum186.html#a), e por isso fiz questão de atualizar o poste e publicar imediatamente tal justificação, como atualização no mesmo poste, como um critério de justiça, e de direito de justificação da vossa parte, pois todos tem o direito a defesa.  Segue abaixo o e-mail na cor verde, e o restante da resposta em seguida:

Enviada em: sexta-feira, 15 de junho de 2012 14:00
Para: XXXXXXXXXXXXXXXXX>
Assunto: RES: APARIÇÕES DE NOSSA SENHORA - ABORTO - EVANGELHO DE DOMINGO

Prezado Sr. XXXXXXXX, a paz!!
Coloquei como atualização do poste a vossa retratação:
Obrigado!!
Que Deus o abençoe!!!
Sabemos que pela Igreja Católica Apostólica Romana (ICAR), a Sra. Vassula, está fora de sua comunhão, por pertencer a Igreja Grego-Ortodoxa, e assim estando abaixo da jurisdição da mesma (Igreja Grego-Ortodoxa), isto para dizer que a ICAR, não possui jurisdição sobre ela, e por isto a ICAR, não pode declarar oficialmente tal fato.
Contudo a ICAR, pode apenas declarar, o não reconhecimento, a não autenticidade, e a não aprovação de seus escritos, mensagens  e revelações, divulgadas por ela (Sra. Vassula), que para muitos no âmbito católico são tidas como divinas e verdareiras, e é por isto que a ICAR, nos seus documentos como veremos abaixo, condena o ensino da sra. Vassula e aponta o erro doutrinário, não dando autenticidade as suas mensagens e revelações como divinas.
Contudo, tendo em vista que o vosso site divulgou a retratação da 'excomuhão' dada pelo site: ( www.infovassula.ch - o qual não se encontra na internet - como mostra a figura ao lado), na nota divulgada pela sra. Maria Laura Pio – 27 de fevereiro de 2012, ela diz :
"(...) declarando que o documento do Patriarcado Ecumênico de Constantinopla, datado de 16 de Março de 2011, era uma excomunhão formal da Sra. Rydén. Esta informação revelou-se falsa. Somente em 14 de abril de 2011, tomei conhecimento dos argumentos canônicos que colocaram em dúvida esta interpretação, uma vez que o documento não parecia ser o resultado do procedimento canônico requerido para uma excomunhão formal (...)"
Por outro lado como dito acima, o Documento do site do Patriarcado (link) , divulgado já traduzido da sua lingua original nos sites de Pe. Marcelo Tenório (link) e Monfort (link) dizem o contrário da retratação divulgada acima. Explico:
Os links citados em português dizem: "(...)“Vassula”, e sua organização fundada sob o título “A Verdadeira Vida em Deus”, que de forma precipitada e leviana propõe ensinamentos baseados no suposto “diálogo dela diretamente com o Fundador da Igreja, Jesus Cristo Nosso Senhor”, seus seguidores e os partidários do movimento “A Verdadeira Vida em Deus “, que não só se desviam de forma arbitrária  do ensinamento dado por Deus à Igreja, mas também escandalizam a razão dos piedosos crentes ortodoxos(...)".
As palavras do Patriarcado de Constantinopla, Chefe da Secretaria do Santo e Sagrado Sínodo, em 16/03/2011, não reconhece o ensino da Sra. Ryden, e o magistério do Patriarca deve ser obedicido na jurisdição Ortodoxa, e como podemos ver a seguir, são bem claras e dirigidas: "(...)Por isso, afirmamos aos proponentes dessas inovações inaceitáveis e os adeptos que pretendem mantê-las, que, doravante, não são mais admitidos à comunhão eclesiástica, não só para o envolvimento no trabalho pastoral da Santa Metrópolis, mas também proibidos de comunicar os seus novos ensinamentos, a fim de evitar as sanções adequadas sob os Cânones Santos".
Me atenho ao que diz o Patriarca; "(...)não são mais admitidos a comunhão eclesial(...)". Assim, aqueles que discordam que a Sra. Vassula e seus seguidores que estão abaixo da jurisdição Ortodoxo, estão sendo declarados "NÃO MAIS ADMITIDOS A COMUNHÃO ECLESIAL" (que significa: fora da comunhão) dada pela Igreja Ortodoxa, (da qual ela pertence e está abaixo de sua jurisdição), que vão e Brigar com o Patriarca.
A propósito, gostaria de saber daqueles que me acusam, de difamação e de acusador, se possuem ou tem o conhecimento de alguma retratação, nota ou explicação Oficial do Patriarcado, sobre o documento que lá se encontra, pois ao que pude entender, o Patriarcado não reconhece os escritos da sra. Vassula Ryden. Caso houver gostaria de Lê-lo! Ou poderia me enviar o documento do Patriarcado que aprova ou até admite como algo verdadeiras tais experiências da Sra. Vassula. Pois para me acusarem de espalhar ‘calunias e difamações’, estão indiretamente me chamando também de caluniador e difamador, e para dizer isto, devem ter mesmo a retratação do Patriarcado que diz o contrário do divulgado, pois caso contrário, são estes que me acusam caluniadores contra mim, e sinto-me ofendido por isto!

Dito isto, vamos agora falar sobre a situação da sra. Vassula e Sé Apostólica! 
E como diz o ditado: “MATO A COBRA O MOSTRO O PAU!”

Aliais, já que o senhor me acusa de difamador e acusador, então por favor, me mostre um documento contrário e que anule as informações  da Congregação para a Doutrina da Fé (CDF), pois, entrando no site do Vaticano, e fazendo uma busca sobre a Sra. Vassula, tendo base os documentos da Santa Sé, podemos ler claramente que a CDF, não aprova o ensino da Sra. Vassula e menos ainda as suas experiências como verdadeiras, como o senhor poderá ler nos documentos abaixo, que dizem: “sobre a natureza de suas mensagens, que se apresentam não como revelações divinas, mas bem como meditações pessoais delas”...  Documentos estes que também dão normas clara aos fiéis católicos, recordando que "não parece oportuna a participação de católicos nos grupos de oração organizados pela própria senhora Ryden”... Como também a Igreja viu  “um conjunto de elementos fundamentais, que devem ser considerados negativos à luz da doutrina católica”, afirmando também que “é imperioso ressaltar alguns erros doutrinais nelas contidos.”. Tendo assim o término de um de seus documentos: ‘Considerando que, não obstante alguns aspectos positivos, o efeito das atividades exercidas por Vassula Ryden é negativo, esta Congregação solicita a intervenção dos Bispos, a fim de que informem adequadamente os seus fiéis, e não seja concedido nenhum espaço no âmbito das próprias dioceses à difusão das suas idéias. Convida, por fim, todos os fiéis a não considerarem como sobrenaturais os escritos e as intervenções da senhora Vassula Ryden, e a conservarem a pureza da fé que o Senhor confiou à Igreja. “. Os textos no original o senhor pode verificar abaixo.
Gostaria então que o senhor me enviasse uma cópia do documento da CDF que o senhor cita dizendo que foi ‘enviado aos bispos comunicando que ela tinha esclarecido as dúvidas e objeções levantadas pela Notificação de 1995, para que eu possa ler na integra e tirar as conclusões, já que no site do Vaticano, e nos documentos emitidos pela CDF, não consta nada contrário aos documentos que citei acima, e nenhum documento os anula. E CONVENHAMOS, ESCLARECER DÚVIDAS E REPONDER A SANTA SÉ A CDF, NÃO SIGNIFICA TER A APROVAÇÃO DA SANTA SÉ - CDF!
Faço também aceno que o “Comunicado da CDF datado  em 29 novembro 1996” diz: “(...)a) come egli ha affermato, i fedeli non devono ritenere i messaggi di Vassula Ryden come rivelazioni divine, ma soltanto come sue meditazioni personali), traduzindo: “(...) como ele afirmou (o Cardeal Prefeito da CDF), os fiéis não devem considerar as mensagens de Vassula Ryden como revelação divina, mas apenas como meditações pessoais dessa senhora” Podendo ser lida abaixo em azul com fundo cinza, ou no original... http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/documents/rc_con_cfaith_doc_19961129_ryden-comunicato_it.html
Após receber as informações que solicitei ao senhor em busca da verdade, se necessário, apresentarei e consultarei um Padre amigo doutorado em Direito Canônico para que ele possa me dar um maior esclarecimento do assunto. 

Independentemente de alguma obra editado pela sra. Vasulla ter o "Nihil Obstat", Lembro que, o "Nihil Obstat" (permissão para uma obra ser publicada) dado por algum Exe.mo Bispo, não significa a aprovação da Igreja Católica sobre o material editado, pois o Bispo nunca pode agir ou aprovar algo do qual a Igreja já tenha emanado algum docuemnto já aprovando ou autorizando, o bispo respode pela sua diocese e a sua palavra não é para toda a Igreja. Além do que, o Bispo, que age por sua prórpia conta, aprovando algo que a Igreja não aprovou, está agindo isoladamente, e sua opinião, não representa a Santa Sé, pois um bispo nunca pode agir de forma contrária as Emanações da CDF, e ele não pode dizer o que ele pensa ou acha sobre algo a nivel doutrinário, mas dizer o que pensa e acha a Sé Apostólica. A autoridade do Bispo só é valida e só pode ser obedecida se estiver de acordo e em unidade com o Santo Padre o Papa, com os documentos Magisteriais, e com os seus 'Dicastérios e Congregações". Esclareço também que um documento emanado pela Igreja Particular de cada pais ou diocese, não superam e não desautorizam os docuemntos da Sé Apostólicas, ao contrário, para serem válidos, devem estar em comunhão com a Sé Apostólica.

Contudo, ao que sei vendo os documentos da Santa Sé, a notificação de 1995 (que segue após o término do poste em marrom) não está excluída, e menos ainda superada, gostaria de ler o documento que diz isto, ao contrário, pelo que busquei sobre o assunto, independentemente da Sra. Vassula ter esclarecido alguns pontos como o senhor afirmou, a CDF no dia 09 de Agosto de 2007, emitiu um documento totalmente desfavorável a Sra. Vassula, (muito depois dela ter feito o seu diálogo com a CDF entre os anos de 2002-2004), documento este que faço questão de mencionar e coloca-lo abaixo em vermelho, divulgado pela Agencia Internaciona ACI Digital (http://www.acidigital.com/noticia.php?id=10808 ou http://www.agencia.ecclesia.pt/cgi-bin/noticia.pl?id=49666 ):

VATICANO, 09 Ago. 07 / 12:00 am (ACI).- A Congregação para a Doutrina da Fé (CDF) reiterou em uma comunicação enviada aos presidentes das Conferências Episcopais que “não parece oportuna a participação de católicos nos grupos de oração organizados” pela Vassula Ryden, uma controvertida mulher ortodoxa que se autoproclama vidente e receptora de “revelações privadas” diretamente de Cristo.
Na mensagem interna, datada de 25 de janeiro de 2007 e foi publicado por vários sites, o Prefeito da CDF, Cardeal William Joseph Levada, reconhece que seguem chegando a seu dicasterio “cartas pedindo elucidações sobre os textos e atividades da senhora Vassula Ryden, sobre tudo pelo que corresponde ao valor da Notificação de 6 de outubro de 1995 e aos critérios a seguir para definir as disposições da Igreja local sobre a conveniência de difundir os textos da senhora Vassula Ryden”.
A CDF afirma primeiro que “a Notificação de 1995 segue sendo válida pelo que se refere ao julgamento doutrinal sobre os textos examinados”.
Em seguida, sustenta que Ryden, “depois do diálogo tido com a Congregação para a Doutrina da Fé, fez algumas elucidações sobre certos pontos problemáticos que apareciam em seus textos e também sobre a natureza de suas mensagens, que se apresentam não como revelações divinas, mas bem como meditações pessoais delas”.
“Portanto, do ponto de vista normativo, e depois tais elucidações, é necessária uma valorização prudencial caso por caso, levando em consideração a possibilidade concreta que têm os fiéis de ler os textos no contexto das mencionadas elucidações”, adverte a CDF.
Finalmente, recorda que “não parece oportuna a participação de católicos nos grupos de oração organizados pela própria senhora Ryden. Por isso respeita eventuais encontros ecumênicos, os fiéis têm que se ater às disposições do Diretório ecumênico, do Código de Direito Canônico (C. 215; C. 223, &2; C. 383, &3) e dos Ordinários diocesanos”.

Desta maneira sou eu que fico estarrecido,  e fico ofendido pelas acusações a minha pessoa em vosso e-mail, pois o documento é muito claro, e diante dele, ou estamos com a Igreja, com o seu magistério, com a sua doutrina, ou estamos fora dela, seguindo uma heresia. 
Pe. Mateus Maria

ATUALIZAÇÃO DO POSTE EM 23/06/12

Hoje encontrei no site Defending True Life in God, indicado por um amigo, o texto em inglês, no link: http://www.defending-vassula.org/orthodox-patriarchate-foundation?lang=en o qual explica, justifica e aprofunda a Decleração do Patriarca, que segue abaixo, traduzido pelo nossa colaboradora Fernada Del Grossi:

Vassula excomungada. A resposta a esta declaração falsa (pela Fundação para a Verdadeira Vida em Deus, Genebra (Suíça).

O Patriarcado Ecumênico de Constantinopla publicou recentemente em seu site uma declaração de condenação sobre Vassula Ryden e aos fiéis da “A Verdadeira Vida em Deus” pertencentes à fé ortodoxa grega. A tradução juramentada em Inglês do original grego está anexada. Nota-se que o Patriarcado apenas expressou-se em grego, deixando a tradução para pessoas de outros idiomas ocorrer livremente.

A declaração do Patriarcado tem sido mal interpretada por algumas pessoas que declararam publicamente que Vassula foi excomungada. Tais declarações são totalmente falsas e não estão de acordo com a declaração Patriarcal que não representa um decreto de qualquer natureza e não se refere à excomunhão.

O que a declaração faz é acusar Vassula e os fiéis ortodoxos da AVVD de agir contra a fé e à Doutrina Cristã Ortodoxa. Isso equivale a uma acusação de heresia (a negação ou desvio da doutrina da Igreja Ortodoxa). O procedimento adequado para lidar com a heresia é claramente previsto na lei Canon da Santa Igreja. A declaração apela a Vassula e seus seguidores para interromper a difusão das mensagens de AVVD e renunciar aos seus ensinamentos, a fim de evitar as sanções adequadas previstas nos cânones. Nestes Cânones, a penalidade prescrita por heresia é a Excomunhão (muitas vezes chamado anátema), mas, de acordo com os procedimentos canônicos da Igreja, um decreto de excomunhão só pode ser feito após um processo formal ter ocorrido diante dos tribunais eclesiásticos e/ou de um Santo Sínodo. Esses processos envolvem um denunciante formal, um acusado e as testemunhas, e um processo de recurso e apelação (hierárquico), regulamentado pelo artigo 44.1 da Carta da Igreja da Grécia.

Apenas quando este procedimento tiver sido esgotado é que o crime de transgressão contra a fé é punido por Excomunhão ou às vezes pela exclusão da vida sacramental da Igreja, por um período temporário.

Não houve processo de excomunhão instituído ante os tribunais eclesiásticos ou do Santo Sínodo do Patriarcado Ecumênico de Constantinopla no caso de Vassula Ryden. Isso não é surpreendente, porque a Santa Igreja Ortodoxa como a Igreja Católica ou a Igreja Anglicana se refere à excomunhão como um último recurso, um instrumento a ser exercido com grande reserva e cautela e só deve ser aplicada depois de repetidas advertências e discussões. Não houve tais discussões entre Vassula e o Patriarcado de Constantinopla. Vassula já escreveu ao Patriarca, pessoalmente, para solicitar que ela e seus teólogos entrem em um diálogo adequado com ele. Seu pedido está atualmente sob apreciação do Patriarca.

Até que o processo judicial seja devidamente estabelecido e celebrado pela Igreja, todos os comentários públicos que informam ou implicam que Vassula e os fiéis da AVVD foram excomungados pela Igreja Ortodoxa são totalmente falsas e prejudiciais para ela e os membros da AVVD que são da fé ortodoxa grega.

A presente declaração é publicada pela “Fundação para a Verdadeira Vida em Deus” depois de pesquisar devidamente sobre o assunto. Sua finalidade é impedir a publicação de mais errôneos comentários e incentivar a correção de declarações falsas já publicadas.
Genebra, maio 2011 

NOTIFICACAO SOBRE OS ESCRITOS DE VASSULA RYDEN

Muitos bispos, sacerdotes, religiosos, religiosas e leigos se dirigem a esta Congregação para ter um juízo autorizado sobre a atividade da senhora Vassula Ryden, greco-ortodoxa, residente na Suiça, que está a difundir nos ambientes católicos do mundo inteiro, com a sua palavra e com os seus escritos, mensagens atribuídas a presumíveis revelações celestes.
Um exame atento e sereno da inteira questão, realizado por esta Congregação a fim de "pôr à prova as inspirações para verificar se provêm verdadeiramente de Deus" (cf. 1Jo 4,1), fez notar - ao lado de aspectos positivos - um conjunto de elementos fundamentais, que devem ser considerados negativos à luz da doutrina católica.
Além de evidenciar o caráter suspeito das modalidades com que acontecem essas presumíveis revelações, é imperioso ressaltar alguns erros doutrinais nelas contidos.
Entre outras coisas, com uma linguagem ambígua, fala-se das Pessoas da Santíssima Trindade até confundir os específicos nomes e funções das Pessoas Divinas. Preanuncia-se nessas presumíveis revelações um iminente período de predomínio do Anticristo no seio da Igreja. Profetiza-se em chave milenarista uma intervenção resolutiva e gloriosa de Deus, que estaria para instaurar sobre a terra, antes ainda da vinda definitiva de Cristo, uma era de paz e de bem-estar universal. Anuncia-se, além disso, o futuro próximo de uma Igreja que seria uma espécie de comunidade pancristã, em contraste com a doutrina católica.
O fato de nos escritos posteriores da senhora Ryden os mencionados erros já não aparecerem, é sinal de que as presumíveis "mensagens celestes" são apenas fruto de meditações privadas.
Além disso, a senhora Ryden, participando habitualmente nos sacramentos da Igreja Católica, embora seja greco-ortodoxa, suscita em diversos ambientes da Igreja Católica não pouca surpresa; parece pôr-se acima de qualquer jurisdição eclesiástica e de todas as regras canônicas e cria, de fato, uma desordem ecumênica, que irrita não poucas autoridades, ministros e fiéis da sua própria Igreja, colocando-se fora da disciplina eclesiástica da mesma.
Considerando que, não obstante alguns aspectos positivos, o efeito das atividades exercidas por Vassula Ryden é negativo, esta Congregação solicita a intervenção dos Bispos, a fim de que informem adequadamente os seus fiéis, e não seja concedido nenhum espaço no âmbito das próprias dioceses à difusão das suas idéias. Convida, por fim, todos os fiéis a não considerarem como sobrenaturais os escritos e as intervenções da senhora Vassula Ryden, e a conservarem a pureza da fé que o Senhor confiou à Igreja.
Cidade do Vaticano, 06 de outubro de 1995.
Acta Apostolicae Sedis AAS 88 (1996) 956-957; OR 23-24.10.1995; EV 14, 1956-1957; LE 5618
Eis a Segunda Notificação: 

Cidade do Vaticano, 29 de novembro de 1996. Hoje foi dado ao público o seguinte Comunicado da Congregação para a Doutrina da Fé : 

Chegaram à Congregação para a Doutrina da Fé diversas perguntas relativas ao valor e à autoridade de Notificação da mesma Congregação datada de 6 de outubro de 1995 e publicada no jornal L’ OSSERVATORE ROMANO de 23/24 de outubro de 1995, pág. 2; dizia respeito aos escritos e às mensagens da Sra. Vassula Ryden, atribuídos a presumidas revelações e difundidos em ambientes católicos do mundo inteiro. A este propósito a Congregação para a Doutrina da Fé quer oferecer as seguintes precisões : 

1) A Notificação dirigida aos Pastores e aos fiéis da Igreja Católica mantém todo o seu vigor. Foi aprovada pelas autoridades competentes e será publicada no órgão oficial da Santa Sé ACTA APOSTILICAE SEDIS, com a assinatura do Prefeito e do Secretário da Congregação. 

2) Com relação às notícias que alguns órgãos da imprensa difundiram a respeito de uma interpretação restritiva de tal Notificação, interpretação dada pelo Cardeal Prefeito numa conversa privada com um grupo de pessoas às quais concebeu audiência em Guadalajara (México) aos 10 de maio de 1996, o mesmo Cardeal Prefeito deseja esclarecer que 

a) como ele mesmo afirmou, os fiéis não devem considerar as mensagens de Vassula Ryden como revelação divina, mas apenas como meditações pessoais dessa senhora

b) em tais meditações, como já afirmava a Notificação, juntamente com aspectos positivos, existem elementos negativos do ponto de vista da doutrina católica; 

c) por conseguinte, os pastores e fiéis são convidados, a propósito, a um sério discernimento espiritual e a conservar a pureza da fé, dos costumes e da vida espiritual, sem se apoiar em presumidas revelações, mas seguindo a Palavra de Deus revelada e as diretrizes do magistério da Igreja. 

No que concerne à difusão de textos das presumidas revelações privadas, a Congregação para a Doutrina da Fé esclarece : 

1) Não é, de modo algum, válida a interpretação dada por algumas pessoas a uma Decisão aprovada por Paulo VI em 14 de outubro de 1966 e promulgada em 15 de novembro do mesmo ano, em virtude da qual (interpretação) se poderiam difundir livremente, na Igreja, livros e mensagens provenientes de presumidas revelações. Na verdade, aquela Decisão se referia à abolição do Index de Livros Proibidos e estipulava que, eliminada a censura relativa, permanecia a obrigação moral de não propagar nem ler aqueles escritos que põem em perigo a fé e os bons costumes. 

2) Não obstante, para a difusão de textos de presumidas revelações privadas, continua válida a norma do Código de Direito Canônico vigente, cânon 823, § 1º, que confere aos Pastores o direito de exigir que sejam submetidos ao seu juízo, antes de sua publicação, os escritos dos fiéis que tratam da fé e da Moral. 

3) As presumidas revelações sobrenaturais e os escritos correspondentes estão, em primeira instância, sujeitos ao juízo do Bispo Diocesano e, em casos particulares, ao da Conferência dos Bispos e ao da Congregação para a Doutrina da Fé. Diante de tais textos da Congregação para a Doutrina da Fé, o fiel católico não hesita sobre o alvitre que lhe compete tomar. 

A Igreja fundada por Cristo e confiada a Pedro e seus sucessores tem a promessa da assistência infalível de Cristo para que conserve incólume o patrimônio da fé; cf. Mt 16, 16-19; Lc 22, 1s, Jo 21, 15-17; 14,16; 16, 13-15. 

A Sra Vassula merece respeito. As Declarações da Santa Sé visam aos escritos que Vassula transmite não somente ao povo ortodoxo (do qual ela é membro), mas também ao mundo católico, que, em conseqüência, se sente perplexo. Era, pois, necessário que a Igreja, Mãe e Mestra, dissesse a respeito uma palavra de esclarecimento aos fiéis católicos.

0 comentários:

Postar um comentário